E-mails apreendidos pelo Exército Nacional da Colômbia revelam péssima situação financeira das FARC

E-mails seized by Colombian National Army reveal  FARC financial turmoil

Por Dialogo
outubro 21, 2014




O grupo terrorista Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) planejava um grande esquema de extorsão neste ano para aliviar seus graves problemas financeiros, segundo e-mails analisados pelas forças de segurança colombianas nos últimos meses.

Os e-mails eram de laptops apreendidos pelo Exército Nacional da Colômbia em um acampamento das FARC em fevereiro de 2014. Desde então, cerca de 50 investigadores da Polícia Nacional da Colômbia e agentes da inteligência passaram meses varrendo essas mensagens em busca de dados de inteligência.

Eles revelam que, embora participassem de conversações de paz com o governo em Havana, as FARC estavam planejando e se envolvendo em atividades criminosas. Alguns dos e-mails mostram que o grupo terrorista passa por problemas financeiros, em parte por conta dos esforços bem-sucedidos dos militares e policiais colombianos. Em um dos e-mails, o líder das FARC, Rodrigo Londoño Echeverri – conhecido como “Timochenko” –, reconheceu que o grupo terrorista foi “enfraquecido” por causa do trabalho das Forças Armadas da Colômbia e da polícia, com o apoio dos Estados Unidos.

Colômbia e EUA cooperam na luta contra as FARC e outras organizações terroristas, principalmente por meio do compartilhamento de informações e recursos.

Detectados esquemas de extorsão das FARC


Para tentar melhorar suas finanças, o Bloco Sul das FARC planejava uma série de esquemas de extorsão de grandes empresas, segundo um e-mail da primavera de 2013.

As FARC planejavam exigir US$ 1 milhão (R$ 2,46 milhões) de uma petrolífera para cada poço de petróleo ativo e o pagamento de US$ 5 (R$ 12) para cada barril extraído.

“Em regiões onde existem minas de ouro, esmeralda, brita (...), vamos impor uma taxa de 20% sobre a produção”, diz um dos e-mails. As FARC planejavam forçar empreiteiras estatais a pagar 10% de seus lucros para o grupo terrorista. Por exemplo, pretendiam cobrar das empresas que asfaltavam estradas um mínimo de 30 milhões de pesos. Alguns e-mails sugeriam que as FARC investissem em ações da Ecopetrol.

O Bloco Leste das FARC também buscava fontes alternativas de renda. Desde 2011, pelo menos, a facção se envolveu em alternativas para o narcotráfico levantar fundos, como a venda de gado, segundo alguns dos e-mails investigados.

“O mais preocupante é que (...) estamos torrando nosso dinheiro”, diz um dos e-mails das FARC. “E, se continuarmos nesse ritmo, vendendo 2.000 cabeças de gado a cada quatro meses, isso provavelmente nos garantiria um ano e alguns meses.”


Operação corajosa levou à apreensão de computadores das FARC


Um operação corajosa de soldados do Exército levou à captura dos computadores com os e-mails das FARC.

Em fevereiro, tropas do Exército atacaram um acampamento das FARC perto do município de Vista Hermosa, no departamento de Meta, onde os líderes do Bloco Leste se reuniam. Oito terroristas das FARC foram mortos e os sobreviventes fugiram, deixando para trás computadores e drives criptografados.

Os e-mails das FARC mostraram que o grupo terrorista está fragmentado, com várias frentes lutando para levantar fundos.

“A grande percepção desses e-mails é que os guerrilheiros não têm mais um sistema para suas fontes diferentes trabalharem juntas”, afirma Daniel Rico, analista de segurança colombiano. "Onde antes havia várias frentes com ligações específicas na cadeia de produção de drogas, agora há grupos espalhados lutando para sobreviver sem confiar em dar apoio um ao outro.”

“As FARC não são mais tão ricas quanto achávamos. Se examinarmos sua contabilidade, vamos concluir que cada unidade guerrilheira, depois de 50 anos de luta, ficou com menos de 20 milhões de pesos (R$ 24.000).”



O grupo terrorista Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) planejava um grande esquema de extorsão neste ano para aliviar seus graves problemas financeiros, segundo e-mails analisados pelas forças de segurança colombianas nos últimos meses.

