Paraguai apreende mais de 46 toneladas de drogas ilícitas em uma semana

Paraguai apreende mais de 46 toneladas de drogas ilícitas em uma semana

Por Juan Delgado/Diálogo
setembro 11, 2020

A luta contra o narcotráfico não dá trégua no Paraguai. No final de julho, em diversas operações realizadas em todo o país, a Secretaria Nacional Antidroga (SENAD), em cooperação com as Forças Armadas, apreendeu e destruiu mais de 46 toneladas de drogas.

“A SENAD, junto com a Marinha, a FTC [Força-Tarefa Conjunta] e o Ministério Público, realizou diversas operações nesta semana. Mais de 46 toneladas de maconha [foram] tiradas de circulação, cerca de meia tonelada de cocaína e vários detidos”, disse o presidente do Paraguai Mario Abdo, em sua conta no Twitter, no dia 24 de julho.

Um agente da SENAD destrói insumos para a produção de maconha em um laboratório no estado de Amambay, no dia 23 de julho de 2020. (Foto: Secretaria Nacional Antidrogas do Paraguai)

Entre as operações realizadas se destacam as seguintes:

Em uma operação no estado de Caaguazú, agentes especiais da SENAD encontraram uma plantação de maconha de 5 hectares, no dia 23 de julho. As autoridades destruíram os cultivos que, de acordo com um comunicado da SENAD, poderiam produzir cerca de 15 toneladas de maconha. Os agentes também confiscaram no local cerca de 1.300 quilos da planta já processada.

Em uma operação paralela no estado de Amambay, agentes da SENAD desmantelaram um grande laboratório de maconha equipado com eletricidade, congeladores, geladeiras industriais e tanques de água potável, entre outros elementos para a produção da droga.

“Eles obtinham maconha prensada tradicional, mas a principal aposta era a maconha marroquina ou haxixe, produto que requer maior cuidado de produção, como a refrigeração permanente”, explicou a SENAD em um comunicado.

Ao todo, os agentes confiscaram 2.400 kg de maconha picada, 119 kg de maconha prensada, 3 kg de haxixe e 25 kg de sementes. Dois cidadãos paraguaios foram capturados.

“Essa não foi a primeira vez em que a SENAD detectou esse tipo de complexos na mesma região do país”, informou a SENAD. “O fenômeno do surgimento de tais estruturas seria devido ao aumento da demanda por novas variedades de maconha no mercado brasileiro. A droga congelada ou haxixe marroquino é mais cara do que a maconha tradicional […].”

Outro centro de produção e armazenamento de maconha foi destruído no estado de Concepción, no dia 18 de julho. As autoridades confiscaram no local quase 4 toneladas de maconha, 44 kg de sementes e incineraram quatro lotes de 2 hectares da droga em fase de crescimento.

No mesmo dia, em uma região rural do estado de Canindeyú, agentes da SENAD detectaram um acampamento com diversos insumos para processamento e empacotamento da maconha. As autoridades destruíram o acampamento e apreenderam 841 kg de maconha em pacotes e cerca de 1.000 kg da planta picada.

Outra operação de erradicação de cultivos de maconha foi realizada no estado de Alto Paraná, no dia 16 de julho. Agentes da SENAD destruíram 4 hectares de cultivos que, de acordo com um comunicado da instituição, poderiam produzir cerca de 12 toneladas de maconha. No local, também foram confiscados 600 kg de maconha seca e 10 kg de sementes.

Share