Forças de segurança internacionais capturam supostos narcotraficantes no Panamá

Por Dialogo
outubro 03, 2014


Os irmãos Edgar e Ever Bustamante Riascos seriam membros-chave da quadrilha A Empresa, uma gangue de narcotráfico que frequentemente se utiliza de lanchas velozes para transportar grandes quantidades de cocaína do Panamá para a Costa Rica e outros destinos.
No entanto, os irmãos Bustamante não foram rápidos o suficiente para fugir dos agentes das Forças Especiais da Polícia Nacional do Panamá, da polícia antinarcóticos colombiana e da Agência Antidrogas dos Estados Unidos (DEA).
Trabalhando em parceira, forças de segurança desses três países capturaram os irmãos em setembro na Cidade do Panamá. Agentes da Direção de Investigação Judicial e da Direção de Informações da Polícia do Panamá também ajudaram nas prisões.
Edgar Bustamante, também conhecido como “Yuca”, e seu irmão Ever – que usa os apelidos “Tata” e “Tatabro” – seriam parte de uma família que ajudou a fundar A Empresa, um gangue do tráfico de drogas que atua em Buenaventura desde a década de 1990. A Empresa é composta por membros da família Bustamante, vários criminosos, empresários corruptos e ex-paramilitares. A quadrilha já foi uma aliada da Los Rastrojos, outra organização de narcotráfico com base na Colômbia.
Agentes da DEA suspeitam que os irmãos transportaram cerca de três toneladas de cocaína para a Costa Rica
A Empresa vem lutando contra o Clã Úsuga, outro grupo do crime organizado colombiano, pelo controle do tráfico de drogas regional desde 2012. Essa luta levou a várias deserções entre os membros dos dois grupos criminosos.
Os narcotraficantes utilizam o Panamá principalmente como um ponto de transbordo, para transportar drogas desse país para Costa Rica, México e Estados Unidos. O país é também, ocasionalmente, um ponto de encontro dos grupos criminosos e terroristas para planejarem suas atividades ilegais. Por exemplo, alguns líderes do grupo terrorista Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e os principais líderes do Clã Úsuga, como Francisco Morelo Peñata, também atuam no Panamá. Morelo Peñata, que também é conhecido como “El Negro Sarley”, mudou-se para o Panamá em setembro de 2012 para gerenciar empresas ilegais dos grupos narcotraficantes, incluindo a lavagem de dinheiro.
É interessante e vale a pena divulgar esses problemas para criar consciência da necessidade de rejeitá-los e usar todos os meios para exterminá-los.
Share