Especialistas analisam a luta contra o crime organizado na América Central

Por Dialogo
maio 17, 2012


Delegados das Forças Armadas e da Polícia de 14 países analisam na Guatemala a política de direitos humanos na estratégia de luta contra o crime organizado na América Central, em um fórum de três dias que teve início no dia 15 de maio.

“O objetivo principal (da reunião) é o de fortalecer a prática dos direitos humanos simultaneamente às tarefas de combate ao crime organizado”, disse aos jornalistas o porta-voz do Exército da Guatemala, Coronel Rony Urízar, que participa do encontro.

O porta-voz comentou que no fórum os militares avaliarão a colaboração com as autoridades civis na “restauração da segurança do cidadão”, bem como as políticas de respeito aos direitos humanos que devem acompanhar as ações contra o crime.

“Ainda que estejamos empenhados em uma luta frontal contra o crime organizado e a criminalidade, é imprescindível observar o respeito aos direitos humanos, tanto da população como dos supostos criminosos”, acrescentou.

A conferência foi aberta pelo embaixador dos Estados Unidos, Arnold Chacón, e pelo vice-ministro da Defesa da Guatemala, General Edwin Nájera.

A reunião é organizada pelo Ministério da Defesa da Guatemala e pelo Gabinete de Direitos Humanos do Comando Sul dos EUA.

“O objetivo desta conferência é o de criar um espaço para o aprendizado e intercâmbio, para melhorar a segurança pública e estabelecer medidas para combater o crime organizado, bem como prover recursos para melhorar o respeito aos direitos humanos na região”, informou a embaixada em um boletim.

De acordo com a nota, participam do evento mais de 90 oficiais do Exército e da Polícia dos sete países da América Central e República Dominicana.

Comparecem ainda funcionários civis e membros de organizações sociais da região, bem como especialistas do Canadá, Chile, Colômbia, México, Peru e Estados Unidos.



Share