Força Nacional do Brasil garante segurança durante Jogos Olímpicos

Brazil’s National Force to Ensure Safety during Olympic Games

Por Dialogo
março 24, 2016




Formada por cerca de 15 mil policiais militares e bombeiros de grupos de elite dos estados, a Força Nacional de Segurança Pública foi criada em 2004, como medida de segurança visando aos Jogos Pan-Americanos Rio 2007. Nos Jogos Olímpicos Rio 2016, a Força Nacional será a responsável pela segurança pública dentro das instalações onde serão realizadas as competições.

Com 9.613 dos seus homens e mulheres em ação durante o evento, essa força especial fará a proteção de atletas, autoridades e público presente, coordenando desde a revista nos pórticos de entrada, a vistoria dos locais e segurança das medalhas até pelotões especializados de pronta-resposta e esquadrões antibombas. Em caso de ameaça terrorista, por exemplo, a primeira resposta será da Força Nacional, mas, se houver uma evolução para um ato terrorista,
Polícia Federal e Exército serão acionados.

Desde os Jogos Pan-Americanos Rio 2007, a Força Nacional atuou em diversos grandes eventos, como a Rio+20, em 2012; a Jornada Mundial da Juventude, em 2013; a Copa das Confederações, em 2013; e a Copa do Mundo, em 2014. “A gente veio numa crescente. Nós chegamos aos Jogos Olímpicos com procedimentos operacionais padrão, já se sabe automaticamente o que fazer”, diz a secretária nacional de Segurança Pública, Regina De Luca Miki.

Ajustes finais


As autoridades de segurança realizam os últimos ajustes nos eventos de teste para as Olimpíadas. O primeiro a contar com a participação da Força Nacional foi o de saltos ornamentais, em fevereiro. Entre 16 e 24 de abril, seus integrantes estarão presentes no evento-teste de ginástica artística. Por fim, entre 17 e 21 de maio, a Força Nacional chega para o de atletismo paralímpico e permanece na cidade até o fim dos Jogos. Todos os seus policiais se hospedarão no Vila Carioca, um empreendimento novo do “Minha Casa, Minha Vida” – programa que financia casas populares com prestações acessíveis. O empreendimento, que foi cedido pelo governo federal para a hospedagem dos integrantes da Força Nacional durante a Rio 2016, será entregue à população depois dos Jogos, que serão realizados entre 5 e 21 de agosto.

O local fica ao lado do Parque Olímpico da Barra da Tijuca, que concentra a maior parte das instalações esportivas. “Mas atuaremos também nas arenas de Deodoro e nas áreas do Maracanã e Copacabana”, explica Miki. “Trazemos a experiência de outros grandes eventos, mas não temos uma experiência olímpica. Por isso, nos atualizamos a partir da vivência dos países que receberam os Jogos e outros grandes eventos esportivos recentemente. Além da Copa, que foi aqui e onde atuamos, tivemos representantes em Londres, no Pan de Toronto, eu mesma fui ao Campeonato Mundial de Atletismo na China.”

Cooperação das forças de segurança


O trabalho da Força Nacional é integrado com o de outras forças. A Polícia Rodoviária Federal, por exemplo, é responsável pela segurança dos atletas e delegações nos traslados entre um local e outro. Polícia Militar, Civil, Corpo de Bombeiros e Forças Armadas, entre outros, também têm suas atribuições.

“Não faremos segurança de rua e, sim, interna nas instalações”, afirma Miki, lembrando que todo o equipamento adquirido ficará como legado para o país. “Os pórticos de detecção de metais, por exemplo, serão entregues para as penitenciárias após o fim do evento. E os armamentos de precisão e os equipamentos de proteção pessoal, como escudo, capacete e colete, ficarão para a própria Força Nacional.”

Atualmente, a Força Nacional realiza 43 operações em 15 estados brasileiros. Faz desde reforço para a Polícia Federal em áreas de fronteira até proteção de populações em terras indígenas, passando por suporte na resolução de homicídios e ocupação de áreas conflagradas, como o Morro Santo Amaro, no Catete, Zona Sul do Rio de Janeiro. Cerca de 6.000 desses policiais permanecerão em suas atividades diárias durante os Jogos, enquanto os outros 9.613 serão deslocados para a segurança do evento.
Os comentários são muito importantes diante da dinâmica dos novos tempos. Todos deveríamos colaborar para combater os flagelos que assolam nossa sociedade.
Share