Operação Tenaz golpeia o narcoterrorismo no VRAEM

Operation Tenacious Strikes Narcoterrorism in the VRAEM

Por Julieta Pelcastre/Diálogo
dezembro 20, 2017

Em uma operação conjunta no Vale dos rios Apurímac, Ene e Mantaro (VRAEM) entre o Comando de Inteligência e Operações Especiais (CIOEC), o Comando Especial do VRAEM (CE-VRAEM) e a Polícia Nacional do Peru, mais de 1.000 efetivos deram um golpe nos remanescentes terroristas aliados ao narcotráfico nesse país, por meio da Operação Tenaz. As autoridades executaram várias operações de intervenção de veículos e produtos químicos usados na elaboração de drogas ilegais na região, entre outubro e novembro.

“No VRAEM, é muito complicado trabalhar. Ao somar esforços numa só operação, conseguimos obter o controle territorial sobre partes da área na qual há muito tempo não se entrava por diversas razões”, disse à Diálogo o Almirante-de-Esquadra Francisco Calisto Giampetri, comandante do CIOEC. “Obteve-se a vantagem tática sobre eles [os terroristas] com inteligência e trabalho em conjunto.”

A vantagem tática se deveu ao minucioso estudo do terreno, ao desenvolvimento tático e à capacidade de manobra das patrulhas. Contribuiu também para a operação o sistema de comando e controle, que permitiu reposicionar patrulhas em tempo real. As ações ajudaram a manobrar na área sem perder de vista o objetivo principal.

“Foi uma operação grande, contundente e bem-sucedida. Nós fomos com uma atitude ofensiva total”, comentou à Diálogo o Almirante-de-Esquadra José Luis Paredes, chefe do Comando Conjunto das Forças Armadas do Peru (CCFFAA). “Com essa ação, os remanescentes do terrorismo perdem significativamente a capacidade operacional e logística.”

Enfrentamentos e ações paralelas

Graças ao trabalho conjunto, uma patrulha de reconhecimento do CE-VRAEM enfrentou uma coluna do grupo rebelde Sendero Luminoso, em Ayacucho. Durante a ofensiva, foi neutralizado o suposto terroista conhecido como “Ciro”, e outros quatro ficaram feridos.

“Trabalhou-se em vários cenários de uma vez, que não é o que normalmente acontece”, indicou o Alte Esq Calisto. “Esse tipo de operações vai num processo lógico de aprendizado vinculado à análise dos eventos anteriores que puderam ser desenvolvidos em zonas parecidas.”

Em outro confronto, as autoridades enfrentaram os delinquentes no setor Montehuasi da zona de Vizcatán, no centro sul do Peru e considerado a fortaleza dos terroristas. Nesse confronto, foram neutralizados dois delinquentes e foi produzido um número indeterminado de feridos. Após esse segundo enfrentamento, as unidades combinadas localizaram um acampamento terrorista e um armazém logístico avançado com alimentos que pertenciam a Jorge Quispe Palomino, também conhecido como “Raúl”, segundo o comando do Sendero Luminoso. Além disso, armas e cartuchos de diversos calibres foram apreendidos, bem como equipamentos de rádio e comunicação.

Da mesma forma, as forças militares e policiais realizaram uma série de operações contra o tráfico ilícito de drogas nos povoados de Mayapo, Villa Aurora e Junin do VRAEM. As autoridades apreenderam 15 quilos de pasta básica de cocaína, destruíram duas toneladas de folha de coca e cinco toneladas de produtos químicos. Além disso, destruíram cinco laboratórios de produção de cloridrato de cocaína e duas pistas de pouso clandestinas. Nessas ações, foram detidos 13 delinquentes.

“A configuração da Operação Tenaz não é outra coisa senão uma [versão] de um conceito que se vem trabalhando já faz tempo. Estar sob um comando unificado nos tem dado excelentes resultados. Pudemos compartilhar meios e complementar esforços”, ressaltou o Alte Esq Calisto. “Não é uma questão de quantidade de pessoas. É uma questão de complementar as capacidades operacionais.”

Presença do Estado

“O VRAEM tem um problema que não vai ser solucionado pelo soldado ou pelo policial. Enquanto [houver presença estatal] no VRAEM, isso vai estar controlado. No momento que a retirarmos, esse espaço será imediatamente substituído por outra pessoa”, assinalou o Alte Esq Calisto. “As operações militares-policiais são apenas um componente.”

“As pessoas devem se sentir respaldadas”, acrescentou o Alte Esq Paredes. “É preciso ter a segurança de prosseguir com as atividades cotidianas, porque onde o Estado não está, não há segurança para viver.”

As operações estratégicas simultâneas no VRAEM vão continuar. Em 2017, as 56 bases militares terrestres e fluviais posicionadas na região realizaram aproximadamente 2.800 operações de diversos tipos. “O objetivo principal das operações é a pacificação”, enfatizou o Alte Esq Paredes. “O sucesso das operações é o de devolver o estado de direito e a ordem interna à população.”

O CCFFAA realiza operações e ações para promover o desenvolvimento sustentável do VRAEM por meio de diversos programas sociais, como oferecer serviços básicos de saúde e educação e gerar oportunidades de desenvolvimento econômico. O Alte Esq Calisto destacou o apoio das operações combinadas. “Esse não é um trabalho exclusivo das Forças Armadas ou da polícia”, acrescentou.

A soma dos esforços nessa zona do Peru envolve a observação absoluta dos direitos humanos e do direito internacional humanitário. Estamos treinados e capacitados para o emprego do uso da força em cumprimento irrestrito ao que mandam os direitos humanos e é isso que nos diferencia das pessoas que vivem de ilícitos, do narcotráfico e do terrorismo”, sublinhou o Alte Esq Paredes. “Para o Estado, é um desafio e um compromisso deixar o VRAEM pacificado. Nós temos que enfrentar o desafio logo. Não vemos esse objetivo como algo distante”, finalizou.
Share