Honduras e Chile estreitam cooperação em segurança e defesa

Honduras and Chile Strengthen Cooperation on Defense and Security

Por Julieta Pelcastre/Diálogo
abril 06, 2017

con todA la esperanza de que se consoliden objetivos de cooperación en el continente. Os governos de Honduras e Chile decidiram estreitar os laços de cooperação em termos de segurança. Esse foi um dos resultados da visita que o Coronel Rafael Pizarro, adido militar do Chile em El Salvador, realizou ao território hondurenho. O funcionário chileno esteve reunido com o General-de-Brigada Francisco Isaías Álvarez Urbina, chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas de Honduras, para reiterar o apoio do Governo do Chile nos campos educacional, de defesa e segurança para a instituição armada. A reunião teve lugar no dia 22 de fevereiro em Tegucigalpa, no marco da Conferência das Forças Armadas Centro-americanas (CFAC). O objetivo da visita foi o de “coordenar uma série de atividades de cooperação que teremos durante este ano [2017] na área puramente militar e naval”, disse o Cel Pizarro ao canal de televisão das Forças Armadas do país centro-americano. O Governo chileno ofereceu-se para compartilhar e trocar experiências no setor naval, para fortalecer a capacidade operacional e a presença da Força Naval de Honduras em águas territoriais, a fim de ter maior vigilância no espaço marítimo. “O Chile tem um excelente nível na indústria naval relacionado com os campos operacional, logístico, de capacitação e transferência de tecnologia. Sua contribuição pode fortalecer nossa própria capacidade no combate, principalmente na luta contra o tráfico de drogas”, disse à Diálogo o Coronel de Infantaria Jorge Alfredo Cerrato Paz, diretor de Relações Públicas das Forças Armadas de Honduras. “A droga que passa por Honduras com destino final aos Estados Unidos passa pela América do Sul. Portanto, países sul-americanos como o Chile podem contribuir muito para que sejamos mais eficientes nessa luta”, mencionou o Cel Cerrato. “Honduras tenta diversificar as colaborações no marco dos novos desafios que enfrenta a partir de sua perspectiva”, acrescentou Eugenio Sosa, analista de segurança e violência da Universidade Nacional Autônoma de Honduras. Os chefes militares também resolveram estudar as necessidades da programação de treinamentos e intercâmbio acadêmico, para melhorar a capacidade e os procedimentos operacionais das unidades militares da nação centro-americana. O Cel Cerrato mencionou que, para as Forças Armadas, as relações diplomáticas são de suma importância para estreitar os laços de amizade e cooperação. Por isso, a convite do Governo chileno, um grupo formado por onze cadetes e dois oficiais da Academia Militar de Honduras General Francisco Morazán viajou para o Chile para representar as Forças Armadas hondurenhas na celebração do bicentenário da fundação da Escola Militar Bernardo O’Higgins. Os estudantes hondurenhos participaram da Competição Internacional de Patrulhas que reuniu patrulhas de nove países convidados. A competição foi realizada nos dias 13 e 14 de março. No certame internacional, os cadetes desenvolveram uma série de provas associadas a liderança, resistência física, trabalho em equipe e habilidades de combate. “Além do grande interesse das Forças Armadas chilenas em nos ajudar na parte acadêmica e de capacitação, a reunião entre chefes militares nos deu a oportunidade de conhecer as experiências de como outros países conseguiram ter êxito no combate ao terrorismo e às estruturas do crime organizado como exemplo a ser seguido”, ressaltou o Cel Cerrato. Honduras e Chile vêm cooperando em matérias de segurança e defesa há anos. Em 2016, uma unidade especializada do Grupo de Resposta Imediata da Direção Geral do Território Marítimo e de Marinha Mercante (DIRECTIMAR, por sua sigla em espanhol) da Marinha do Chile, instruiu o pessoal dos fuzileiros e das forças navais de Honduras, El Salvador e Guatemala no uso gradativo da força, defesa pessoal, deslocamento tático com armamento, cuidados de feridos sob fogo e técnicas de abordagem para responder em situações arriscadas como a pirataria, tráfico de drogas, pessoas e operações de interdição, relatou a edição No 380 da revista Vigía, da Marinha chilena. As Forças Armadas de Honduras contam com oficiais vindos do Exército e dos Carabineiros do Chile. De fato, Honduras tem um contingente militar no Haiti, sob a bandeira chilena, para colaborar com a ONU na missão de contribuir para recuperar a paz e a tranquilidade no país caribenho. “Na medida em que Honduras veja o Chile como uma potência em capacitação, educação, treinamentos e assessoria de maneira doutrinária, a cooperação pode desembocar em convênios militares que beneficiem ambas as nações, como acontece com os governos dos Estados Unidos e da Colômbia”, comentou Sosa. Honduras e Chile decidiram programar um próximo encontro para avançar nas atividades de cooperação, segundo o Cel Cerrato. “Honduras está investindo seus melhores esforços para que em um futuro não muito longínquo todos os índices de violência e narcotráfico que nosso país viveu diminuam”, concluiu.
Share