Escola peruana forma futuros líderes militares

Peruvian War College Trains Future Military Leaders

Por Geraldine Cook/Diálogo
março 29, 2018

As aulas da Escola Superior de Guerra do Exército do Peru - Escola de Pós-Graduação (ESGE-EPG) têm formado militares de alto nível profissional que marcaram a história do Peru. Suas salas são testemunhas da formação de inúmeros oficiais do Exército, da Marinha de Guerra, da Força Aérea e da Polícia Nacional.

“Nossa missão é a de capacitar os oficiais do Estado-Maior e comandantes frente aos novos desafios, não apenas os militares, mas também os que o próprio país enfrenta na atualidade”, disse o General-de-Brigada do Exército do Peru Rafael Segundo Pereyra Grande, diretor da ESGE-EPG. “A escola, com mais de um centenário de existência, formou mais de 4.000 oficiais do Estado-Maior com capacitação obviamente na arte da guerra e nos novos desafios ou ameaças como o terrorismo, o narcotráfico, a extração [ilegal] de madeira etc.”

O alcance acadêmico da ESGE-EPG ultrapassa as fronteiras nacionais. Por suas salas também já passaram oficiais militares da Argentina, da Bolívia, do Brasil, de El Salvador, da Espanha, dos Estados Unidos, da Guatemala, do México, Panamá, Paraguai e Uruguai. “A integração internacional é muito proveitosa; a arte da guerra não é fechada, é um conhecimento muito aberto e estamos trocando conhecimentos e experiências”, disse o Gen Bda Pereyra.

A ESGE-EPG foi criada em 1904. Depois de mais de 100 anos de serviço acadêmico, hoje possui sua própria sede em um edifício considerado patrimônio histórico da nação, em Chorrillos, Lima.

Experiência acadêmica

A ESGE-EPG conta com estudantes e docentes nacionais e internacionais. “Estar na escola é uma experiência muito boa e enriquecedora. É um âmbito bastante exigente do ponto de vista acadêmico”, disse o Major do Exército da Argentina Diego Hernán Delmé, aluno do segundo ano de Mestrado em Ciências Militares. O Maj Delmé também se prepara para ser professor convidado nos cursos de Inteligência de Combate e Planejamento Operacional.

Uma das vantagens da escola de pós-graduação, segundo ele, é a consolidação de laços humanos e a camaradagem entre os profissionais militares da região. “Conhecer profissionais de outros países, ter contato com pares da região e darmo-nos conta de que basicamente falamos o mesmo idioma a partir do mesmo ponto de vista militar, é fundamental para a nossa formação”, ressaltou o Maj Delmé.

Outros militares convidados também valorizam o intercâmbio de experiências internacionais. Para o Coronel do Exército da Colômbia Wilson Abraham Villamil Pineda, professor convidado especializado no tema da evolução do conflito na Colômbia, compartilhar conhecimentos na arte da guerra é um valor agregado da escola. “Os alunos estão bastante motivados para conhecer o que ocorreu, em termos de conflito, em outros países”, disse o Cel Villamil. “A relação é bastante motivadora para os militares que estudam na ESGE-EPG, porque lhes permite conhecer outros exércitos e ter uma visão mais global do que acontece no mundo.”

“A meta é a de despertar esse pensamento crítico e criativo que todo oficial de Estado-Maior deve ter para poder assessorar”, disse o Tenente-Coronel do Exército do Peru José Luis Benavides Acosta, docente da ESGE-EPG no curso de Preparação de Inteligência no Campo de Batalha. O Ten Cel Benavidez também é egresso da instituição. “Tanto para o aluno como para o docente é muito exigente. A escola tem de cumprir padrões de qualidade”, disse o Ten Cel Benavidez. “Desde que estudei em 2014 até agora, a escola evoluiu no tratamento dos novos papéis que o Exército desempenha, frente às necessidades que o Estado tem para as forças armadas”.

A ESGE-EPG conta com um programa de Alto Comando do Exército, com um ano de duração, voltado para coronéis que têm a oportunidade de se capacitarem em Planejamento Estratégico, Segurança, Defesa e Operações de Paz, entre outros temas. O mestrado em Gestão Pública, de dois anos de duração, é ministrado em associação com a Universidade do Pacífico.

A oferta acadêmica para oficiais com patente de major inclui o mestrado em Ciências Militares, o diploma em Gestão Pública, ministrado na Universidade San Ignacio de Loyola, e o diploma em Técnica de Estado-Maior, nível de pós-graduação. A ESGE-EPG é uma instituição credenciada pelo Conselho de Avaliação, Credenciamento e Certificação da Qualidade da Educação Superior Universitária, órgão especializado do Ministério de Educação do Peru.

Situações virtuais

Entre as singularidades da ESGE-EPG se sobressai uma novidade acadêmica virtual única em sua natureza em nível nacional. Conhecido como Centro de Treinamento Tático Computadorizado do Exército (CETAC), realiza simulações virtuais para o treinamento ou a preparação tanto de pessoal militar como civil. “O CETAC foi criado devido à necessidade de se obterem resultados dos planos que preparávamos como apoio à sociedade, em casos de desastres, e para buscar a forma com a qual os planos de operações contra terroristas tivessem maior exatidão”, disse o Coronel (R) do Exército do Peru Guillermo Gamaliel M. Ortiz Herrera, especialista em gestão de simulação virtual, operações de defesa, desastres naturais e gestão de crise do CETAC. “Temos a visão de sermos líderes dos centros de treinamento que empregam a simulação de cenários virtuais em nível nacional.”

A ESGE-EPG tem um histórico de renome nacional. “Em 2017, realizamos um seminário internacional, temos convênios acadêmicos com os exércitos de outros países e, em nível nacional, temos acordos com universidades de prestígio como a Universidade do Pacífico e a de San Ignacio de Loyola”, disse o Gen Pereyra. Além disso, está previsto agregar vários cursos ao seu programa acadêmico. Entre eles destaca-se o de Assistência de Riscos e Desastres.

“Nosso grande desafio é o de capacitar os futuros líderes do nosso país”, disse o Gen Pereyra. “E isto não apenas em todos os campos de caráter militar mas também nos novos desafios da sociedade.”
Share