Batalhão Chile da MINUSTAH ganha o Peacekeeper Challenge no Haiti

MINUSTAH’s Chile Battalion Wins the Peacekeeper Challenge in Haiti

Por Dialogo
dezembro 19, 2014





Recentemente, o Batalhão Chile, uma equipe de soldados de Chile, El Salvador e Honduras, obteve a medalha de ouro no segundo Peacekeeper Challenge, uma competição entre soldados que formam a Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (MINUSTAH).

O grupo ganhou a competição ao acumular 93 pontos em várias modalidades e testar suas habilidades militares no final de novembro. O Peacekeeper Challenge incluiu disciplinas individuais e em grupo – tais como tiro com armas, troca de pneus em veículos militares e comunicação com outras equipes da ONU.

Em sua tarefa de oferecer segurança como parte da MINUSTAH, o Batalhão Chile é formado por soldados de Chile, Equador, El Salvador e Honduras, mas o Equador não participou desta competição.

Promovendo cooperação e camaradagem


O Peacekeeper Challenge promove a cooperação e o senso de camaradagem entre as tropas da MINUSTAH de diversos países. Foi criado em 2013 pelo Comandante em Força da MINUSTAH, o General de Divisão brasileiro José Luiz Jaborandy Junior, e o Vice-Comandante em Força, o General de Brigada chileno Jorge Peña Leiva.

“É preciso entender que são forças de diferentes países e a competição militar é um mecanismo de socialização que ajuda a gerar conhecimento e entendimento mútuos, elementos muito importantes para o sucesso da missão em geral”, disse Miguel Navarro, analista de segurança da Academia Nacional de Estudos Políticos e Estratégicos do Chile (ANEPE).

“O momento do triunfo é um momento de alegria, camaradagem e é um evento muito importante para a equipe vencedora, como em qualquer outra competição. Os que perdem veem o resultado a partir da regra do jogo limpo; aqui, mais importante que ganhar é competir.”

A participação na competição também ajuda a aliviar o estresse dos soldados da MINUSTAH. Além de manter a paz, as tropas da missão lidam com o fato de viverem longe de casa em um país com uma cultura diferente e um clima ao qual não estão acostumados.

“Em uma missão militar, o tempo para a recreação é necessário para fortalecer o desenvolvimento integral de todo o pessoal miltar.”

Brigada Chile é reconhecida pelos serviços à MINUSTAH


Cerca de duas semanas após vencer o Peacekeeper Challenge, o Batalhão Chile foi reconhecido por seus serviços à MINUSTAH.

Durante a cerimônia conhecida como Parada de Medalha, em 10 de dezembro, oficiais da MINUSTAH reconheceram o Batalhão Chile, a Companhia de Engenheiros de Construção Horizontal Chilena-Equatoriana e o Grupo de Helicópteros da Força Aérea do Chile por seu trabalho na missão de manutenção da paz.

“Eu gostaria de destacar que todas as tarefas que nos foram atribuídas durante nossa presença na área da missão foram realizadas com o maior compromisso, eficácia, eficiência, dedicação e profissionalismo, todas elas virtudes que caracterizam um soldado”, disse o Comandante do 21º Batalhão Chile e Chefe do Contingente Nacional, Tenente-coronel Carlos Muñoz de la Puente.

Ele também enfatizou o trabalho duro dos soldados, marinheiros e pilotos durante o tempo em que o Chile tem sido parte da MINUSTAH, lembrando que “isso lhes valeu reconhecimento mundial”.

Esforços chilenos de manutenção da paz


As Forças Armadas do Chile vêm realizando com êxito seu papel no Haiti desde 2004, ano em que a ONU lançou a MINUSTAH.

Soldados do Chile e de outros países mantiveram a paz e prestaram ajuda humanitária após o terremoto de magnitude 7.0 que matou cerca de 300.000 pessoas e feriu outras 350.000 em janeiro de 2010.

Para recordar e analisar a contribuição do país aos esforços de manutenção da paz, o Exército do Chile organizou em novembro um seminário intitulado “Dez anos de participação do Exército no Haiti: Desafios e Projeções”.

“Uma década se passou desde que o governo do Chile tomou a decisão de enviar soldados do Exército à República do Haiti, um evento de especial importância histórica devido ao nosso compromisso nacional com a segurança global. É um salto qualitativo e quantitativo para uma tradição que vem desde 1935, quando a instituição começou a participar de missões em nome da paz e da estabilidade internacionais”, disse o Comandante-em-Chefe do Exército, General Humberto Oviedo Arriagada.

Em relação à missão, disse ele, “tem sido uma experiência profissional extraordinária na qual nosso desafio é sempre ter pessoal treinado e qualificado porque nisso está a operacionalidade de nossa força.”




Recentemente, o Batalhão Chile, uma equipe de soldados de Chile, El Salvador e Honduras, obteve a medalha de ouro no segundo Peacekeeper Challenge, uma competição entre soldados que formam a Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (MINUSTAH).

O grupo ganhou a competição ao acumular 93 pontos em várias modalidades e testar suas habilidades militares no final de novembro. O Peacekeeper Challenge incluiu disciplinas individuais e em grupo – tais como tiro com armas, troca de pneus em veículos militares e comunicação com outras equipes da ONU.

Em sua tarefa de oferecer segurança como parte da MINUSTAH, o Batalhão Chile é formado por soldados de Chile, Equador, El Salvador e Honduras, mas o Equador não participou desta competição.

