OEA contra o tráfico de armas

Por Dialogo
agosto 24, 2011


A Organização dos Estados Americanos (OEA) promove uma iniciativa para combater o tráfico ilícito de armas de fogo através de um programa posto em prática em países da América Latina e do Caribe.

O programa consiste em acrescentar às marcas de fábrica que as armas normalmente contêm, como número de série, modelo e calibre, algumas outras como o país importador, onde foram encontradas e outras que permitam identificar sua trajetória, do ponto de origem até o destino.

Isto pode ajudar “a se determinar em que ponto uma arma entrou no mercado ilícito e/ou contribuir para que seja identificada a pessoa que praticou um crime”, o que constitui “uma ferramenta muito efetiva para combater o tráfico de armas no hemisfério”, segundo o comunicado.

A OEA informou que 25 estados membros demonstraram interesse em participar do programa, e até o momento 13 deles já assinaram um acordo de cooperação.

Estes países são: Barbados, Bahamas, Belize, Costa Rica, El Salvador, Granada, Guatemala, Uruguai, Paraguai, Santa Lúcia, São Cristóvão e Nevis, São Vicente e Granadinas e Trinidad e Tobago.

Espera-se como resultado deste programa que, em 2012, pelo menos 25 mil armas de fogo sejam marcadas em todo o hemisfério.



Share