Os e-mails eram de laptops apreendidos pelo Exército Nacional da Colômbia em um acampamento das FARC em fevereiro de 2014. Desde então, cerca de 50 investigadores da Polícia Nacional da Colômbia e agentes da inteligência passaram meses varrendo essas mensagens em busca de dados de inteligência.

Eles revelam que, embora participassem de conversações de paz com o governo em Havana, as FARC estavam planejando e se envolvendo em atividades criminosas. Alguns dos e-mails mostram que o grupo terrorista passa por problemas financeiros, em parte por conta dos esforços bem-sucedidos dos militares e policiais colombianos. Em um dos e-mails, o líder das FARC, Rodrigo Londoño Echeverri – conhecido como “Timochenko” –, reconheceu que o grupo terrorista foi “enfraquecido” por causa do trabalho das Forças Armadas da Colômbia e da polícia, com o apoio dos Estados Unidos.

Colômbia e EUA cooperam na luta contra as FARC e outras organizações terroristas, principalmente por meio do compartilhamento de informações e recursos.

Detectados esquemas de extorsão das FARC


Para tentar melhorar suas finanças, o Bloco Sul das FARC planejava uma série de esquemas de extorsão de grandes empresas, segundo um e-mail da primavera de 2013.

As FARC planejavam exigir US$ 1 milhão (R$ 2,46 milhões) de uma petrolífera para cada poço de petróleo ativo e o pagamento de US$ 5 (R$ 12) para cada barril extraído.

“Em regiões onde existem minas de ouro, esmeralda, brita (...), vamos impor uma taxa de 20% sobre a produção”, diz um dos e-mails. As FARC planejavam forçar empreiteiras estatais a pagar 10% de seus lucros para o grupo terrorista. Por exemplo, pretendiam cobrar das empresas que asfaltavam estradas um mínimo de 30 milhões de pesos. Alguns e-mails sugeriam que as FARC investissem em ações da Ecopetrol.

O Bloco Leste das FARC também buscava fontes alternativas de renda. Desde 2011, pelo menos, a facção se envolveu em alternativas para o narcotráfico levantar fundos, como a venda de gado, segundo alguns dos e-mails investigados.

“O mais preocupante é que (...) estamos torrando nosso dinheiro”, diz um dos e-mails das FARC. “E, se continuarmos nesse ritmo, vendendo 2.000 cabeças de gado a cada quatro meses, isso provavelmente nos garantiria um ano e alguns meses.”


Operação corajosa levou à apreensão de computadores das FARC


Um operação corajosa de soldados do Exército levou à captura dos computadores com os e-mails das FARC.

Em fevereiro, tropas do Exército atacaram um acampamento das FARC perto do município de Vista Hermosa, no departamento de Meta, onde os líderes do Bloco Leste se reuniam. Oito terroristas das FARC foram mortos e os sobreviventes fugiram, deixando para trás computadores e drives criptografados.

Os e-mails das FARC mostraram que o grupo terrorista está fragmentado, com várias frentes lutando para levantar fundos.

“A grande percepção desses e-mails é que os guerrilheiros não têm mais um sistema para suas fontes diferentes trabalharem juntas”, afirma Daniel Rico, analista de segurança colombiano. "Onde antes havia várias frentes com ligações específicas na cadeia de produção de drogas, agora há grupos espalhados lutando para sobreviver sem confiar em dar apoio um ao outro.”

“As FARC não são mais tão ricas quanto achávamos. Se examinarmos sua contabilidade, vamos concluir que cada unidade guerrilheira, depois de 50 anos de luta, ficou com menos de 20 milhões de pesos (R$ 24.000).”
Essa é a versão da paz de Santos, que é a fragilidade do representante legal da Colômbia. Em vez de reforçar a luta por todos os meios atacando as frentes financeiras e logísticas, de apoio, de compra de armas, de combatentes, de milícias, guerrilheiros infiltrados como estudantes de diferentes universidades, funcionários públicos de alto nível desempregados, políticos disfarçados de Polo de Moir, PCC, etc . atacando a mineração ilegal que pertence em grande parte à guerrilha, de frear a extorsão. Sr. Presidente, você é o único que engole sapos e crocodilos inteiros, o povo colombiano agora sabe para onde vai o processo de paz, que Deus nos tenha confessados como dizem as avós, nós queremos a paz, não a entrega do Estado a um bando de criminosos e provocadores.
Ainda falta atacar o núcleo : guerrilheiros infiltrados como estudantes de diferentes universidades, funcionários públicos de alto nível ;)
Share