• Home »
  • Uncategory »
  • Guatemalan Air Force and U.S. Southern Command Cooperate to Promote Safe Aviation

Força Aérea da Guatemala e Comando Sul dos EUA cooperam para promover aviação segura

Guatemalan Air Force and U.S. Southern Command Cooperate to Promote Safe Aviation

Por Dialogo
fevereiro 11, 2015





A Força Aérea da Guatemala e uma equipe médica do Comando Sul dos Estados Unidos (SOUTHCOM) realizaram de forma conjunta a recente Conferência de Medicina Aeroespacial para promover a aviação segura durante emergências médicas na Guatemala.

O evento foi uma iniciativa das Forças Aéreas Sul dos EUA (AFSOUTH), que são um componente do SOUTHCOM, em conjunto com a Guarda Nacional de Arkansas no âmbito do Programa de Parceria Estatal entre a Guatemala e o Arkansas. O programa busca promover os esforços da Guatemala para desenvolver um programa de medicina aeroespacial de primeira linha, de acordo com o Coronel da Força Aérea dos EUA Jimmie D. Bailey, II, Cirurgião do Comando, 12ª Força Aérea, AFSOUTH.

Durante o curso de quatro dias, entre 12 e 15 de janeiro, especialistas em medicina de aviação e tripulantes treinados em medicina aeroespacial discutiram os melhores métodos de garantir uma aviação segura, segundo o site da Força Aérea da Guatemala (FAG). A medicina aeroespacial estuda doenças e transtornos humanos que estão associados com o voo, e os EUA estão na vanguarda desta área da medicina.

A conferência foi realizada no Comando Aéreo Central La Aurora da FAG. Cerca de 60 pilotos e 40 médicos, paramédicos e equipes de resgate participaram do seminário, segundo o Coronel Luis Alfredo Salazar Martínez, diretor do Hospital da FAG.

O treinamento foi realizado por três médicos da FAG e sete do SOUTHCOM, que discutiram formas de minimizar o papel do erro humano em acidentes aéreos. “O objetivo da conferência foi trazer os médicos para mais perto do voo e os pilotos mais perto da medicina”, disse o Coronel Salazar Martínez. “A prioridade é executar operações de forma segura e minimizar o envolvimento de fatores humanos em acidentes de aviação.”

Treinamento médico permanente


A recente conferêcia é um exemplo da cooperação mantida entre a FAG e o SOUTHCOM. Foi o terceiro encontro do gênero e o primeiro que contou com a participação de várias instituições civis governamentais e profissionais de emergência, incluindo a Direção Geral de Aviação Civil do país e a Agência de Coordenação para Redução de Desastres, assim como pilotos civis e bombeiros.

As duas primeiras conferências de medicina aeroespacial foram realizadas em 2013 e 2014, respectivamente. Os eventos são regulados pela Lei de Aviação Civil da Guatemala e a principal meta dos seminários é preparar pilotos, médicos e tripulantes para tomar decisões de assistência médica, segundo a FAG.

Os profissionais médicos presentes à conferência abordaram uma grande variedade de temas. Por exemplo, como o estresse afeta os pilotos e qual o impacto da falta de oxigênio (hipóxia) sobre os aviadores durante o voo.

O Comando Militar da Unidade de Resgate Humanitário da Guatemala realizou uma demonstração mostrando como as Forças Armadas treinam para realizar transportes aéreos de emergência.

Isso ajudará a FAG “a realizar missões de resgate, antidrogas, tráfico e segurança”, disse Salazar Martínez.

“A Conferência de Medicina Aeroespacial superou as expectativas”, afirmou. “As pessoas estão muito entusiasmadas. A realização dos objetivos propostos pela FAG e o Comando Sul foi além do esperado.”

FAG certificará pilotos militares


Os pilotos militares da Guatemala realizarão exames dentários, de optometria, audiometria e testes gerais de voo nas clínicas da FAG. Atualmente, médicos civis certificam os pilotos militares que estão aptos para voar. No final do processo, a FAG certificará seus próprios pilotos.

“Nos últimos dois anos tivemos o apoio do Comando Sul para treinar médicos e pilotos”, disse Salazar Martinez. “A fim de prosseguir com o processo de certificação de nossos pilotos, o Comando Sul doará equipamentos para realizar eletrocardiogramas, audiogramas e análises de optometria.”

A capacidade de auto-certificação é “essencial”, de acordo com Armando Rodríguez Luna, analista de segurança da Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM).

No final do processo, a Guatemala pode ajudar a treinar pilotos de forças aéreas de outros países.

“A Guatemala será um centro regional de treinamento de medicina aeroespacial na América Central”, disse Salazar Martínez.

A FAG possui 1.300 soldados prestando serviço em três Comandos Aéreos ou Regiões, segundo o blog Orden de Batalla
.

Em cooperação com o SOUTHCOM, a Guatemala está fortalecendo seus programas de treinamento, que ajudarão os militares a lutar contra o crime organizado, incluindo narcotraficantes internacionais.

