Panamá continuará buscando alternativas de combate ao narcotráfico

Por Dialogo
março 28, 2012


O Panamá continuará dialogando com os demais países centro-americanos para chegar a um consenso na luta contra o narcotráfico, embora seja contra a descriminalização das drogas, anunciou em 26 de março o chanceler Roberto Henríquez.

“Sempre manteremos o diálogo”, porque na América Central “está ocorrendo uma inquietação quanto a como se deve enfrentar esta luta e até que ponto a luta contra o narcotráfico está sendo eficiente, e se a estamos vencendo ou não”, disse Henríuquez.

Os presidentes centro-americanos voltarão a reunir-se nos dias 11 e 12 de abril na Guatemala para continuar debatendo sobre as novas estratégias de combate ao narcotráfico que açoita a região, conforme disse o governante de Honduras, Porfirio Lobo.

Uma reunião em nível presidencial convocada com essa finalidade pelo chefe de Estado da Guatemala, Otto Pérez, no sábado passado em seu país, contou apenas com a presença do anfitrião e de seus homólogos do Panamá, Ricardo Martinelli, e da Costa Rica, Laura Chinchilla. Pérez solicitou no encontro um posicionamento a favor da descriminalização das drogas para reduzir os crimes ligados ao narcotráfico, o que seus homólogos não apoiaram.

Henríquez reiterou em 26 de março que o Panamá “não acredita na descriminalização das drogas nem de seu consumo, e muito menos do tráfico”, ainda que tenha reconhecido que “é preciso avaliar realmente a questão e ver se existem outras opções que nos permitam ser mais eficientes e bem-sucedidos nesta difícil luta contra o narcotráfico”.

Os governantes centro-americanos buscarão na Guatemala uma posição de consenso para levá-la à Cúpula das Américas, que será realizada nos dias 14 e 15 de abril em Cartagena das Índias (Colômbia).

“Nunca se conversar sobre as importantes questões da região, chegue-se ou não a acordos ou consensos, será um fracasso. Essas tentativas são sempre valiosas”, disse Henríquez.



Share