EUA oferecem recompensas milionárias por três ex-funcionários venezuelanos

EUA oferecem recompensas milionárias por três ex-funcionários venezuelanos

Por Voz da América (VOA)/Editado pela equipe da Diálogo
outubro 26, 2020

O Departamento de Estado dos EUA anunciou no dia 29 de setembro uma recompensa de US$ 10 milhões por informações “que levem à prisão e/ou condenação” de um ex-alto funcionário da inteligência do regime na Venezuela, bem como US$ 5 milhões por cada um de dois outros ex-funcionários venezuelanos, por seus vínculos com o narcotráfico.

Os três indicados são atualmente foragidos da justiça.

Trata-se de Pedro Luis Martín-Olivares, identificado como ex-chefe dos Serviços de Inteligência Econômica da Venezuela, que foi processado judicialmente no distrito Sul da Flórida em 2015, sob a acusação de “distribuir uma substância controlada, sabendo que a mesma seria importada ilegalmente aos Estados Unidos”, informa o despacho do Departamento de Estado.

Martín-Olivares, por quem são oferecidos US$ 10 milhões, é acusado de posse e conspiração para importar as substâncias citadas no relatório.

O Departamento de Estado também oferece recompensa por informações que permitam a captura e condenação de Rodolfo McTurk-Mora e Jesús Alfredo Itriago.

McTurk-Mora era chefe da Interpol na Venezuela e foi acusado em 2013 perante o mesmo distrito judicial da Flórida por “conspiração para importar cocaína, importação de cocaína para os Estados Unidos, posse com intenção de distribuir cocaína e corrupção e impedimento de um funcionário”.

Entretanto, Itriago, que atuou como chefe na Venezuela da divisão Antinarcóticos do Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalísticas, foi acusado na Flórida, em janeiro de 2013, de “conspiração para distribuir uma substância controlada (…), sabendo que a citada substância controlada seria importada ilegalmente para os Estados Unidos”.

Contra Itriago há ainda a acusação de que a violação “envolveu 5 quilos, ou mais, de uma mistura e substâncias que continham uma quantidade detectável de cocaína”.

O anúncio foi feito no âmbito do Programa de Recompensas por Narcóticos do Departamento de Estado.

Em março de 2020, o governo dos Estados Unidos acusou Nicolás Maduro por supostos vínculos com o narcotráfico e ofereceu uma recompensa de US$ 15 milhões por sua captura.

Outros líderes do madurismo procurados pelos EUA são Diosdado Cabello, presidente da Assembleia Nacional Constituinte do regime ilegítimo; Tareck El Aissami, vice-presidente de Economia, e Hugo Carvajal, ex-diretor dos serviços de contrainteligência do Exército da Venezuela.

Share