Força Aérea da Colômbia ajuda a combater incêndios florestais

Colombian Air Force Helps Fight Forest Fires

Por Dialogo
fevereiro 24, 2015





A Força Aérea colombiana (CAF) está desempenhando um papel importante no combate aos incêndios florestais em todo o país.

Os incêndios ocorreram em quase 80% do país e destruíram milhares de hectares, principalmente vegetação virgem e florestas naturais, de acordo com autoridades. Algumas regiões são particularmente suscetíveis a incêndios por causa do fenômeno climático conhecido como El Niño, que pode provocar mais calor e seca do que as condições habituais em diferentes partes do mundo.

Desde o início de janeiro, a CAF opera com os bombeiros, o Exército Nacional colombiano, a Polícia Nacional, a Cruz Vermelha, a Defesa Civil, a Unidade de Gestão de Riscos e os municípios para debelar incêndios florestais nos estados de Antioquia, Cundinamarca, Boyacá, Santander, Risaralda e Magdalena.

A CAF utiliza uma variedade de equipamentos para ajudar a extinguir incêndios florestais, como uma piscina artificial com capacidade para armazenar 38 mil litros de água com produtos químicos retardantes para extinguir incêndios. Seus pilotos de helicóptero também utilizam um carregador de água conhecido como “Bambi Bucket”, que pode armazenar 900 litros para despejar sobre as chamas.

Operações anteriores da FAC ajudam a apagar incêndios


A CAF tem desempenhado um papel importante nos esforços para extinguir incêndios florestais na Colômbia nos últimos anos.

Em janeiro, a Força Aérea enviou helicópteros do Quinto Comando de Combate Aéreo para enfrentar dois dos mais perigosos e ativos incêndios já registrados no país no estado de Boyacá. O Exército, a Polícia Nacional, a Defesa Civil, e outros órgãos também cooperaram no combate aos incêndios em Boyacá, usando o Sistema Nacional de Prevenção e Resposta a Desastres.

A CAF também ajudou a extinguir outro incêndio abrangendo cerca de 100 hectares no estado de Boyacá em outubro. Eles atenderam ao pedido do prefeito Pablo Solano e protegeram as fontes de água potável do município de Floresta.

Da mesma forma, em março de 2014, eles responderam rapidamente a incêndios florestais ocorridos no município de Malambo, no estado de Atlántico. Lá, os ventos fortes espalharam o fogo rapidamente.

Comandantes da CAF enviaram um helicóptero UH-60 Black Hawk, que podia transportar 600 litros de água em um “Bambi Bucket”. As fontes de água nas proximidades eram muito rasas para utilizar o “Bambi Bucket” de forma eficaz. Por isso, o comandante do Terceiro Comando de Combate Aéreo, na época, o Coronel David Barrero Barrero, enviou uma aeronave C-95 com uma piscina portátil de 5.000 litros que poderia ser enchida por um reabastecedor.

Força Aérea treina com bombeiros


Além de ajudar a combater incêndios, a Força Aérea treina bombeiros civis.

Por exemplo, no início de fevereiro, o Quarto Comando de Combate Aéreo treinou um grupo de bombeiros voluntários do estado de Cundinamarca em técnicas para orientar a aeronave que apoiaria missões no solo com foco em aumentar os esforços em caso de incêndios florestais, desastres naturais ou catástrofes.

Os quatro dias de treinamento incluíram aulas teóricas sobre meteorologia, cartografia, gestão de risco, equipamentos de resgate, sistemas de extinção de incêndio e perigos durante emergências. As aulas foram uma introdução para exercícios práticos realizados na Base Aérea Luis F. Pinto em Melgar, no estado de Tolima.

Bombeiros voluntários de municípios, incluindo Nilo, Tocaima, Anapoima, La Mesa, Mosquera e Bogotá, participaram de um exercício envolvendo um incêndio florestal simulado em que os bombeiros orientaram um helicóptero equipado com um “Bambi Bucket”. Durante o exercício de treinamento, o piloto lançou água dos “Bambi Bucket” quatro vezes, usando coordenadas específicas.

O segundo exercício envolveu o resgate de pessoas presas por incêndios florestais. O exercício simulava o resgate de pessoas de uma área de difícil acesso. Os bombeiros precisavam sinalizar para as tripulações dos helicópteros, que transportam um sistema de reboque, a localização exata para resgatar as vítimas. O exercício terminou com a remoção bem-sucedida das pessoas feridas.

