Exército e polícia cooperam para melhorar a segurança pública na Guatemala

Military and Police Cooperate to Improve Public Safety in Guatemala

Por Dialogo
fevereiro 05, 2015





As Forças Combinadas de Segurança da Guatemala, formadas por soldados do Exército e da Polícia Nacional Civil (PNC), melhoram a segurança pública realizando patrulhas e buscas de veículos e prendendo suspeitos perigosos.

A força de segurança foi criada em 2000. Seus 4.500 militares e 3.000 agentes da PNC concentram os esforços na Cidade da Guatemala, além dos estados de Zacapa, Escuintla e Huehuetenango.

Quando realizam as patrulhas, os militares e policiais geralmente trabalham em equipes formadas por dois soldados e um policial. Já os pontos de controle contam com dois militares e dois policiais. Nesses locais, eles verificam se os veículos foram roubados ou se transportam armas e munições ilegais, drogas e outros tipos de contrabando.

Os militares que trabalham ao lado dos policiais são divididos em nove esquadrões; seis deles atuam na Cidade da Guatemala, e os outros três realizam operações em vários estados. Há 10 forças-tarefas dentro dos esquadrões, e cada uma combate um tipo de crime, como roubo e extorsão.

Soldados treinados para trabalhar com a população civil


Além de treinamento militar, os soldados designados para as Forças Combinadas de Segurança recebem capacitação sobre como proteger os direitos humanos e as melhores formas de lidar com a população civil, de acordo com o coronel do Exército Manuel Pineda, chefe do Sexto Esquadrão do Exército.

A cooperação internacional é um componente importante da iniciativa.

“Recebemos apoio de países amigos, cooperação que inclui equipamento não letal e treinamento especial para operações militares distintas da guerra. O plano que seguimos nos últimos anos, sob as ordens do presidente Otto Pérez Molina, procura recuperar capacidades em segurança, usar essas capacidades para complementar os esforços da segurança pública e prestar apoio à segurança dos civis”, disse o ministro da Defesa, Manuel López Ambrocio, em 30 de junho de 2014.

Soldados do Exército estão apoiando os esforços policiais para melhorar a segurança de várias formas. Em 2014, o Exército participou de 115.154 operações de segurança civil, que incluíram mais de 42.600 patrulhas a pé; 26.620 pontos de controle e registro; 20.040 patrulhas em veículos; 5.700 buscas e apreensões; e mais de 2.000 operações de segurança em pontos de ônibus.

E esses esforços de cooperação estão tendo um impacto positivo. Em 15 de dezembro, por exemplo, haviam sido registrados 4.748 assassinatos no país em 2014, em comparação com 5.155 em 2013.

Em 2013, agentes da lei registraram 4.226 homicídios cometidos com arma de fogo. O número foi reduzido para 3.932 em 2014. Em 2013, houve 566 assassinatos cometidos com facas e outras armas brancas. Em 2014, o número desses homicídios caiu para 484.

Cooperação em andamento


O Exército continuará cooperando com a PNC para melhorar a segurança pública enquanto a polícia treina o número de agentes necessários para garantir a segurança em todo o país, segundo o ministro Ambrocio.

Até o final de 2015, a PNC terá 35.000 agentes, e a Forças Combinadas de Segurança poderiam ser dissolvidas, de acordo com o ministro do Interior, Mauricio López Bonilla.

A meta não é substituir as forças de segurança civis e, sim, apoiá-las até que possam atingir os níveis quantitativos e qualitativos determinados pelo plano do governo, disse Ambrocio.

“Uma vez alcançado esse ponto, estaremos preparados para sair de cena e nos concentrar em aumentar nossas capacidades em nossas próprias áreas. Portanto, estamos iniciando processos de modernização dentro do âmbito militar, incluindo recuperação de mobilidade, equipamento individual e especial, comunicação tática e armamento", completou.






As Forças Combinadas de Segurança da Guatemala, formadas por soldados do Exército e da Polícia Nacional Civil (PNC), melhoram a segurança pública realizando patrulhas e buscas de veículos e prendendo suspeitos perigosos.

A força de segurança foi criada em 2000. Seus 4.500 militares e 3.000 agentes da PNC concentram os esforços na Cidade da Guatemala, além dos estados de Zacapa, Escuintla e Huehuetenango.

Quando realizam as patrulhas, os militares e policiais geralmente trabalham em equipes formadas por dois soldados e um policial. Já os pontos de controle contam com dois militares e dois policiais. Nesses locais, eles verificam se os veículos foram roubados ou se transportam armas e munições ilegais, drogas e outros tipos de contrabando.

Os militares que trabalham ao lado dos policiais são divididos em nove esquadrões; seis deles atuam na Cidade da Guatemala, e os outros três realizam operações em vários estados. Há 10 forças-tarefas dentro dos esquadrões, e cada uma combate um tipo de crime, como roubo e extorsão.

Soldados treinados para trabalhar com a população civil


Além de treinamento militar, os soldados designados para as Forças Combinadas de Segurança recebem capacitação sobre como proteger os direitos humanos e as melhores formas de lidar com a população civil, de acordo com o coronel do Exército Manuel Pineda, chefe do Sexto Esquadrão do Exército.

A cooperação internacional é um componente importante da iniciativa.

“Recebemos apoio de países amigos, cooperação que inclui equipamento não letal e treinamento especial para operações militares distintas da guerra. O plano que seguimos nos últimos anos, sob as ordens do presidente Otto Pérez Molina, procura recuperar capacidades em segurança, usar essas capacidades para complementar os esforços da segurança pública e prestar apoio à segurança dos civis”, disse o ministro da Defesa, Manuel López Ambrocio, em 30 de junho de 2014.

Soldados do Exército estão apoiando os esforços policiais para melhorar a segurança de várias formas. Em 2014, o Exército participou de 115.154 operações de segurança civil, que incluíram mais de 42.600 patrulhas a pé; 26.620 pontos de controle e registro; 20.040 patrulhas em veículos; 5.700 buscas e apreensões; e mais de 2.000 operações de segurança em pontos de ônibus.

E esses esforços de cooperação estão tendo um impacto positivo. Em 15 de dezembro, por exemplo, haviam sido registrados 4.748 assassinatos no país em 2014, em comparação com 5.155 em 2013.

Em 2013, agentes da lei registraram 4.226 homicídios cometidos com arma de fogo. O número foi reduzido para 3.932 em 2014. Em 2013, houve 566 assassinatos cometidos com facas e outras armas brancas. Em 2014, o número desses homicídios caiu para 484.

Cooperação em andamento


O Exército continuará cooperando com a PNC para melhorar a segurança pública enquanto a polícia treina o número de agentes necessários para garantir a segurança em todo o país, segundo o ministro Ambrocio.

Até o final de 2015, a PNC terá 35.000 agentes, e a Forças Combinadas de Segurança poderiam ser dissolvidas, de acordo com o ministro do Interior, Mauricio López Bonilla.

A meta não é substituir as forças de segurança civis e, sim, apoiá-las até que possam atingir os níveis quantitativos e qualitativos determinados pelo plano do governo, disse Ambrocio.

“Uma vez alcançado esse ponto, estaremos preparados para sair de cena e nos concentrar em aumentar nossas capacidades em nossas próprias áreas. Portanto, estamos iniciando processos de modernização dentro do âmbito militar, incluindo recuperação de mobilidade, equipamento individual e especial, comunicação tática e armamento", completou.


Share