Médicos e dentistas militares hondurenhos e americanos atendem 1.200 pacientes em aldeias remotas

Honduran and U.S. military doctors and dentists provide care to 1,200 patients in remote villages

Por Dialogo
janeiro 12, 2014



O Ministério da Saúde de Honduras e as Forças Armadas de Honduras (FAH) recentemente trabalharam em parceria com o Corpo Médico (MEDEL) da Força-Tarefa Conjunta – Bravo do Comando Sul (SOUTHCOM) dos EUA para oferecer assistência médica a centenas de pessoas residentes em aldeias de localização remota. Os militares hondurenhos e americanos prestaram assistência de 2 a 5 de dezembro, durante um Exercício de Treinamento de Prontidão Médica (do inglês “Medical Readiness Training Exercise” – MEDRETE). Segundo as autoridades, a equipe de médicos militares hondurenhos e americanos atendeu mais de 1.200 pessoas nas comunidades de Auka e Tipimuna, duas regiões remotas do município de Gracias a Dios.
A Força-Tarefa Conjunta – Bravo (JTF-B) está sediada na base militar Soto Cano, em Honduras. A JTF-B transportou para as aldeias suprimentos, equipamentos, médicos e dentistas militares, além de pessoal de apoio.

Médicos e dentistas militares tratam centenas de pacientes

Centenas de hondurenhos de todas as idades aglomeraram-se em volta da construção rústica de madeira no departamento de Gracias a Dios, onde os militares montaram um hospital de campanha. Segundo o tenente-coronel do Exército dos EUA Hu Luu, comandante do MEDEL para a JTF-Bravo, os médicos e dentistas militares, junto com representantes do Departamento de Saúde hondurenho, trabalharam em condições difíceis, sem ar-condicionado em um clima quente e úmido.
Os médicos, dentistas, funcionários do departamento de saúde e voluntários “geralmente trabalhavam o dia inteiro sem parar para descansar ou comer”, disse Luu, de acordo com o site da JTF-B. Os médicos militares ofereceram check-ups de rotina e trataram pacientes com diarreia, problemas respiratórios, infecções de pele, distúrbios relacionados à alimentação e doenças crônicas, como diabetes e hipertensão. Os dentistas militares realizaram limpezas dentárias e trataram infecções. Os médicos e dentistas militares também deram aulas sobre higiene, nutrição e ginecologia básica.
Praticamente não há estradas na região. Alguns pacientes tiveram de caminhar a pé mais de 10 km para receber a assistência médica e dentária.
Os pacientes expressaram sua gratidão aos médicos, dentistas e voluntários, disse o tenente-coronel Luu ao site. “As pessoas estavam gratas por nós termos nos importado o suficiente para vir, ouvir e oferecer as consultas.”

Brigadas médicas: uma ação em parceria

As brigadas médicas são “inestimáveis”, pois oferecem aos médicos e dentistas militares a oportunidade de trabalharem com nações parceiras, como Honduras, diz o capitão Vicki English, membro do MEDEL. English é veterano de diversas brigadas médicas, de acordo com um comunicado da Embaixada dos EUA em Honduras.
“Nós fazemos parte de um exercício para validar as ações de assistência da JTF-B; todos nós trabalhamos juntos”, disse English, segundo o comunicado. “A maior parte destas pessoas normalmente não tem acesso a serviço de saúde. Para muitos deles, é a primeira vez que viram uma equipe médica.”

Grande necessidade de serviços médicos

Os médicos e dentistas militares ofereceram serviços dos quais Honduras tem uma grande necessidade.
Honduras tem uma média de 8,7 médicos para cada 10.000 habitantes, ocupando o último lugar entre os países da América Central, de acordo com um relatório elaborado em 2011 pela Comissão Nacional de Defesa dos Direitos Humanos em Honduras (CONADEH).
Segundo o relatório, a maioria desses médicos está concentrada em áreas urbanas. Faltam médicos em pelo menos 74 dos 298 municípios, onde vivem mais de 500.000 pessoas.
“Há tanta necessidade de assistência médica nessas regiões que muitas vezes a única forma de as pessoas terem acesso a serviços de saúde é cruzar rios a nado ou caminhar pelos pântanos”, diz Yuki Pravia Navas, médica hondurenha especializada em clínica geral.

Treinamento anual

O Comando Sul (SOUTHCOM) realiza Exercícios de Treinamento de Prontidão Médica (MEDRETEs) na América Central todos os anos. O objetivo é fortalecer a cooperação civil-militar entre os sete países centro-americanos por meio de operações de assistência humanitária. Esses exercícios também testam as habilidades da JTF-Bravo para fornecer rapidamente assistência humanitária em situações de desastres, como terremotos ou furacões.
Desde outubro de 2012, médicos e dentistas da JTF-Bravo realizaram cinco MEDRETEs no país, oferecendo assistência médica e dentária a mais de 5.300 pessoas em La Cuesta de la Virgen, El Aguacate, Barra Patuca, Usibila, El Rodeo, Raya, El Ciruelo e Las Liconas.
A assistência médica fornecida pela Força-Tarefa Conjunta – Bravo em parceria com militares e civis de nações parceiras é parte de uma ação para estreitar os laços com a população da região, diz Iñigo Guevara, analista de segurança da organização Coletivo de Análise da Segurança com Democracia (CASEDE), sediada na Cidade do México.
“Ter esse tipo de mecanismo como brigadas médicas pode muitas vezes significar a diferença entre a vida e a morte para muitas pessoas”, ressalta Guevara.
A colaboração entre a JTF-B, o Ministério da Saúde de Honduras e os médicos e dentistas militares hondurenhos é importante porque a ação beneficia diretamente os civis, cuja maioria se encontra em áreas rurais onde o serviço de saúde é escasso, avalia Guevara.
Segundo Guevara, os MEDRETES fazem parte de uma cooperação contínua em questões de segurança entre Honduras e os EUA, que abrangem desde o combate ao crime organizado à oferta de ajuda médica a quem necessita.
“Honduras e os Estados Unidos mantêm uma profunda relação de cooperação em inteligência, segurança e assistência humanitária”, afirma Guevara.
Reportagem interessante. É bom ficar sabendo que os exércitos proporcionam ajuda humanitária deste tipo em vez de gastar milhões de dólares em guerras absurdas.
Share