Chile: Polícia prepara grande operação antidrogas

Chilean Police prepare to launch major initiative against microtrafficking

Por Dialogo
outubro 08, 2014



A polícia chilena se prepara para lançar em outubro uma grande iniciativa de segurança para combater o microtráfico em todo o país.
O Plano Microtráfico Zero (MTO), um componente essencial do Plano Nacional de Segurança anunciado em junho pela presidente chilena. Michelle Bachelet, terá como alvo as ruas onde operam os microtraficantes. Essas ruas foram selecionadas com base em um estudo da Polícia de Investigações do Chile (PDI), que identificou 2.000 áreas em 100 bairros onde os microtraficantes vendem pequenas quantidades de cocaína, maconha e outras drogas ilegais. O objetivo é atingir uma redução de 10% no número de locais onde operam traficantes até o final de 2014.

Microtráfico degrada os bairros

A venda de drogas prejudica a qualidade de vida nos bairros, disse Patricio Bustos, chefe de gabinete do município de Conchali, com 120.000 habitantes, na Grande Santiago.
“Os bairros vivem um grave processo de degradação. Os jovens deixam a escola para entrar no microtráfico, seja como microtraficantes ou consumidores.”
O consumo de drogas é uma das três principais causas de crime no Chile, segundo a Pesquisa de Segurança Urbana Nacional (ENUSC 2013), realizada pelo Ministério do Interior e Segurança Pública.
Todo ano, a polícia chilena prende cerca de 85.000 pessoas por crimes relacionados às drogas. Cerca de 74% das prisões são por porte de drogas, outros 13% são por microtráfico e 13% por tráfico de drogas.

Centenas de detetives vão investigar o microtráfico

Para enfrentar o problema, a PDI também destinar 400 detetives para a iniciativa MTO. Esses detetives farão parte de 98 policiais de policiais no país dedicadas a combater a venda de drogas em pequenas quantidades. Eles serão responsáveis por identificar áreas específicas onde os microtraficantes operam, investigar e prender indivíduos que vendem drogas nos bairros.
“Queremos devolver a segurança aos bairros”, disse o vice-prefeito Alfredo Espinoza, chefe de pessoal da Diretoria Nacional da PDI. “O microtráfico tem relação com outras grandes organizações do narcotráfico e, muitas vezes, é o caminho para que se cometam outros crimes, como roubo, violência, abuso e homicídio.”
Outro aspecto da MTO envolve pedir o auxílio de organizações civis e membros da comunidade para denunciar atividades criminosas. As pessoas pode dar dicas anônimas caso se preocupem com as retaliações dos criminosos.
“As pessoas têm medo de denunciar devido a represálias. À medida em que ganharem confiança no trabalho da polícia, isso mudará”, disse Bustos.
É uma boa medida se em uma outra frente de trabalho se combater os cartéis, grandes distribuidores de drogas e o tráfico transnacional, pois impedindo apenas combatendo o microtráfico estaremos trabalhando na consequência, no fim da cadeia criminal. Há necessidade de estudos de causa x efeito para supressão dos problemas em cada realidade. A estratégia de repressão ao microtráfico, ou melhor, o tráfico de pequenas quantidades de droga, deve ser abordada em uma variedade de maneiras.
Apenas um aspecto é a repressão ao crime em questão, no entanto, existem outros fatores estruturais que, se não forem tratadas em conjunto, podem levar ao fracasso dessas iniciativas.
Sabe-se que há anos que o Ministério Público do Chile têm trabalhado sob uma política de repressão do tráfico de pequenas quantidades na forma de "tráfico urbano", que afeta seriamente a nossa sociedade e, sobretudo, os setores mais vulneráveis ​​onde a droga que causa o maior dano para a saúde pública é a pasta de cocaína. O trabalho realizado pela entidade responsável pela investigação tem sido frutífero, no entanto, parece que a resposta do Estado como um todo é necessária para lidar com a questão profundamente.
Isso significa que os órgãos administrativos do Estado, e não apenas a polícia, devem atacar o fenómeno de uma forma coordenada de modo que uma vez que um setor previamente identificado foi abordado, é o Estado que deve imediatamente assumiros setores de novo, que tinha sido dominado por aqueles que trabalham nessa área. Isso significa cuidar dos problemas que permanecem após a intervenção da polícia. Os menores cujos pais foram presos, casas abandonadas tomadas para vender drogas, etc Notícias muito boas, que bom Pessoalmente, gostaria de dar meu apoio à luta contra os bandidos que dia após dia nos deixam sem familiares e sem qualquer desejo de seguir em frente com honestidade. No entanto, começando com a política que ajuda a financiá-los, isso nunca vai acabar. Então, guardem forças para cuidar de suas famílias e dê-lhes alegria já que os bandidos já estão no poder e ninguém vai tirá-los de lá. É UMA INICIATIVA VALIOSA, MAS EM LONGO PRAZO É INEFICAZ, ENQUANTO A ATENÇÃO SÓ É VOLTADA PARA OS RAMOS, O TRONCO CONTINUARÁ SE FORTALECENDO. AAH, É UMA HISTÓRIA QUE NUNCA TERMINA. Política muito boa, mas antes deveriam ir até as raízes e não apenas nos ramos. Essa medida é muito boa, mas também é preciso limpar as forças e os poderes que estão contaminados. MUDEM ESSE LIXO. PUBLIQUEM NOTÍCIAS ATUALIZADAS.
Share