Bombeiros da Força Aérea treinam nos Estados Unidos


A formação contínua é uma componente essencial da missão da CAF para ajudar a combater incêndios.

No final de janeiro, 10 membros participaram de um treinamento especial no Centro de Treinamento da Universidade do Texas, em Laredo. Pessoal especializado, como chefes de operações de segurança, chefes dos bombeiros e bombeiros aeronáuticos, participaram do treinamento de 10 dias e adquiriram habilidades fundamentais para enfrentar uma emergência real em caso de um incêndio de avião. As aulas incluíram simulações de incêndios e resgates, além de protocolos internacionais para incêndios em turbinas e aviões.

Laços fortes com a população civil


Ao ajudar a extinguir incêndios, a CAF desenvolveu um relacionamento próximo com a população civil.

Também ajudou a população civil de várias outras maneiras, de acordo com o coronel da reserva Michel Martínez Poinsenet, do setor de Inteligência Militar do Exército colombiano e membro do capítulo Colômbia da Rede de Segurança e Defesa da América Latina (RESDAL).

“Um exemplo disso é Grupamento Aéreo Leste, que desde 1996 (em Marandúa, Vichada), constrói estações de tratamento de águas residuais, usinas de água potável, instalações de engarrafamento de água, estações de gestão de resíduos sólidos, liderou campanhas de conscientização pública e o Projeto Marandúa”, disse o coronel Martínez Poinsenet. O Projeto Marandúa concentra-se na produção e uso do ar, água e alimentos.

A CAF também ajuda a população civil, ajudando a preservar e proteger o meio ambiente.

Por exemplo, os membros da base aérea ajudam a recolher o lixo e materiais recicláveis em vários locais ecologicamente importantes. O pessoal da Força Aérea também participa de discussões trimestrais e campanhas de conscientização ambiental sobre temas como aquecimento global, cuidado e proteção do meio ambiente, reflorestamento, como economizar água e usá-la de forma eficiente e a prevenção do tráfico ilegal de espécies controladas.

A Força Aérea “continua a desenvolver projetos significativos em ciência e tecnologia para desenvolver aeronaves multimissão e outros projetos de manutenção, não só para a defesa, mas também para a integração nacional através da indústria aeronáutica”, disse Martínez Poinsenet.




A Força Aérea colombiana (CAF) está desempenhando um papel importante no combate aos incêndios florestais em todo o país.

Os incêndios ocorreram em quase 80% do país e destruíram milhares de hectares, principalmente vegetação virgem e florestas naturais, de acordo com autoridades. Algumas regiões são particularmente suscetíveis a incêndios por causa do fenômeno climático conhecido como El Niño, que pode provocar mais calor e seca do que as condições habituais em diferentes partes do mundo.

Desde o início de janeiro, a CAF opera com os bombeiros, o Exército Nacional colombiano, a Polícia Nacional, a Cruz Vermelha, a Defesa Civil, a Unidade de Gestão de Riscos e os municípios para debelar incêndios florestais nos estados de Antioquia, Cundinamarca, Boyacá, Santander, Risaralda e Magdalena.

A CAF utiliza uma variedade de equipamentos para ajudar a extinguir incêndios florestais, como uma piscina artificial com capacidade para armazenar 38 mil litros de água com produtos químicos retardantes para extinguir incêndios. Seus pilotos de helicóptero também utilizam um carregador de água conhecido como “Bambi Bucket”, que pode armazenar 900 litros para despejar sobre as chamas.

Operações anteriores da FAC ajudam a apagar incêndios


A CAF tem desempenhado um papel importante nos esforços para extinguir incêndios florestais na Colômbia nos últimos anos.

Em janeiro, a Força Aérea enviou helicópteros do Quinto Comando de Combate Aéreo para enfrentar dois dos mais perigosos e ativos incêndios já registrados no país no estado de Boyacá. O Exército, a Polícia Nacional, a Defesa Civil, e outros órgãos também cooperaram no combate aos incêndios em Boyacá, usando o Sistema Nacional de Prevenção e Resposta a Desastres.

A CAF também ajudou a extinguir outro incêndio abrangendo cerca de 100 hectares no estado de Boyacá em outubro. Eles atenderam ao pedido do prefeito Pablo Solano e protegeram as fontes de água potável do município de Floresta.

