Contrabando de 3,6 toneladas de cocaína é apreendido no Equador

Por Dialogo
março 02, 2012


Um carregamento de cocaína apreendido pela Polícia do Equador em 26 de fevereiro continha 3,6 toneladas da droga, e seu destino era a Bélgica, informaram as autoridades nesta terça-feira.

Os pacotes com a droga estavam escondidos em caixas de papelão com mandioca, sob lâminas de chumbo, e foram encontrados em dois contêineres no porto marítimo de Guaiaquil (280 quilômetros a sudoeste de Quito), segundo relatório entregue pela Polícia e pelo ministro do Interior, José Serrano.

Ao todo foram confiscadas quase 3,70 toneladas de cloridrato de cocaína, disse o chefe do Quarto Distrito de Polícia, Héctor Machado, durante entrevista coletiva em Guaiaquil, onde foi apresentado o carregamento que, segundo ele, seguiria para a Bélgica.

Um suspeito foi detido na operação, denominada “Invierno Bravo”, e uma companhia agrícola supostamente vinculada aos contêineres está sob investigação.

“Procedeu-se às respectivas proibições de alienação e saída do país dos representantes da empresa”, informou o ministro, que relatou as 3,5 toneladas sem no entanto fornecer mais detalhes.

Serrano aproveitou a ocasião para lançar um programa de recompensas por informações que levem à apreensão de drogas. “Estamos estipulando recompensas que irão de US$ 5 a 20 mil”, disse ele.

A carga apreendida em Guaiaquil soma-se a outras 2,3 toneladas de cocaína confiscadas no Equador no decorrer de 2012, segundo a Polícia. Nessas operações foram encontrados ainda dois semissubmersíveis utilizados para o transporte de drogas.

Nas duas últimas semanas, a força pública encontrou mais duas toneladas de maconha durante patrulhamentos militares na região de fronteira com a Colômbia (norte) e ao invadir uma residência na cidade andina de Cayambe (também no norte), onde foi detido um cidadão colombiano.

O Equador confiscou cerca de 26 toneladas de drogas em 2011, 18 toneladas em 2010 e um recorde de 68 toneladas em 2009 (64 delas de cocaína), de acordo com a Polícia.





Share