Panamá apreende o maior volume de drogas em 15 anos

Panama Seizes Highest Volume of Drugs in 15 Years

Por Dialogo
fevereiro 22, 2016




Órgãos ligados ao Ministério de Segurança Pública do Panamá apreenderam 58,11 toneladas de drogas em 2015. O total, que inclui 52,26 t de cocaína, é o maior volume de drogas apreendido no país desde 2000, segundo o Sistema Integrado de Estatísticas Criminais e o Ministério Público.

O nível histórico de apreensões representa um aumento de 49% em relação às 39,2 t apreendidas em 2014, além de exceder as 54,31 t confiscadas pelas forças de segurança do país em 2010, o recorde de apreensões anterior.

“O combate frontal às drogas é uma prioridade do governo do Panamá”, disse o ministro de Segurança Pública, Rodolfo Aguilera. O sucesso é atribuído às estratégias que o Panamá estabeleceu em 2015, como a troca de informações com países como Costa Rica, Colômbia, México e Estados Unidos, em um esforço para reprimir as operações do narcotráfico, explicou o ministro Aguilera.

O ministro de Segurança Pública e seu colega costa-riquenho, Luis Mata Vega, assinaram no início de 2015 um memorando de entendimento permitindo que os dois países compartilhem relatórios de inteligência para desmantelar grupos do crime organizado que traficam drogas, entre outros contrabandos. A ação conjunta permitiu que os países alcançassem diversas vitórias na área de segurança. Por exemplo, em novembro, os dois países trabalharam juntos para desarticular um grupo do crime organizado que enviava drogas do Panamá para serem vendidas na Costa Rica.


Na operação, realizada na Costa Rica, as autoridades de segurança utilizaram informações de inteligência do Panamá para apreender 49 kg de cocaína e cerca de US$ 14.000 (R$ 56.700). Dois colombianos e dois costa-riquenhos foram presos.

Na fronteira com a Colômbia, o Serviço Nacional de Fronteiras do Panamá (SENAFRONT) realizou esforços conjuntos com o Exército Nacional Colombiano. Por exemplo, agentes do SENAFRONT e soldados colombianos cavaram trincheiras e montaram postos de segurança, um deles em La Unión, que fica na área de selva da província de Darién.

Um dos muitos casos que resultaram em prisões e apreensões através da inteligência conjunta ocorreu em 27 de dezembro de 2015, quando agentes do SENAFRONT aprenderam 205 kg de cocaína em Agua Fría, Darién. As drogas estavam sendo transportadas em veículos com fundo falso, um mecanismo frequentemente usado para contrabandear drogas através das fronteiras, usando viajantes conhecidos como “mochileiros”, disse Frank Abrego, diretor-geral do SENAFRONT. Um panamenho e um colombiano foram presos.

O ministro Aguilera enfatizou que a comunicação contínua com outros países da região ajudou a descobrir novos métodos de narcotráfico. “Sabemos como estão atuando em cada fronteira e isso nos ajuda a agir no momento preciso. É uma luta diária, incansável, em que a cooperação entre autoridades nas fronteiras é vital.”

Operação Pátria


A Operação Pátria, uma iniciativa panamenha, também foi crucial para o êxito do país no combate ao narcotráfico e ao crime organizado, segundo Aguilera. Durante a operação, que durou 40 dias, entre 20 de outubro e 30 de novembro do ano passado, forças de segurança panamenhas apreenderam 3,1 t de drogas, prenderam 35 suspeitos de narcotráfico e confiscaram nove barcos.

“Esta é a primeira vez que o país bloqueia de maneira permanente, 24 horas por dia, 7 dias por semana, por quase um mês e meio, o ingresso de lanchas rápidas e narcotraficantes por via marítima no território panamenho", explicou o ministro Aguilera. “Envolveu um esforço adicional e coordenação bem-sucedida de toda a força pública do país especificamente para obter o que alcançamos, melhorar os números da segurança no território."

Segundo o diretor de Operações do Serviço Aeronaval e chefe da Operação Pátria, o Comissário Ramón Nonato López, o que garantiu o sucesso da Operação Pátria foi “o bloqueio das rotas marítimas da América do Sul, o monitoramento das redes de apoio ao narcotráfico, a interceptação de alvos identificados para impedir o contrabando de drogas e a detecção de cargas dessas substâncias ilícitas dentro do território do Panamá”.

Nos últimos sete anos, o Panamá apreendeu 324,76 t de narcóticos: 54,2 em 2009; 54,31 em 2010; 39,64 em 2011; 35,51 em 2012; 43,79 em 2013; 39,2 em 2014; e 58,11 no ano passado.

Em 2016, as autoridades de segurança panamenhas planejam continuar sua vigilância e aprofundar a cooperação com nações parceiras da América Central para derrotar o crime organizado, destacou o ministro Aguilera.
Share