Proposto novo organismo de reação rápida contra o crime em Honduras

Por Dialogo
julho 30, 2012


O Congresso hondurenho analisará a criação de um novo grupo policial de resposta rápida, assessorado pelos Carabineiros do Chile, para enfrentar a violência que mantém o país com a mais alta taxa mundial de homicídios, informaram em 26 de julho fontes legislativas.

O presidente do Congresso, Juan Hernández, apresentou um projeto de lei para criar a “Tropa de Inteligência e Grupos de Resposta Especial de Segurança (TIGRES)”, formado por 200 homens.

O TIGRES “é um Instituto Armado com formação, treinamento, escalão e disciplina militar, especializado em dar segurança à população através do combate ao crime nas áreas geográficas ou materiais, tarefas e funções que lhe são estrategicamente designadas pela Secretaria de Segurança”, disse Hernández, que nomeou também uma comissão para estudar a iniciativa e apresentá-la à Câmara nos próximos dias.

Com o novo organismo de segurança, o governo pretende responder a crimes graves como sequestros e assassinatos, com ajuda técnica dos Carabineiros do Chile.

“O objetivo é formar uma equipe ativa de resposta às necessidades atuais do país”, explicou Hernández.

A criminalidade, sobretudo aquela ligada ao narcotráfico, é um dos maiores problemas de Honduras.

Segundo um estudo de 2010, o país centro-americano, com apenas 8 milhões de habitantes, registrava a mais alta taxa de homicídios do mundo entre os países sem conflitos bélicos, 82 para cada 100 mil pessoas.

O governo do presidente Porfirio Lobo empreende uma série de ações para diminuir a incidência do crime, entre as quais considera a criação do novo organismo policial, a proibição da circulação de homens em motocicletas para combater o contrabando, a lei de escutas para interceptar conversações e a fundação de um grupo policial para combater as extorsões.



Share