Serviço de Vigilância Aérea da Costa Rica utiliza aeronave que já pertenceu ao tráfico para detectar narcotraficantes

Costa Rican Aerial Surveillance Service Uses Former Narco-Plane to Detect Drug Traffickers

Por Dialogo
dezembro 18, 2014




Uma aeronave apreendida de narcotraficantes é o mais novo reforço à frota do Serviço de Vigilância Aérea do Ministério da Segurança costa-riquenho: o Beechcraft King Air F90 realizará missões de patrulha contra o crime organizado.

O avião transportava uma tonelada de drogas quando a Força Pública Nacional o apreendeu na costa caribenha do país, em 16 de dezembro de 2013. Na época, a aeronave pertencia a uma rede de lojas da Guatemala que pode ter servido de fachada para os traficantes de drogas. Ele tinha decolado de Cali, na Colômbia, e fez um pouso de emergência em uma pista particular, onde a polícia apreendeu a cocaína e prendeu o piloto e o copiloto.

O avião vale mais de US$ 1 milhão, e as autoridades de segurança costa-riquenhas o restauraram por cerca de US$ 75.000 em um período de aproximadamente 10 meses.

Aeronave restaurada procura barcos suspeitos


O Serviço de Vigilância Aérea utilizará a aeronave restaurada para monitorar as águas da Costa Rica onde os traficantes de drogas estão ativos, incluindo a região de Isla de Coco.

“O modelo F90, agora em operação com autoridades do Serviço de Vigilância Aérea (SVA), foi equipado para uso da polícia e segurança”, disse Paul Chaves, analista de segurança da Universidade de La Luz da Costa Rica. “O avião poderá reforçar a vigilância marítima, patrulhas e ações humanitárias.”

Fabricado nos Estados Unidos, o Beechcraft King Air F90 é um avião popular para uso executivo e é considerado o avião mais caro e sofisticado já apreendido de traficantes de drogas pelas forças de segurança da Costa Rica. Com capacidade para transportar dois tripulantes na cabine e sete passageiros, o avião é um biturbo-hélice equipado com motores Pratt & Whitney PT6A-135A, que juntos produzem 750 cv.

Com a aeronave recém-reformada, a Força Aérea da Costa Rica tem agora 15 aeronaves apreendidas do narcotráfico que têm tido bom desempenho em missões de segurança. No decorrer das operações de segurança antinarcóticos, os aviões realizam sobrevoos, detectam barcos suspeitos e deslocam unidades navais da Guarda Costeira Nacional para interceptá-los e inspecioná-los. Cada aeronave de segurança costa-riquenha voa cerca de 3.000 horas por ano, com 65% do tempo gasto em operações policiais, 20% em ações humanitárias, como operações de busca e salvamento, e 15% no transporte de funcionários públicos, de acordo com o Repretel Costa Rica.





Uma aeronave apreendida de narcotraficantes é o mais novo reforço à frota do Serviço de Vigilância Aérea do Ministério da Segurança costa-riquenho: o Beechcraft King Air F90 realizará missões de patrulha contra o crime organizado.

O avião transportava uma tonelada de drogas quando a Força Pública Nacional o apreendeu na costa caribenha do país, em 16 de dezembro de 2013. Na época, a aeronave pertencia a uma rede de lojas da Guatemala que pode ter servido de fachada para os traficantes de drogas. Ele tinha decolado de Cali, na Colômbia, e fez um pouso de emergência em uma pista particular, onde a polícia apreendeu a cocaína e prendeu o piloto e o copiloto.

O avião vale mais de US$ 1 milhão, e as autoridades de segurança costa-riquenhas o restauraram por cerca de US$ 75.000 em um período de aproximadamente 10 meses.

Aeronave restaurada procura barcos suspeitos


O Serviço de Vigilância Aérea utilizará a aeronave restaurada para monitorar as águas da Costa Rica onde os traficantes de drogas estão ativos, incluindo a região de Isla de Coco.

“O modelo F90, agora em operação com autoridades do Serviço de Vigilância Aérea (SVA), foi equipado para uso da polícia e segurança”, disse Paul Chaves, analista de segurança da Universidade de La Luz da Costa Rica. “O avião poderá reforçar a vigilância marítima, patrulhas e ações humanitárias.”

Fabricado nos Estados Unidos, o Beechcraft King Air F90 é um avião popular para uso executivo e é considerado o avião mais caro e sofisticado já apreendido de traficantes de drogas pelas forças de segurança da Costa Rica. Com capacidade para transportar dois tripulantes na cabine e sete passageiros, o avião é um biturbo-hélice equipado com motores Pratt & Whitney PT6A-135A, que juntos produzem 750 cv.

Com a aeronave recém-reformada, a Força Aérea da Costa Rica tem agora 15 aeronaves apreendidas do narcotráfico que têm tido bom desempenho em missões de segurança. No decorrer das operações de segurança antinarcóticos, os aviões realizam sobrevoos, detectam barcos suspeitos e deslocam unidades navais da Guarda Costeira Nacional para interceptá-los e inspecioná-los. Cada aeronave de segurança costa-riquenha voa cerca de 3.000 horas por ano, com 65% do tempo gasto em operações policiais, 20% em ações humanitárias, como operações de busca e salvamento, e 15% no transporte de funcionários públicos, de acordo com o Repretel Costa Rica.


Share