Operação Martillo avança na luta antidrogas

Por Dialogo
julho 29, 2013




MIAMI, EUA – A parceria dos Estados Unidos com países do Hemisfério Ocidental e da Europa resultou na apreensão de mais de 245 t de narcóticos como resultado da Operação Martillo, uma missão internacional que busca barrar as rotas de tráfico em ambos os litorais do istmo centro-americano.
“O compromisso [do Comando Sul dos EUA] em trabalhar com parceiros da região e do governo americano – dos militares aos demais órgãos de nosso governo – está ajudando a construir uma rede integrada de defesa no Hemisfério Ocidental, baseada na responsabilidade e em valores compartilhados”, afirmou o vice-secretário de Defesa dos EUA, Ash Carter, em nota. “Por meio de iniciativas como a Operação Martillo, o Comando Sul dos EUA e seus parceiros estão desmantelando redes criminosas transnacionais e combatendo o tráfico de drogas ilícitas.”
Liderada pela Força-Tarefa Conjunta Interagências Sul, a Operação Martillo inclui Canadá, Belize, Colômbia, Costa Rica, El Salvador, França, Guatemala, Honduras, Holanda, Nicarágua, Panamá, Espanha e Reino Unido. O objetivo é desarticular organizações criminosas transnacionais ao limitar sua capacidade de utilizar a América Central como uma zona de trânsito.
De 15 de janeiro de 2012 a 17 de julho de 2013, a Operação Martillo resultou na apreensão de 207.740 kg de cocaína e 37.397 kg de maconha, além de 472 prisões e do confisco de 152 bens.
A Força-Tarefa Conjunta Interagências Sul e o Comando Sul dos EUA continuarão a trabalhar com países parceiros na Operação Martillo. No último ano fiscal, 69% das operações de desarticulação de grupos de narcotráfico foram realizadas com o apoio de um país-membro, ante 59% do exercício fiscal de 2011.
A operação apoia diretamente o combate ao tráfico e o desmantelamento de redes criminosas transnacionais na América Central, que são os principais objetivos da Iniciativa de Segurança Regional da América Central (CARSI).
“A Operação Martillo mostra o claro compromisso do Hemisfério Ocidental e de países europeus em trabalhar como parceiros e proteger os cidadãos da América Central da violência, dos danos e da exploração gerada pelas redes criminosas”, informaram em nota a Força-Tarefa Conjunta Interagências Sul e o Comando Sul dos EUA.
A Operação Martillo é fundamental na luta contra as drogas, pois 80% das cargas de cocaína são transportadas por rotas marítimas. Quase 90% da cocaína que chega aos Estados Unidos vem através de México e América Central, segundo o Conselho Internacional de Controle de Narcóticos da Organização das Nações Unidas (ONU).
“A Operação Martillo tem sido um grande sucesso e mostra nosso claro compromisso de trabalhar junto com nossos países parceiros e a comunidade interagências para combater a influência do crime organizado e interromper o fluxo de drogas ilícitas para os EUA”, disse o contra-almirante Sinclair Harris, comandante do Comando Sul das Forças Navais e da 4ª Frota dos EUA. “Ao trabalhar junto com nossos países parceiros e forças aliadas para vigiar os litorais, nosso objetivo é negar-lhes a capacidade de trânsito para que o mar não esteja livre para o tráfico ilícito.”
Países parceiros têm um compromisso com a Operação Martillo.
“O Canadá mantém relações sólidas e crescentes com os povos e os países caribenhos e centro-americanos”, afirmou em nota a ministra canadense das Relações Exteriores, Diane Ablonczy. “Temos o compromisso de fortalecer esses laços ao compartilhar conhecimento e fornecer nossos recursos para combater ameaças comuns, como o contrabando internacional de drogas. Ao trabalhar juntos, estamos conquistando maior segurança e prosperidade para o nosso hemisfério.”
Share