Planejamento, preparação e execução: Estados Unidos apoiam resposta à erupção do vulcão em São Vicente

Planejamento, preparação e execução: Estados Unidos apoiam resposta à erupção do vulcão em São Vicente

Por Embaixada dos Estados Unidos em Barbados, Caribe Oriental e OECO
abril 16, 2021

O governo dos EUA mobilizou uma abordagem abrangente e interagencial para levar o tão necessário auxílio ao povo de São Vicente e Granadinas. A Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional (USAID, em inglês) anunciou recentemente um aumento de US$ 100.000 em assistência a desastres para a população afetada pelas violentas erupções do vulcão La Soufrière. Em parceria com a Cruz Vermelha de São Vicente, a USAID financiará a distribuição de alimentos e suprimentos de emergência, incluindo kits de higiene, combustível, colchões e aquecedores portáteis.

As cinzas se elevam no ar quando o vulcão La Soufrière entra em erupção na ilha caribenha oriental de São Vicente, no dia 13 de abril de 2021. (Foto: Orvil Samuel/AP)

Esse anúncio veio após a assistência de US$ 40.000 da USAID que abasteceu os veículos para evacuar os vicentinos que vivem nas zonas vermelhas e ajudou a Cruz Vermelha de São Vicente a montar os seus centros emergenciais de evacuação imediatamente após o aumento da atividade sísmica.

O Comando Sul dos EUA (SOUTHCOM) está financiando com US$ 60.000 os projetos de assistência humanitária que distribuirão equipamentos de proteção individual e suprimentos para abrigar o povo de São Vicente. Diversas organizações comunitárias dos Estados Unidos, incluindo as da diáspora de São Vicente, também compareceram para ajudar.

A embaixadora dos EUA em Barbados e Caribe Oriental Linda Taglialatela manteve comunicação direta com o primeiro ministro Gonsalves e também com os parceiros regionais que estão prestando assistência ao país insular. “Nossa principal preocupação é a segurança do povo de São Vicente. Nós nos planejamos e preparamos para situações como essa. Chegou a hora de provar que todo o treinamento valeu a pena”, disse ela.

 

Nossa principal preocupação é a segurança do povo de São Vicente. Nós nos planejamos e preparamos para situações como essa. Chegou a hora de provar que todo o treinamento valeu a pena”, embaixadora dos EUA em Barbados e Caribe Oriental Linda Taglialatela.

 

O Programa de Assistência em Desastres de Vulcões da Pesquisa Geológica (VDAP, em inglês) da USAID-EUA continua a apoiar o Centro de Pesquisas Sísmicas da Universidade das Índias Ocidentais (UWI, em inglês), para monitorar a atividade vulcânica. Essas equipes vêm colaborando estreitamente desde dezembro de 2020, quando houve um aumento inicial da atividade do La Soufrière. Em fevereiro, o VDAP contribuiu com US$ 100.000 em equipamentos para construir três estações sísmicas e comprar rádios para melhorar as comunicações em São Vicente.

No transcurso do ano passado, parte do US$ 1,8 milhão da assistência regional da USAID ajudou o Instituto Caribenho de Meteorologia e Hidrologia a utilizar drones e imagens de satélite para obter dados climáticos e informar as autoridades de gestão de desastres. Um total de US$ 200.000 financiou especificamente o trabalho da Agência Caribenha de Gestão de Emergência em Desastres (CDEMA, em inglês) com o Gabinete Nacional de Gestão de Emergência (NEMO, em inglês) de São Vicente e a atualização dos seus centros de operações emergenciais. O NEMO é comandado pela diretora Michelle Forbes, que recebeu da Embaixada dos EUA uma bolsa de estudos da Fullbright em 2008. Forbes concluiu seu mestrado em Administração Pública e obteve o diploma de graduação em Gestão de Desastres na Universidade do Estado da Geórgia.

Em 2019, São Vicente e Granadinas sediaram o exercício de treinamento Tradewinds, com foco no Caribe, patrocinado pelo SOUTHCOM, com a participação de 22 nações parceiras e seus serviços de segurança. Como disse o primeiro ministro Gonsalves, na ocasião, “o objetivo do exercício de treinamento é testar, melhorar e aprimorar a prontidão e os mecanismos de resposta da nossa região durante desastres naturais”. O Tradewinds 2019 simulou uma erupção vulcânica.

Share