Exército paraguaio queimará grande quantidade de maconha apreendida

Por Dialogo
janeiro 28, 2015



O Exército paraguaio deverá queimar 12 toneladas de maconha em 29 de janeiro, no quartel do Primeiro Corpo do Exército, perto da cidade de Curuguaty, no Departamento de Canindeyú.

Soldados do exército apreenderam a maconha durante seis operações em 2013 e onze em 2014. Em uma das missões, foram apreendidos 3.000 kg encontrados no porão de uma residência em Curuguaty em 16 de setembro de 2014.

A ação marcará a primeira incineração de maconha no quartel desde que as tropas destruíram 4.170 kg da substância em 4 de novembro de 2013. Canindeyú, que é um dos principais centros de cultivo de maconha do país, fica próximo da fronteira com o Brasil.

Os traficantes de drogas do Paraguai cultivaram cerca de 30.000 toneladas de maconha em 2014, tornando-se um dos maiores produtores mundiais da droga, de acordo com a Organização das Nações Unidas.

Exército Nacional colombiano destrói sete laboratórios de cocaína


O Exército Nacional da Colômbia continuou sua ofensiva contra o narcotráfico em todo o país, destruindo sete laboratórios de cocaína nos estados de Cauca, Norte de Santander e Antioquia, informou o Exército em nota em 25 de janeiro.

Soldados da Força-Tarefa Apolo encontraram quatro dos laboratórios nos municípios de Suarez, Páez e El Tambo, em Cauca, onde apreenderam o total de 1.336 litros de pasta de coca processada (o principal ingrediente utilizado para produzir a cocaína), 277 kg de folhas de coca, 12 kg de soda cáustica e 10 kg de sulfato de amônio, entre outros produtos e equipamentos.

Tropas da Segunda Divisão do Exército desmantelaram um laboratório de cocaína no município de Tibú, em Norte de Santander, onde destruíram 883 litros de pasta-base de coca, 200 quilos de folhas de coca picadas e 1.741 litros de gasolina.

Os dois últimos laboratórios de cocaína foram descobertos pela Força-Tarefa Conjunta Nudo de Paramillo nas cidades de Mutatá e Ituango, em Antioquia. Eles armazenavam um total de 356 kg de folhas de coca, 208 litros de pasta-base de coca e 150 kg de cimento, entre outros materiais e equipamentos.

Força de segurança hondurenha FUSINA combate tráfico de drogas


Integrantes da Força Nacional Interinstitucional de Segurança (FUSINA), uma força de segurança hondurenha de elite formada por soldados do Exército e agentes da Polícia Nacional, demoliram recentemente grandes áreas de terra que narcotraficantes do departamento de Santa Bárbara utilizavam como rotas de narcotráfico.

Membros do Primeiro Batalhão de Engenheiros utilizaram tratores-esteira e explosivos para abrir crateras em Nueva Frontera, Cerro El Aguacate e Mirasoles.

Os narcotraficantes estavam usando o terreno nessas áreas remotas para transportar drogas para a vizinha Guatemala. Graças ao trabalho dos engenheiros militares, o terreno está agora cheio de grandes crateras.

Em 2014, tropas da FUSINA realizaram operações semelhantes contra narcotraficantes em Gracias a Dios, Olanchito e Atlántida, além da apreensão de 11.681 kg de cocaína.

A ação fez parte da Operação Morazán, uma iniciativa da FUSINA para prevenir o tráfico de narcóticos, pessoas e bens roubados.


O Exército paraguaio deverá queimar 12 toneladas de maconha em 29 de janeiro, no quartel do Primeiro Corpo do Exército, perto da cidade de Curuguaty, no Departamento de Canindeyú.

Soldados do exército apreenderam a maconha durante seis operações em 2013 e onze em 2014. Em uma das missões, foram apreendidos 3.000 kg encontrados no porão de uma residência em Curuguaty em 16 de setembro de 2014.

A ação marcará a primeira incineração de maconha no quartel desde que as tropas destruíram 4.170 kg da substância em 4 de novembro de 2013. Canindeyú, que é um dos principais centros de cultivo de maconha do país, fica próximo da fronteira com o Brasil.

Os traficantes de drogas do Paraguai cultivaram cerca de 30.000 toneladas de maconha em 2014, tornando-se um dos maiores produtores mundiais da droga, de acordo com a Organização das Nações Unidas.

Exército Nacional colombiano destrói sete laboratórios de cocaína


O Exército Nacional da Colômbia continuou sua ofensiva contra o narcotráfico em todo o país, destruindo sete laboratórios de cocaína nos estados de Cauca, Norte de Santander e Antioquia, informou o Exército em nota em 25 de janeiro.

Soldados da Força-Tarefa Apolo encontraram quatro dos laboratórios nos municípios de Suarez, Páez e El Tambo, em Cauca, onde apreenderam o total de 1.336 litros de pasta de coca processada (o principal ingrediente utilizado para produzir a cocaína), 277 kg de folhas de coca, 12 kg de soda cáustica e 10 kg de sulfato de amônio, entre outros produtos e equipamentos.

Tropas da Segunda Divisão do Exército desmantelaram um laboratório de cocaína no município de Tibú, em Norte de Santander, onde destruíram 883 litros de pasta-base de coca, 200 quilos de folhas de coca picadas e 1.741 litros de gasolina.

Os dois últimos laboratórios de cocaína foram descobertos pela Força-Tarefa Conjunta Nudo de Paramillo nas cidades de Mutatá e Ituango, em Antioquia. Eles armazenavam um total de 356 kg de folhas de coca, 208 litros de pasta-base de coca e 150 kg de cimento, entre outros materiais e equipamentos.

Força de segurança hondurenha FUSINA combate tráfico de drogas


Integrantes da Força Nacional Interinstitucional de Segurança (FUSINA), uma força de segurança hondurenha de elite formada por soldados do Exército e agentes da Polícia Nacional, demoliram recentemente grandes áreas de terra que narcotraficantes do departamento de Santa Bárbara utilizavam como rotas de narcotráfico.

Membros do Primeiro Batalhão de Engenheiros utilizaram tratores-esteira e explosivos para abrir crateras em Nueva Frontera, Cerro El Aguacate e Mirasoles.

Os narcotraficantes estavam usando o terreno nessas áreas remotas para transportar drogas para a vizinha Guatemala. Graças ao trabalho dos engenheiros militares, o terreno está agora cheio de grandes crateras.

Em 2014, tropas da FUSINA realizaram operações semelhantes contra narcotraficantes em Gracias a Dios, Olanchito e Atlántida, além da apreensão de 11.681 kg de cocaína.

A ação fez parte da Operação Morazán, uma iniciativa da FUSINA para prevenir o tráfico de narcóticos, pessoas e bens roubados.
Share