Morre chefe das FARC que enviava cocaína em submarinos

FARC Leader Who Shipped Cocaine in Submarines Dies

Por Dialogo
outubro 24, 2011


Um líder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), acusado de coordenar o envio de cocaína em submarinos aos cartéis mexicanos, morreu no dia 20 de outubro em um bombardeio das Forças Armadas, informou o governo.

José Neftalí Umenza, vulgo “Mincho”, comandante da frente 30 das FARC, que tem pedido de extradição feito pelos Estados Unidos, morreu junto com outros quatro rebeldes em uma região da selva próxima à cidade de Buenaventura, na província do Valle.

“Era um chefe do narcotráfico, era um provedor financeiro, responsável por diversas ações terroristas, crimes e exportação de drogas, principalmente para a América Central”, disse o ministro da Defesa, Juan Carlos Pinzón.

O ministro afirmou que as Forças Armadas acham que o indivíduo de codinome “Mincho” provia cerca de 30 por cento dos recursos recebidos pelas FARC.

A Colômbia oferecia uma recompensa de quase US$ 1 milhão por informações sobre o paradeiro do líder rebelde, que permaneceu por mais de 40 anos nas FARC, grupo que se mantém em confronto com as Forças Armadas em um conflito interno há quase cinco décadas.

“Este criminoso era um elemento de contato direto com os cartéis mexicanos, sendo essa sua principal atividade. Foi um golpe na espinha dorsal das finanças das FARC”, afirmou Pinzón em uma entrevista coletiva.

O líder guerrilheiro morto, que atuava na selva da costa do Pacífico colombiano, participou de ações como o sequestro de 12 deputados em 2002, 11 dos quais foram assassinados pelos rebeldes cinco anos mais tarde, bem como de um ataque a uma base militar no qual morreram 18 Fuzileiros Navais, em 1991.

As FARC se tornaram mais fracas a partir de 2002 devido a uma ofensiva militar apoiada pelos Estados Unidos, quando morreram importantes comandantes e milhares de combatentes desertaram.

Os submarinos passaram a ser um dos principais meios para o transporte da cocaína colombiana, segundo fontes de segurança.



Share