Melhorar seus protocolos de instrução é parte do esforço da Guatemala de “desenvolver suas capacidades militares, juntamente com uma série de investimentos de médio e longo prazos em infra-estrutura e, claro, em formação de equipe, o que obviamente deve ser acompanhado de treinamento e capacitação”, completou Rodríguez Luna.




A Força Aérea da Guatemala e uma equipe médica do Comando Sul dos Estados Unidos (SOUTHCOM) realizaram de forma conjunta a recente Conferência de Medicina Aeroespacial para promover a aviação segura durante emergências médicas na Guatemala.

O evento foi uma iniciativa das Forças Aéreas Sul dos EUA (AFSOUTH), que são um componente do SOUTHCOM, em conjunto com a Guarda Nacional de Arkansas no âmbito do Programa de Parceria Estatal entre a Guatemala e o Arkansas. O programa busca promover os esforços da Guatemala para desenvolver um programa de medicina aeroespacial de primeira linha, de acordo com o Coronel da Força Aérea dos EUA Jimmie D. Bailey, II, Cirurgião do Comando, 12ª Força Aérea, AFSOUTH.

Durante o curso de quatro dias, entre 12 e 15 de janeiro, especialistas em medicina de aviação e tripulantes treinados em medicina aeroespacial discutiram os melhores métodos de garantir uma aviação segura, segundo o site da Força Aérea da Guatemala (FAG). A medicina aeroespacial estuda doenças e transtornos humanos que estão associados com o voo, e os EUA estão na vanguarda desta área da medicina.

A conferência foi realizada no Comando Aéreo Central La Aurora da FAG. Cerca de 60 pilotos e 40 médicos, paramédicos e equipes de resgate participaram do seminário, segundo o Coronel Luis Alfredo Salazar Martínez, diretor do Hospital da FAG.

O treinamento foi realizado por três médicos da FAG e sete do SOUTHCOM, que discutiram formas de minimizar o papel do erro humano em acidentes aéreos. “O objetivo da conferência foi trazer os médicos para mais perto do voo e os pilotos mais perto da medicina”, disse o Coronel Salazar Martínez. “A prioridade é executar operações de forma segura e minimizar o envolvimento de fatores humanos em acidentes de aviação.”

Treinamento médico permanente


A recente conferêcia é um exemplo da cooperação mantida entre a FAG e o SOUTHCOM. Foi o terceiro encontro do gênero e o primeiro que contou com a participação de várias instituições civis governamentais e profissionais de emergência, incluindo a Direção Geral de Aviação Civil do país e a Agência de Coordenação para Redução de Desastres, assim como pilotos civis e bombeiros.

As duas primeiras conferências de medicina aeroespacial foram realizadas em 2013 e 2014, respectivamente. Os eventos são regulados pela Lei de Aviação Civil da Guatemala e a principal meta dos seminários é preparar pilotos, médicos e tripulantes para tomar decisões de assistência médica, segundo a FAG.

Os profissionais médicos presentes à conferência abordaram uma grande variedade de temas. Por exemplo, como o estresse afeta os pilotos e qual o impacto da falta de oxigênio (hipóxia) sobre os aviadores durante o voo.

O Comando Militar da Unidade de Resgate Humanitário da Guatemala realizou uma demonstração mostrando como as Forças Armadas treinam para realizar transportes aéreos de emergência.

Isso ajudará a FAG “a realizar missões de resgate, antidrogas, tráfico e segurança”, disse Salazar Martínez.

“A Conferência de Medicina Aeroespacial superou as expectativas”, afirmou. “As pessoas estão muito entusiasmadas. A realização dos objetivos propostos pela FAG e o Comando Sul foi além do esperado.”

FAG certificará pilotos militares


Os pilotos militares da Guatemala realizarão exames dentários, de optometria, audiometria e testes gerais de voo nas clínicas da FAG. Atualmente, médicos civis certificam os pilotos militares que estão aptos para voar. No final do processo, a FAG certificará seus próprios pilotos.

“Nos últimos dois anos tivemos o apoio do Comando Sul para treinar médicos e pilotos”, disse Salazar Martinez. “A fim de prosseguir com o processo de certificação de nossos pilotos, o Comando Sul doará equipamentos para realizar eletrocardiogramas, audiogramas e análises de optometria.”

A capacidade de auto-certificação é “essencial”, de acordo com Armando Rodríguez Luna, analista de segurança da Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM).

No final do processo, a Guatemala pode ajudar a treinar pilotos de forças aéreas de outros países.

“A Guatemala será um centro regional de treinamento de medicina aeroespacial na América Central”, disse Salazar Martínez.

A FAG possui 1.300 soldados prestando serviço em três Comandos Aéreos ou Regiões, segundo o blog Orden de Batalla
.

Em cooperação com o SOUTHCOM, a Guatemala está fortalecendo seus programas de treinamento, que ajudarão os militares a lutar contra o crime organizado, incluindo narcotraficantes internacionais.

Melhorar seus protocolos de instrução é parte do esforço da Guatemala de “desenvolver suas capacidades militares, juntamente com uma série de investimentos de médio e longo prazos em infra-estrutura e, claro, em formação de equipe, o que obviamente deve ser acompanhado de treinamento e capacitação”, completou Rodríguez Luna.
Share