Forças armadas de todo o mundo ajudam Equador na recuperação do terremoto

Military Forces from around the World Assist Ecuador in Earthquake Recovery

Por Dialogo
abril 26, 2016




Horas depois que um terremoto de 7,8 de magnitude abalou o Equador em 16 de abril
, deixando mais de 650 mortos e mais de 16.000 feridos, países de todo o mundo encarregaram suas forças de segurança de ajudarem no resgate de sobreviventes, na oferta de ajuda humanitária e na remoção de corpos sob os escombros.

Na maioria dos casos, a ajuda chegou em aviões militares de países vizinhos como o Peru e a Colômbia e de outros distantes como a Espanha. Em outros casos, o auxílio veio a bordo de navios de guerra. O Peru, vizinho do Equador ao sul, já disponibilizou 61 toneladas de ajuda humanitária. A Força Aérea do Peru (FAP) utilizou aeronaves Hércules e Spartan do Grupo Aéreo Nº 8 para enviar a ajuda, enquanto a Marinha peruana enviou o barco Tacna, a maior embarcação de apoio logístico naval. O BAP Tacna é dotado de múltiplas capacidades, como o abastecimento de água e de combustível em áreas remotas. Transporta até 11.000 t de suprimentos e opera por um período de até 30 dias. O Peru também forneceu ao Equador três helicópteros militares que foram designados para as áreas mais isoladas do país.

A ajuda da Colômbia, país vizinho do Equador ao norte, foi comandada pessoalmente pelo presidente Juan Manuel Santos, que desembarcou na cidade portuária de Manta, uma das mais afetadas pelo terremoto, em 23 de abril, com cerca de 25 toneladas de ajuda humanitária trazida por quatro aviões e dois navios com alimentos e água.

“[Queremos] dizer ao povo do Equador [que] o povo colombiano está aqui, pronto para ajudar naquilo que pudermos. Esta ajuda é apenas a ponta do iceberg (...) Faremos o que nos pedirem e o que nós mesmos pudermos fazer. É nos momentos difíceis que os verdadeiros amigos se mostram, e o povo colombiano e o povo equatoriano são mais do que apenas amigos, somos irmãos, por isso estamos aqui”, disse o presidente Santos em sua chegada.

“Os engenheiros [do Equador] estão aqui trabalhando intensamente e têm realizado pesquisas sobre as áreas críticas, a infraestrutura geral e as condições atuais”, disse o Contra-Almirante Rafael Poveda, comandante da Infantaria da Marinha do Equador, responsável pelo envio das forças militares durante a fase de emergência do terremoto, em entrevista a Diálogo.


“A ajuda complementar que as equipes internacionais nos forneceram são muito boas; [foram] muito profissionais, e as equipes vieram de diferentes países, como Colômbia, Peru, Venezuela”, afirmou o C Alte Poveda. “Uma delegação significativa também veio do México, além de Chile, Argentina, Bolívia, El Salvador, França, Espanha e Rússia. Eles têm feito um trabalho excelente trabalho.”

Resposta mundial


O presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, por sua vez, ordenou a ativação do “Protocolo para Oferta de Ajuda Humanitária e Serviços de Resgate”, enviando ao Equador uma aeronave Boeing 727 da Polícia Federal com um contingente composto por membros da Marinha, do Exército, da Polícia Federal, da Cruz Vermelha Mexicana e da Defesa Civil.

O governo argentino enviou um Hércules C-130 com 21 militares da Força Aérea que foram autorizados a participar das tarefas de logística e suprimento de equipamentos para a identificação dos corpos. A Argentina também enviou tendas, pastilhas de purificação de água, cobertores, medicamentos de cuidados básicos, kits de higiene e utensílios de cozinha.

A Força Aérea da Bolívia utilizou um Hercules C-130 para enviar ajuda humanitária, que incluiu 3.000 litros de água, meia tonelada de medicamentos e 50 especialistas em busca e salvamento do grupo SAR-FAB, acompanhados por um cão treinado para procurar sobreviventes presos sob os escombros.

El Salvador enviou um grupo de 25 socorristas do Corpo de Bombeiros de El Salvador, da Polícia, da Cruz Vermelha e outras três unidades de socorristas salvadorenhos.

O Chile enviou 49 especialistas do Grupo de Busca e Salvamento do Corpo de Bombeiros do país para ajudar a população atingida no Equador. O país andino também enviou seis toneladas de equipamentos necessários para as operações de busca e salvamento de pessoas presas nos escombros.

Da mesma forma, a Espanha enviou um avião Airbus da Força Aérea com 50 membros da Unidade de Emergência das Forças Armadas, cães de resgate e sistema autônomo de iluminação. Da França, foram destinados 64 especialistas civis em resgate e mais de 30 militares especializados em projetos de purificação de água. Por sua vez, Coreia do Sul, Noruega e Holanda anunciaram que enviariam fundos para ajudar a emergência equatoriana.

Estreita coordenação


Além dos protocolos formais entre o Ministério das Relações Exteriores do Equador e seus colegas de outros países, o Equador designou um coordenador militar para dirigir o trabalho das várias delegações que chegaram ao país com ajuda humanitária, especialistas em resgate e equipamentos de demolição.

“Há coordenação permanente entre as chancelarias desses países. Existem protocolos já estabelecidos e, como resultado desses protocolos, as delegações podem ingressar em nosso país, dependendo das necessidades que temos”, explicou o C Alte Poveda.

“Quando as equipes chegam, há um coordenador militar que direciona as equipes para as áreas de desastre que necessitam de ajuda das equipes de resgate. Esse tem sido o método. Tem havido uma rotação contínua do pessoal com base no trabalho executado. Esse controle tem sido realizado pelas Forças Armadas.”

“Depois da fase [de resgate], que está quase concluída, vamos passar para a próxima fase, que está relacionada com a aplicação de equipamentos pesados, voltada para a remoção de escombros e demolição controlada”, concluiu o C Alte Poveda.

Carolina Loza contribuiu para esta reportagem de Quito, Equador.

Share