Operação internacional Turquesa III detém 216 criminosos

Operação internacional Turquesa III detém 216 criminosos

Por Julieta Pelcastre/Diálogo
janeiro 13, 2022

Select Language

A Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol, em inglês) liderou a Operação Turquesa III contra o tráfico de pessoas, entre os dias 29 de novembro e 3 de dezembro de 2021. As autoridades de 34 países do hemisfério resgataram 127 vítimas submetidas a trabalhos forçados e exploração sexual e detiveram 216 criminosos.

Tren de Aragua

A Polícia Nacional do Equador informou que durante a Operação Turquesa III foram detidos 16 delinquentes do grupo criminoso venezuelano Tren de Aragua, dedicado ao tráfico de pessoas e assassinatos sob encomenda.

As autoridades realizaram 12 incursões na província de Carchi, onde encontraram terminais portáteis, cartões de crédito, documentos de identidade dos detidos e de supostas vítimas, dinheiro em espécie e computadores, informou a Procuradoria equatoriana no dia 30 de novembro.

“O Tren de Aragua tem cerca de 3.000 homens para disseminar crimes em toda a América do Sul”, informou o site chileno Meganoticias. no dia 16 de outubro. “A Polícia determinou que a quadrilha tinha acordos com a guerrilha colombiana, que lhe permitia entrar em troca de dinheiro”, informou o Ministério de Governo do Equador.

A Operação Turquesa III possibilitou a detenção de 216 traficantes de pessoas no continente americano, entre os dias 29 de novembro e 3 de dezembro de 2021. (Foto: Interpol)

O Tren de Aragua operava na cidade fronteiriça de Tulcán, Equador, onde conseguiu recrutar vítimas, informou o diretor de Infância, Adolescência e Família do Equador, José Luis Garcés, ao jornal dominicano Listín Diario, no dia 29 de novembro.

“No Equador, 83 por cento das vítimas de tráfico são meninas e mulheres”, disse em outubro o juiz equatoriano Arturo Márquez ao jornal El Peruano. A exploração sexual e trabalhista são os objetivos mais comuns do tráfico de pessoas, com 64 por cento e 35 por cento, respectivamente, segundo o portal das Nações Unidas.

Mais operações

Durante a Operação Turquesa III, a Colômbia desmantelou em Bogotá uma rede criminosa conhecida como Casa Inglesa, envolvida no tráfico de pessoas para exploração sexual de crianças, que eram recrutadas na Venezuela e levadas à Colômbia, para em seguida serem enviadas ao Equador, informou a Interpol.

Por sua vez, as autoridades salvadorenhas detiveram 27 indivíduos por abuso de menores e exploração trabalhista, acrescentou a Interpol. Em Belize, a Polícia resgatou 11 vítimas de tráfico de pessoas, entre elas uma mãe hondurenha com três filhos.

No Chile, a descoberta do corpo de um cidadão venezuelano na fronteira com a Bolívia identificou um corredor de tráfico de venezuelanos. As polícias do Paraguai e da Argentina uniram esforços para resgatar um menino objeto de exploração sexual, explicou a Interpol.

Jürgen Stock, secretário-geral da Interpol, reconheceu a forte mobilização e a coordenação por trás da Operação internacional Turquesa III. “Cada operação reforça nossa rede, lançando mais uma rede ampla contra o crime organizado. Trabalhando juntos, conseguimos desmantelar as estruturas criminosas, cortamos as principais fontes financeiras e, o que é mais importante, resgatamos as vítimas.”

Share