América Central destrói pistas de pouso clandestinas em repressão contra as drogas

Central America Destroys Clandestine Airstrips in Anti-Drug Crackdown

Por Dialogo
julho 01, 2013



Honduras planeja destruir pelo menos 30 pistas de pouso clandestinas em julho como parte de uma repressão ao contrabando de drogas, disse aos jornalistas o general René Osorio, chefe das Forças Armadas de Honduras, em 10 de junho em Tegucigalpa.
O porta-voz do Exército, Jeremias Arevalo, afirmou no dia seguinte que “a destruição dessas pistas é o quinto passo da Operação Martillo, e conseguiremos realizá-lo graças aos esforços dos grupos de inteligência que operam nacionalmente, tanto em terra quanto no ar, em voos que nos permitiram localizar tais pistas”.
“Esperamos que isso enfraqueça a capacidade dos traficantes de drogas,” disse Arevalo sobre a Operação Martillo, um esforço multinacional cujo alvo são criminosos que usam aviões e barcos para contrabandear drogas para a América Central e, depois, para o México e Estados Unidos.
Até 87% de todos os voos transportando cocaína que saem da América do Sul param primeiro em Honduras, segundo o mais recente Relatório Estratégico de Controle Internacional de Narcóticos (INCSR) do Departamento de Estado dos EUA, publicado em março – tornando Honduras um país importante para trânsito de drogas.
“A região costeira do Atlântico Norte de Honduras é uma área de pouso importante para os voos que transportam drogas. A região é vulnerável ao tráfico de entorpecentes por ser remota, ter uma infraestrutura limitada, não dispor da presença do governo e possuir instituições policiais deficientes”, diz o relatório.

Guatemala também está destruindo ‘narcopistas’

No ano passado, as autoridades hondurenhas destruíram mais de 70 pistas de pouso clandestinas, conhecidas em espanhol como “narcopistas”.Eles também apreenderam 5.000 kg de cocaína e aproximadamente 20.000 kg de pseudoefedrina, usada na fabricação de pílulas de ecstasy. Arevalo disse que as unidades militares agora estão se preparando para destruir todas as pistas de pouso recém-identificadas, mas, por razões de segurança, não revelou a sua localização.
A vizinha Guatemala também luta para rastrear aviões carregados de drogas com destino ao México ou aos Estados Unidos. A Organização dos Estados Americanos (OEA), em um relatório de maio de 2013 sobre a questão, disse que a Guatemala já perdeu 40.000 hectares de floresta tropical por causa da construção ilegal de pistas de pouso usadas principalmente para contrabando de drogas.
As pistas de pouso clandestinas foram encontradas em sítios arqueológicos maias, que deveriam ser protegidos, de acordo com reportagens da mídia. No ano passado, as autoridades guatemaltecas destruíram 15 pistas de pouso no departamento de Petén, uma região ao norte do país com população escassa que cobre um terço da área territorial da Guatemala, mas abriga apenas 600.000 dos seus 15 milhões de habitantes.
Os padrões de transporte de cocaína por toda a região também estão mudando, disse a OEA. Enquanto a maioria da cocaína que sai da Venezuela em direção à Europa ou Estados Unidos ainda é transportada de navio, a importância das rotas aéreas está crescendo – especialmente através da América Central e do Caribe.

Costa Rica e México tomam medidas contra voos de drogas

O estudo do INCSR também observou que, mais ao sul, na Costa Rica, uma Guarda Costeira sem recursos suficientes faz com que o litoral do país seja uma zona de aterrissagem atraente para os contrabandistas.
“Barcos de pesca de bandeira costa-riquenha continuam sendo usados pelos traficantes para contrabandear carregamentos de múltiplas toneladas de drogas pelos litorais e fornecer combustível para as lanchas que preferem as rotas do Pacífico”, denuncia o relatório, acrescentando que uma prática comum dos traficantes é transportar as drogas em caminhões e outros veículos que estejam se dirigindo ao norte pela Rodovia Pan-Americana.
Enquanto isso, no estado de Sonora, no nordeste do México, as autoridades destruíram 127 pistas de pouso clandestinas no ano passado, de acordo com a Secretaria de Defesa Nacional (SEDENA) do país. As autoridades disseram que membros do crime organizado também usam as largas rodovias de Sonora para pousar seus aviões.
As autoridades hondurenhas calculam que 80% das drogas que passam por Honduras são transportadas por mar e os 20% restantes por terra ou ar.
“Uma de nossas preocupações é que mais e mais carregamentos agora parecem vir pelo mar”, ressalta Arevalo. “Vimos que pararam de transportar tanto por via aérea e agora estão se voltando para o mar, usando embarcações subaquáticas, como os narcossubmarinos. Precisamos trabalhar constantemente para ficarmos a par de qual tipo de embarcação estão usando, mas fazemos isso todos os dias porque as Forças Armadas estão totalmente comprometidas em erradicar todas as atividades criminosas.”
Share