Chile adquire veículos para agilizar resposta perante catástrofes

Chile Purchases Vehicles to Expedite Disaster Response

Por Carolina Contreras/Diálogo
maio 15, 2017

O Exército do Chile realizou a maior renovação de seu parque automotriz de campanha ao incorporar 313 caminhões multisserviços novos e modernos que terão uma vida útil de 15 a 20 anos. Os veículos estarão destinados a melhorar a capacidade de resposta perante catástrofes naturais e de deslocamento de ajuda em operações de paz fora do Chile. “Fenômenos imprevisíveis podem continuar acontecendo. Diante disso, o único a fazer é melhorar e refinar a capacidade de resposta das instituições”, disse a presidente Michelle Bachelet no dia 10 de março, durante a cerimônia oficial de apresentação dos veículos. Ela destacou que o investimento é “necessário para o Exército chileno, não apenas para as tarefas de defesa, mas também para apoiar em situações que afetem o país”. “[Com os veículos antigos], estávamos tendo problemas de confiabilidade, disponibilidade, obsolescência tecnológica e do deslocamento adequado da força terrestre”, disse à Diálogo o Tenente-Coronel Raúl Rosas, chefe da seção de Comunicações do Exército. Os novos transportes, que significaram um investimento de US$ 79 milhões, fazem parte dos projetos “Alfil” e “Cahuelmó” e foram construídos para substituir os veículos de campanha de todas as unidades de armas combinadas do Exército que tinham entre 25 e 30 anos de vida útil. De fato, foi a própria mandatária quem deu prioridade máxima aos dois projetos em março de 2015, depois da inundação que afetou a região de Atacama, no norte do país. Em uma visita à região, ela verificou o trabalho das Forças Armadas, “constatando que nossos veículos não estavam cumprindo seu objetivo como deveriam”, disse à Diálogo o Coronel Claudio Orellana, da Direção de Projetos e Pesquisa do Exército do Chile, em relação ao projeto “Alfil”. Por sua parte, o projeto “Cahuelmó” vinha sendo desenvolvido desde 2010, depois do terremoto que devastou o país. Este projetotambém incluiu a aquisição de máquinas e veículos táticos para os batalhões de engenheiros do Exército. “É a renovação mais importante dos últimos anos, equivalente a 15 por cento do total nacional de veículos institucionais”, disse o Cel Orellana. Meios de múltiplas finalidades A escolha dos 313 veículos de campanha foi determinada por suas capacidades operacionais no transporte de carga, pessoas e para concentrar meios e levá-los a áreas de segurança. Foram testados em cenários geográficos complexos, como nos planaltos do norte e do extremo sul do Chile. Assim, o projeto “Alfil” adquiriu 278 caminhões Mercedes-Benz, divididos em 138 modelos UNIMOG 4000, 134 unidades ATEGO N1023 4K e seis modelos ZETROS 1833 de tonelagem baixa, média e alta, respectivamente. Os veículos 6x6 de última geração têm tração integral, tração reduzida e bloqueio diferencial, propriedades que dão aderência ao solo e grande estabilidade, independentemente da carga. Esses veículos podem deslocar-se em terrenos com neve, inundados ou pedregosos e possuem a tecnologia que o mercado internacional exige para a emissão de gases ou para a norma do combustível que utilizam. Entretanto, o projeto “Cahuelmó” concretizou a compra de 35 caminhões Mercedes-Benz, entre caminhões de descarga Actros modelo 2632 6x6, modelo 3344 para transportar máquinas e caminhões Zetros 1833, além da aquisição de 154 máquinas de engenharia, como escavadeiras, carregadeiras frontais, motoniveladoras, retroescavadeiras 4x4, compactadores, trituradores e compressores com ferramentas hidráulicas. Essas máquinas estão destinadas a trabalhos rodoviários de construção e/ou reparos de estradas e pontes, entre outras operações que os batalhões de engenheiros do Exército realizam em todo o território nacional. Com essas novas aquisições, “o Exército atribuiu uma nova dimensão com vários objetivos nos investimentos e na renovação desse material”, disse o Cel Orellana, pois permitirá cumprir de forma adequada as missões dispostas nas três áreas estratégicas da instituição (defesa, segurança e cooperação internacional e Exército e sociedade). “Podemos desenvolver, preparar e sustentar uma força terrestre com ampla capacidade para realizar de forma eficaz operações militares que não estejam relacionadas com a guerra”, reforçou o Ten Cel Rosas. Durante o mês de abril, os militares encarregados de dirigir os novos caminhões e o pessoal que fará sua manutenção receberam capacitação teórica e prática. Concluída essa etapa, os veículos foram liberados para seu uso. Vale ressaltar que os novos veículos têm a mesma origem de fabricação que os antigos, já afastados, o que permite a continuidade dos processos de manutenção, capacitação e capacidade conseguidas pelos militares. Unidades beneficiadas Atualmente, todos os veículos estão disponíveis nas 34 unidades de armas combinadas do Exército, posicionadas desde Arica, ao norte, até a Ilha Grande de Tierra del Fuego, no sul. A distribuição do número de caminhões em cada unidade dependeu das características particulares e das áreas de utilização previamente analisadas. Assim, na Escola de Artilharia do Exército na VII Região, por exemplo, 15 caminhões táticos 4x4 foram reformados. Os veículos retirados de operação, de acordo com as normas institucionais, são removidos pelo Exército chileno com todos os seus apetrechos para serem desmilitarizados. Posteriormente, são leiloados. O dinheiro arrecadado é destinado à manutenção das novas unidades. Para 2017, o Exército já tem pronto seu planejamento anual de instruções para a tropa profissional ou para os soldados recrutados, atividades para as quais os novos caminhões estão funcionando nas diferentes unidades da instituição. “Contamos com um material confiável, moderno e que dá segurança ao Chile”, concluiu o Cel Orellana.
Share