Líderes militares das Américas discutem temas comuns

Military Leaders from the Americas Discuss Common Issues

Por Dialogo
fevereiro 06, 2013


Líderes militares da América Central visitaram o Exército Norte dos EUA no dia 30 de janeiro, como parte da Conferência dos Líderes Regionais Centro-Americanos, patrocinada pelo Exército Sul dos EUA, em um esforço cooperativo para criar laços mais fortes entre os exércitos e aprimorar a coordenação nos temas comuns.

Durante a 30 de janeiro, alunos internacionais do Instituto para a Cooperação de Segurança do Hemisfério Ocidental, do Centro de Excelência de Manobras do Exército dos EUA, baseados em Fort Benning, Georgia, visitaram o Exército Norte para aprender sobre a missão e a estrutura do Comando Componente Terrestre da Força Conjunta do Comando Norte dos EUA.

“A visita ao WHINSEC permitiu-nos conhecer a fundo o papel do Exército Norte na defesa do continente através da cooperação para segurança com nossos países vizinhos – Canadá e México”, disse o Major Albert Marckwardt, oficial do núcleo do Exército Norte. “Para os alunos, correspondentes às patentes do Exército dos EUA de major e tenente-coronel, foi também uma oportunidade de aprenderem como apoiamos as autoridades civis nos âmbitos tático e operacional”.

Os alunos do WHINSEC do Panamá, Colômbia, República Dominicana, El Salvador, Honduras, Costa Rica, Paraguai, Canadá, Belize e México tomaram conhecimento das missões especiais do Exército Norte e discutiram os esforços regionais com as nações parceiras do hemisfério para combater as organizações criminosas transnacionais.

Na parte da tarde, chegando em helicópteros Blackhawk UH-60 do Exército ao heliporto do Exército Norte, líderes militares da Nicarágua, Guatemala, Honduras e El Salvador e o diretor panamenho do Serviço Nacional de Fronteiras visitaram o Quadrilátero histórico do Exército Norte, assistiram a palestras do comando e ouviram as palavras de Oscar Salinas Jr., chefe assistente da Patrulha de Alfândega e Fronteiras dos EUA, que elogiou o sucesso do Exército Norte ao trabalhar com as forças terrestres e aéreas mexicanas, conhecidas como SEDENA, ou Secretaria da Defesa Nacional.

“O novo plano estratégico da Patrulha de Fronteiras concentra-se na integração com as parcerias federais, estaduais, locais e estrangeiras”, disse Salinas. “A colaboração entre o Exército Norte e a SEDENA é um exemplo desta integração”.

Os alunos do WHINSEC já haviam visitado o Exército Norte há alguns anos, mas a visita dos comandantes dos exércitos da América Central ao Exército Norte foi um fato inédito.

“Talvez esta tenha sido a primeira vez em que trabalhamos tão de perto com o Exército Sul e os comandantes militares centro-americanos e esse diálogo mais amplo é muito saudável”, disse o General-de-Divisão William Caldwell IV, comandante-geral do Exército Norte (Quinto Exército) e comandante sênior de Fort Sam Houston e Camp Bullis.

Caldwell discutiu os elos que o Exército Norte estabeleceu com a SEDENA.

“Vimos aumentando nossa interação ao longo dos anos – e queremos continuá-la”, disse Caldwell.

O General-de-Brigada Perry Wiggins, comandante-geral adjunto de operações do Exército Norte, discutiu a importância de se criar relacionamentos e aumentar a comunicação no combate às organizações criminosas transnacionais.

“Elas assumirão a postura de reduzir a resistência”, disse Wiggins. “Uma solução sem a América Central, América do Sul, Canadá e México será uma lacuna para elas. O adversário com o qual estamos lidando é muito esperto. (Se nós) protegermos a terra e a água, ele utilizará (então) ultraleves e túneis”.

Já progredimos, mas há mais a ser feito, e o Exército Norte precisa reforçar os relacionamentos com outras nações, tal como fez com o México, disse Wiggins.

“Estamos voltando para um estado cooperativo”, disse ele. “Posso dizer que a sinergia que criamos com a SEDENA já floresceu e os relacionamentos triunfaram”.



Share