Governo aprovou protocolo para libertar canadense refém na Colômbia

Por Dialogo
agosto 26, 2013


O governo da Colômbia aprovou, no dia 22 de agosto, os protocolos de segurança para a missão humanitária que deve receber o geólogo canadense Jernoc Wobert, refém da guerrilha do ELN desde janeiro, informou um porta-voz da Cruz Vermelha Internacional.



“Já é certo, o protocolo foi aprovado. Era esse o passo que faltava”, disse a fonte afirmando, no entanto, que “o dia e a hora (da libertação) ainda não são conhecidos”.



O Exército de Libertação Nacional (ELN), a segunda maior guerrilha da Colômbia, com cerca de 2.500 combatentes, anunciou no dia 19 de agosto sua intenção de entregar o canadense a uma comissão humanitária integrada por representantes do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) e autoridades da Igreja católica.



O anúncio foi comemorado pelo governo do presidente Juan Manuel Santos, que considerou essa decisão “um passo correto” para o início de um processo de paz.



Wobert, de 47 anos, empregado da empresa canadense Braewal Mining, foi sequestrado pela guerrilha no dia 18 de janeiro passado no estado de Bolívar (norte) junto com dois peruanos e três colombianos.



Esses últimos foram libertados um mês mais tarde por intermédio de uma missão do CICV. Como condição para entregar Wobert, o ELN havia exigido que sua empresa devolvesse os títulos de exploração de mineração que tinha na região.



A companhia anunciou, no final de julho, que renunciava a suas atividades na Colômbia devido a “condições desfavoráveis de mercado”, sem mencionar o caso do engenheiro detido.










Share