Da mesma forma, em março de 2014, eles responderam rapidamente a incêndios florestais ocorridos no município de Malambo, no estado de Atlántico. Lá, os ventos fortes espalharam o fogo rapidamente.

Comandantes da CAF enviaram um helicóptero UH-60 Black Hawk, que podia transportar 600 litros de água em um “Bambi Bucket”. As fontes de água nas proximidades eram muito rasas para utilizar o “Bambi Bucket” de forma eficaz. Por isso, o comandante do Terceiro Comando de Combate Aéreo, na época, o Coronel David Barrero Barrero, enviou uma aeronave C-95 com uma piscina portátil de 5.000 litros que poderia ser enchida por um reabastecedor.

Força Aérea treina com bombeiros


Além de ajudar a combater incêndios, a Força Aérea treina bombeiros civis.

Por exemplo, no início de fevereiro, o Quarto Comando de Combate Aéreo treinou um grupo de bombeiros voluntários do estado de Cundinamarca em técnicas para orientar a aeronave que apoiaria missões no solo com foco em aumentar os esforços em caso de incêndios florestais, desastres naturais ou catástrofes.

Os quatro dias de treinamento incluíram aulas teóricas sobre meteorologia, cartografia, gestão de risco, equipamentos de resgate, sistemas de extinção de incêndio e perigos durante emergências. As aulas foram uma introdução para exercícios práticos realizados na Base Aérea Luis F. Pinto em Melgar, no estado de Tolima.

Bombeiros voluntários de municípios, incluindo Nilo, Tocaima, Anapoima, La Mesa, Mosquera e Bogotá, participaram de um exercício envolvendo um incêndio florestal simulado em que os bombeiros orientaram um helicóptero equipado com um “Bambi Bucket”. Durante o exercício de treinamento, o piloto lançou água dos “Bambi Bucket” quatro vezes, usando coordenadas específicas.

O segundo exercício envolveu o resgate de pessoas presas por incêndios florestais. O exercício simulava o resgate de pessoas de uma área de difícil acesso. Os bombeiros precisavam sinalizar para as tripulações dos helicópteros, que transportam um sistema de reboque, a localização exata para resgatar as vítimas. O exercício terminou com a remoção bem-sucedida das pessoas feridas.

Bombeiros da Força Aérea treinam nos Estados Unidos


A formação contínua é uma componente essencial da missão da CAF para ajudar a combater incêndios.

No final de janeiro, 10 membros participaram de um treinamento especial no Centro de Treinamento da Universidade do Texas, em Laredo. Pessoal especializado, como chefes de operações de segurança, chefes dos bombeiros e bombeiros aeronáuticos, participaram do treinamento de 10 dias e adquiriram habilidades fundamentais para enfrentar uma emergência real em caso de um incêndio de avião. As aulas incluíram simulações de incêndios e resgates, além de protocolos internacionais para incêndios em turbinas e aviões.

Laços fortes com a população civil


Ao ajudar a extinguir incêndios, a CAF desenvolveu um relacionamento próximo com a população civil.

Também ajudou a população civil de várias outras maneiras, de acordo com o coronel da reserva Michel Martínez Poinsenet, do setor de Inteligência Militar do Exército colombiano e membro do capítulo Colômbia da Rede de Segurança e Defesa da América Latina (RESDAL).

“Um exemplo disso é Grupamento Aéreo Leste, que desde 1996 (em Marandúa, Vichada), constrói estações de tratamento de águas residuais, usinas de água potável, instalações de engarrafamento de água, estações de gestão de resíduos sólidos, liderou campanhas de conscientização pública e o Projeto Marandúa”, disse o coronel Martínez Poinsenet. O Projeto Marandúa concentra-se na produção e uso do ar, água e alimentos.

A CAF também ajuda a população civil, ajudando a preservar e proteger o meio ambiente.

Por exemplo, os membros da base aérea ajudam a recolher o lixo e materiais recicláveis em vários locais ecologicamente importantes. O pessoal da Força Aérea também participa de discussões trimestrais e campanhas de conscientização ambiental sobre temas como aquecimento global, cuidado e proteção do meio ambiente, reflorestamento, como economizar água e usá-la de forma eficiente e a prevenção do tráfico ilegal de espécies controladas.

A Força Aérea “continua a desenvolver projetos significativos em ciência e tecnologia para desenvolver aeronaves multimissão e outros projetos de manutenção, não só para a defesa, mas também para a integração nacional através da indústria aeronáutica”, disse Martínez Poinsenet.
Share