Doação de equipamentos de proteção individual dos EUA salva vidas em Honduras

Doação de equipamentos de proteção individual dos EUA salva vidas em Honduras

Por Kay Valle/Diálogo
junho 04, 2020

Embora o surto de coronavírus tenha causado escassez de máscaras em todo o mundo, no Hospital Escola Universitário (HEU) de Tegucigalpa, Honduras, a Dra. Scheybi Miralda Méndez faz suas rondas sabendo que está usando o equipamento adequado para proteger seus pacientes e a si mesma de qualquer contágio. Sua tranquilidade se deve às doações de equipamentos de proteção individual (EPI) que o Comando Sul dos EUA (SOUTHCOM) enviou no final de abril, através de seu programa de assistência humanitária.

“Trabalhamos de maneira confiável porque temos o EPI adequado. Isso se reflete nos pais ou tutores que se sentem confiantes e já não têm medo de que o contágio venha através de nós”, disse à Diálogo a Dra. Miralda, chefe da Emergência Pediátrica do HEU.

Usando equipamento de proteção individual doado pelo SOUTHCOM, um médico da Emergência Pediátrica do Hospital Escola Universitário de Tegucigalpa, Honduras, atende uma criança, em meados de maio de 2020. (Foto: Dra. Scheybi Miralda Méndez)

Na sala de emergência do HEU, cerca de 75 médicos atendem pacientes que chegam com sintomas similares aos da COVID-19, como pneumonias ou outras enfermidades que necessitam de cuidado urgente. O pessoal do hospital fornece máscaras a cada paciente que chega e também ao familiar que o acompanha. Para a Dra. Miralda, a medida proporciona mais do que segurança.

“O fato de ser admitido no hospital aumenta os níveis de estresse [dos pacientes]. Eles já estão estressados por serem admitidos em um hospital e, se não estivéssemos protegidos, esse temor aumentaria e traria mais desconfiança. Por isso é importante que eles vejam que estamos protegidos”, enfatizou a Dra. Miralda.

A distribuição dos equipamentos doados é altamente apreciada pelas equipes médicas do HEU, especialmente pela Emergência Pediátrica, onde são atendidas de 100 a 800 crianças e são realizadas em média 600 a 800 cirurgias por mês.

“Em cada cirurgia entram de seis a oito participantes, como cirurgiões e anestesistas, de acordo com o tipo de procedimento”, enfatizou a Dra. Miralda sobre a importância dos EPI.

Ao todo, o SOUTHCOM realizou seis entregas de EPI que consistiram de milhares de máscaras N95, luvas, álcool em gel, aventais médicos e termômetros infravermelhos, destinados às instituições de primeiro atendimento, informou em um comunicado a Comissão Permanente de Contingência de Honduras (COPECO). O HEU, o Sistema Nacional de Gerenciamento de Riscos da COPECO e a Unidade Humanitária de Resgate (UHR) das Forças Armadas de Honduras foram algumas das primeiras instituições que receberam os donativos de EPI.

“Os donativos que recebemos nos ajudam a minimizar o risco de contágio, pois contamos com o material adequado para a proteção do nosso pessoal, quando vamos de casa em casa”, disse à Diálogo o Coronel de Infantaria do Exército de Honduras Manuel Edgardo Melgar Viera, comandante da UHR. Para responder à crise do coronavírus, unidades da UHR distribuíram alimentos à população mais vulnerável do país e precisaram dos EPI para evitar a propagação.

“Agradecemos a doação do SOUTHCOM para os profissionais que estão expostos devido ao trabalho que estamos realizando atualmente, que é o de levar à nossa população os alimentos que o governo lhes está proporcionando”, disse o Cel Melgar.

Share