JIATF-S e SOUTHCOM promovem seminário regional para operações de combate ao tráfico ilícito em El Salvador

JIATF-S and SOUTHCOM Facilitate Regional CTOC Workshop in El Salvador

Por Dialogo
abril 26, 2013


Entre os dias 12 e 14 de fevereiro de 2013, uma equipe da Força Tarefa Conjunta Interagentes Sul (JIATF-S) e do Comando Sul dos EUA (SOUTHCOM) promoveu um Seminário Regional para a Interoperabilidade das Operações de Combate ao Tráfico Ilícito (CITOCI), em El Salvador.

Esse evento anual é um intercâmbio profissional de ideias e das melhores práticas para aumentar a eficiência e o sucesso dos esforços regionais de Combate ao Tráfico Ilícito, com ênfase na interoperabilidade multinacional.

Os participantes do seminário eram principalmente os operadores do Sistema de Intercâmbio de Informações das Nações Cooperantes (CNIES), uma ferramenta de intercâmbio de informações em tempo real, criada para permitir a colaboração no combate ao tráfico ilícito.

Os operadores participantes do evento vieram de Belize, Colômbia, Costa Rica, República Dominicana, El Salvador, Guatemala, Honduras, México, Nicarágua e Panamá. Havia também representantes do Comando de Combate Aéreo da Força Aérea dos EUA, da Guarda-Costeira dos EUA, do Centro de Operações Aéreas e Marítimas da Proteção de Alfândega e Fronteiras dos EUA e das divisões de Planos e Programas de Comunicações e Ciência, Tecnologia e Experimentação (SCJ72) do SOUTHCOM.

Desde 1999, os Estados Unidos e os países do Caribe e da América Central vêm utilizando o CNIES para apoiar as operações de combate ao tráfico ilícito regional. No entanto, com a rápida evolução das tecnologias de intercâmbio de informações e em resposta à solicitação para aumentar a capacidade de prontidão da área feita pelas Nações Parceiras dos EUA, o SOUTHCOM realizou uma série de iniciativas com o propósito de desenvolver a próxima geração de sistemas de intercâmbio de informações para esse fim.

Começando em 2005 com os estudos da Iniciativa Aeroespacial Regional da América Latina (RAIL), que avaliaram o potencial militar e civil de prontidão de domínio, e culminando em 2011 com o experimento de Prontidão Virtual de Domínio Integrado (VIDA), o conceito evoluiu de uma estrutura de “tijolo e cimento” para uma unidade “virtual” baseada na internet, com capacidade de amplo domínio e troca de informações: o sistema Cooperativo de Integração de Informações Situacionais (CSII). O intercâmbio de informações para as operações de combate ao tráfico ilícito atualmente apoiado pelo CNIES está lentamente fazendo uma transição para uma nova plataforma CSII, mais capacitada e baseada na internet. A transição completa está prevista para 2014.

O sistema CSII integra informações de sensores das nações participantes em um sistema de intercâmbio regional e baseado na internet de informações não confidenciais. Ele espera aumentar o conhecimento do campo de batalha e melhorar o potencial das nações parceiras em diversas áreas de missões, incluindo o combate ao tráfico ilícito, o combate ao crime organizado transnacional, a assistência humanitária no exterior, a assistência em desastres e buscas e resgates. Ele tem como objetivo acabar com o conhecimento não integrado através da integração lateral e vertical de rotas aéreas, rotas marítimas e informações terrestres geoespaciais em uma única rede.

Preparando-se para a transição para o CSII, nos últimos dois dias do Seminário Regional para a CITOCI, os operadores do CNIES participaram de uma demonstração ao vivo do CSII. A demonstração, oferecida pelo SCJ72 e pelo SRI (o desenvolvedor do sistema), incluiu um breve circuito pelo sistema baseado na internet, uma demonstração das principais características e capacidades e uma aula prática para cada operador. Os recursos de dados disponíveis para a demonstração incluíram informações ao vivo do Sistema de Radar Aerostático a Cabo (TARS) e do Sistema de Segurança Marítima e Segurança de Informações (MSSIS), além de rotas incluídas manualmente.

Algumas das características e capacidades demonstradas incluíram a administração das rotas (visualizando as rotas e os detalhes propostos, história das rotas, projeção de vetores e níveis de ameaças), o intercâmbio de rotas, administração de regulamentos geoespaciais, administração de alertas, criação de eventos geográficos, administração e criação manual de rotas, filtragem visual, configuração de preferências do usuário, as opiniões e os favoritos do usuário, bate-papo e administração das orientações para o intercâmbio de informações, incluindo tanto os direitos brutos quanto os refinados.

Excetuando os desafios de conexão da internet local, o CSII foi acessado com sucesso por diversos laptops, tablets e netbooks comerciais. Os dados e aplicações do sistema rodaram facilmente em todas as plataformas. As plataformas utilizaram diversos navegadores (Internet Explorer, Google Chrome e Mozilla Firefox), demonstrando ser compatíveis com vários deles.

Ao final do seminário, os participantes tiveram a oportunidade de expor sua opinião e foram incentivados a compartilhar suas preocupações, recomendações e observações gerais quanto ao emprego operacional do CSII e qualquer impacto potencial de missão que o novo sistema possa ter. A opinião dos usuários foi positiva de modo geral e, o que é mais importante, ela incluiu recomendações operacionalmente relevantes para modificar as características e funções que, indubitavelmente, aumentarão a capacidade técnica e a utilidade operacional do CSII.



Share