Comunidade Internacional Muçulmana Ahmadia procura se expandir na América Latina

EXPONAVAL: The Latest in Naval and Military Technology

Por Dialogo
dezembro 02, 2010

A situação desses homens e mulheres de fé que professam a religião do Islã é muito difícil, e eles são minoria. Igualá-los aos terroristas seria jogar o jogo dos reais ofensores. Por outro lado, no nosso país nunca houve confrontos sangrentos, e o que é mais, nas cidades não há diferenças e as maiorias são imigrantes, sempre colocando a solidariedade em primeiro lugar entre correntes migratórias diferentes. Reflexão e tato, respeito e consideração pelas diferenças nos levarão a uma coexistência HUMANA – não estigmatizar é a forma de resistir aos ofensores violentos. O grupo Ahmadiyya é considerada como não muçulmanos pela maioria dos estudiosos muçulmanos no Islã. Que o verdadeiro e pacífico Islão reine sobre todos aqueles que procuram espalhar a violência e discórdia.

Ótimas notícias. Quase não encontro informação da comunidade. Não existe uma página de internet para a América Latina, existe na Colômbia?
A Comunidade Internacional Muçulmana Ahmadia anunciou na capital guatemalteca que está tentando se expandir na América Latina, com o envio de missionários à Colômbia e ao Chile, e com a eventual construção de uma mesquita em El Salvador.

“O objetivo é recomeçar nesses países e restabelecer as missões islâmicas”, depois do fracasso em 1992 na América do Sul e em 1988 na América Central, disse em entrevista à imprensa o porta-voz da Comunidade Internacional nos Estados Unidos, Waseem Sayed, em visita à Guatemala.

Sayed explicou que, em 1988, ele comandou uma delegação para estabelecer missões nos países da América Central, com exceção da Nicarágua, “mas isto não foi possível”.

Não obstante, disse que em El Salvador existem membros da Comunidade, motivo pelo qual está sendo analisada a compra de um terreno e a construção de uma mesquita em 2011.

O vice-presidente da Comunidade nos Estados Unidos, Daud A. Hanif, explicou que o grupo religioso conseguiu ingressar na Guatemala em 1989 ao fundar a primeira mesquita, enquanto uma outra foi inaugurada este ano, em Quetzaltenango, a segunda cidade da Guatemala em escala de importância, a 206 quilômetros a oeste da capital.

O líder religioso também descartou a ideia de que verdadeiros islâmicos estejam por trás de atentados terroristas, como os ocorridos em 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos.

De acordo com o líder, a Comunidade Internacional Muçulmana Ahmadia é formada por cerca de 200 milhões de pessoas em 197 países, e é considerada pacífica pela comunidade internacional e pelas Nações Unidas.




Share