Espuma pode aumentar sobrevivência de vítimas de hemorragia interna

Foam Could Increase Survival for Victims of Internal Hemorrhaging

Por Dialogo
dezembro 17, 2012






DARPA



O sistema médico do Departamento de Defesa procura implantar um padrão conhecido como a “Hora de Ouro”, que obriga a que os soldados feridos em campo de batalha sejam transferidos para unidades avançadas de tratamento dentro dos primeiros 60 minutos após terem sido atingidos, segundo boletim de imprensa de 10 de dezembro.






Antes do transporte, o atendimento médico inicial no campo de batalha administrado pelos socorristas é frequentemente crítico para a sobrevivência dos militares feridos. No caso de ferimentos abdominais e consequente hemorragia interna, no entanto, há atualmente pouca coisa a ser feita para estancar o sangramento antes que os pacientes cheguem às unidades de atendimento; ferimentos internos não podem receber compressão como os externos e torniquetes ou curativos hemostáticos não são viáveis devido à necessidade de se visualizar o problema. A consequente perda de sangue frequentemente leva à morte causada por ferimentos que poderiam ser potencialmente passíveis de sobrevivência.





O DARPA lançou um programa de Sistema de Estase de Ferimentos em 2010 na esperança de encontrar uma solução tecnológica para mitigar os danos da hemorragia interna. O programa buscou encontrar um mecanismo biológico capaz de identificar o tecido ferido e o saudável, limitando sua ação ao tecido atingido.






No desenrolar do programa, surgiu uma solução ainda melhor: a empresa Arsenal Medical, Inc., parte do programa Estase de Ferimentos, desenvolveu um produto à base de espuma capaz de controlar a hemorragia na cavidade abdominal intacta do paciente durante pelo menos uma hora, a partir de dados colhidos em ferimentos em suínos.






A espuma deve ser administrada no campo de batalha por um profissional paramédico e é facilmente removível pelos médicos durante a intervenção cirúrgica em uma unidade capacitada, como demonstraram os testes.






Os profissionais treinados em Estase de Ferimentos apresentaram dados pré-clínicos sobre o tratamento por espuma no Encontro Anual da Associação Norte-Americana de Cirurgia de Trauma 2012 em Kauai, Havaí.






Estes dados demonstraram a capacidade da espuma de tratar hemorragias graves por até três horas em um modelo de ferimento letal de fígado. Durante os testes, a aplicação minimamente invasiva do produto reduziu o sangramento em seis vezes e aumentou o índice de sobrevivência nas três primeiras horas pós-ferimento para 72 por cento, contra oito por cento apresentados nos controles.






Para mais informações, visite: http://www.darpa.mil



Share