Promovendo cooperação e camaradagem


O Peacekeeper Challenge promove a cooperação e o senso de camaradagem entre as tropas da MINUSTAH de diversos países. Foi criado em 2013 pelo Comandante em Força da MINUSTAH, o General de Divisão brasileiro José Luiz Jaborandy Junior, e o Vice-Comandante em Força, o General de Brigada chileno Jorge Peña Leiva.

“É preciso entender que são forças de diferentes países e a competição militar é um mecanismo de socialização que ajuda a gerar conhecimento e entendimento mútuos, elementos muito importantes para o sucesso da missão em geral”, disse Miguel Navarro, analista de segurança da Academia Nacional de Estudos Políticos e Estratégicos do Chile (ANEPE).

“O momento do triunfo é um momento de alegria, camaradagem e é um evento muito importante para a equipe vencedora, como em qualquer outra competição. Os que perdem veem o resultado a partir da regra do jogo limpo; aqui, mais importante que ganhar é competir.”

A participação na competição também ajuda a aliviar o estresse dos soldados da MINUSTAH. Além de manter a paz, as tropas da missão lidam com o fato de viverem longe de casa em um país com uma cultura diferente e um clima ao qual não estão acostumados.

“Em uma missão militar, o tempo para a recreação é necessário para fortalecer o desenvolvimento integral de todo o pessoal miltar.”

Brigada Chile é reconhecida pelos serviços à MINUSTAH


Cerca de duas semanas após vencer o Peacekeeper Challenge, o Batalhão Chile foi reconhecido por seus serviços à MINUSTAH.

Durante a cerimônia conhecida como Parada de Medalha, em 10 de dezembro, oficiais da MINUSTAH reconheceram o Batalhão Chile, a Companhia de Engenheiros de Construção Horizontal Chilena-Equatoriana e o Grupo de Helicópteros da Força Aérea do Chile por seu trabalho na missão de manutenção da paz.

“Eu gostaria de destacar que todas as tarefas que nos foram atribuídas durante nossa presença na área da missão foram realizadas com o maior compromisso, eficácia, eficiência, dedicação e profissionalismo, todas elas virtudes que caracterizam um soldado”, disse o Comandante do 21º Batalhão Chile e Chefe do Contingente Nacional, Tenente-coronel Carlos Muñoz de la Puente.

Ele também enfatizou o trabalho duro dos soldados, marinheiros e pilotos durante o tempo em que o Chile tem sido parte da MINUSTAH, lembrando que “isso lhes valeu reconhecimento mundial”.

Esforços chilenos de manutenção da paz


As Forças Armadas do Chile vêm realizando com êxito seu papel no Haiti desde 2004, ano em que a ONU lançou a MINUSTAH.

Soldados do Chile e de outros países mantiveram a paz e prestaram ajuda humanitária após o terremoto de magnitude 7.0 que matou cerca de 300.000 pessoas e feriu outras 350.000 em janeiro de 2010.

Para recordar e analisar a contribuição do país aos esforços de manutenção da paz, o Exército do Chile organizou em novembro um seminário intitulado “Dez anos de participação do Exército no Haiti: Desafios e Projeções”.

“Uma década se passou desde que o governo do Chile tomou a decisão de enviar soldados do Exército à República do Haiti, um evento de especial importância histórica devido ao nosso compromisso nacional com a segurança global. É um salto qualitativo e quantitativo para uma tradição que vem desde 1935, quando a instituição começou a participar de missões em nome da paz e da estabilidade internacionais”, disse o Comandante-em-Chefe do Exército, General Humberto Oviedo Arriagada.

Em relação à missão, disse ele, “tem sido uma experiência profissional extraordinária na qual nosso desafio é sempre ter pessoal treinado e qualificado porque nisso está a operacionalidade de nossa força.”
Prezados (as) amigos(as),
Quero destacar e agradecer pela divulgação desse importante evento, que teve como objetivos principais demonstrar a capacidade das tropas militares da MINUSTAH e estimular, ainda mais, a união entre seus integrantes.
Aproveito a oportunidade para fazer um reparo. O nosso CHIBAT, assim como três outras equipes (BOLCOY - Bolívia, BRABAT - Brasil e GUAMPCOY - Guatemala), alcançou a pontuação necessária para obter a Classificação OURO. Porém, embora não fosse nosso objetivo específico apontar um campeão, a equipe que obteve a maior pontuação foi a que representou a nossa Companhia Boliviana.
Quero esclarecer que faço este reparo unicamente por uma questão de justiça, em nada diminuindo o brilho alcançado POR TODOS OS PARTICIPANTES de uma atividade que exigiu muita preparação, capacidade técnica, esforço pessoal e trabalho em grupo.
Vencemos todos nós, mesmo aqueles que apenas vibraram em apoio aos seus representantes, pelos excepcionais resultados alcançados.
Aqui, no Haiti, em nosso Componente Militar, somos muitas bandeiras mas uma só família!
Quero agradecer a todos os Países Contribuintes de Tropa pelo esforço em manter na MINUSTAH profissionais tão dedicados e vocacionados para as tarefas que aceitaram cumprir. Eles são merecedores do nosso apreço e admiração.
Deixo aqui o meu abraço fraterno.
General-de-Divisão José Luiz JABORANDY Junior
Force Commander MINUSTAH
Share