Exército da Bolívia e Polícia Nacional erradicam grandes quantidades de coca ilegal

Por Dialogo
março 31, 2015



Desde 1º de janeiro, o Exército da Bolívia e a Polícia Nacional erradicaram 960 hectares de coca ilegal que teria sido utilizada para produzir cocaína, afirmou em março Felipe Cáceres, vice-ministro de Defesa Social e Substâncias Controladas da Bolívia.

Os soldados e policiais concentraram seus esforços de erradicação nas regiões tropicais de Yungas e Cochabamba. Eles também estão em busca de plantações ilegais de coca em parques e reservas ecológicas em todo o país para evitar que os recursos naturais bolivianos sejam explorados pelos narcotraficantes.

Na Bolívia, agricultores que trabalham para organizações narcotraficantes cultivaram 23.000 hectares de coca em 2013, o menor número de hectares utilizados para esse fim desde 2002, de acordo com o Conselho Internacional de Controle de Narcóticos. A Bolívia cultiva quantidades limitadas de coca para fins legais, como uso em chás, medicamentos e durante os rituais religiosos andinos.

Exército Nacional colombiano destrói quatro laboratórios de cocaína


O Batalhão de Infantaria Nº 47 da Unidade General Francisco de Paula Vélez do Exército Nacional colombiano destruiu dois laboratórios de cocaína pertencentes às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e outros dois que eram operados pelo Clã Úsuga.

A unidade militar, que faz parte da 17ª Brigada do Exército, apreendeu 88 kg de folhas de coca picadas, 1.476 litros de gasolina e 171 kg de ureia, entre outros produtos e equipamentos. Cada laboratório tinha capacidade para produzir mais de 80 kg de cocaína por mês. Por isso, as operações representaram um duro golpe nas finanças das FARC e do Clã Úsuga, já que cada quilo de cocaína valeria cerca de 80 milhões de pesos colombianos (cerca de US$ 31.551 dólares).

O Exército não informou os nomes dos três suspeitos capturados durante as operações. Três dos laboratórios ficavam no estado de Chocó, enquanto o outro ficava no estado de Antioquia.


Desde 1º de janeiro, o Exército da Bolívia e a Polícia Nacional erradicaram 960 hectares de coca ilegal que teria sido utilizada para produzir cocaína, afirmou em março Felipe Cáceres, vice-ministro de Defesa Social e Substâncias Controladas da Bolívia.

Os soldados e policiais concentraram seus esforços de erradicação nas regiões tropicais de Yungas e Cochabamba. Eles também estão em busca de plantações ilegais de coca em parques e reservas ecológicas em todo o país para evitar que os recursos naturais bolivianos sejam explorados pelos narcotraficantes.

Na Bolívia, agricultores que trabalham para organizações narcotraficantes cultivaram 23.000 hectares de coca em 2013, o menor número de hectares utilizados para esse fim desde 2002, de acordo com o Conselho Internacional de Controle de Narcóticos. A Bolívia cultiva quantidades limitadas de coca para fins legais, como uso em chás, medicamentos e durante os rituais religiosos andinos.

Exército Nacional colombiano destrói quatro laboratórios de cocaína


O Batalhão de Infantaria Nº 47 da Unidade General Francisco de Paula Vélez do Exército Nacional colombiano destruiu dois laboratórios de cocaína pertencentes às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e outros dois que eram operados pelo Clã Úsuga.

A unidade militar, que faz parte da 17ª Brigada do Exército, apreendeu 88 kg de folhas de coca picadas, 1.476 litros de gasolina e 171 kg de ureia, entre outros produtos e equipamentos. Cada laboratório tinha capacidade para produzir mais de 80 kg de cocaína por mês. Por isso, as operações representaram um duro golpe nas finanças das FARC e do Clã Úsuga, já que cada quilo de cocaína valeria cerca de 80 milhões de pesos colombianos (cerca de US$ 31.551 dólares).

O Exército não informou os nomes dos três suspeitos capturados durante as operações. Três dos laboratórios ficavam no estado de Chocó, enquanto o outro ficava no estado de Antioquia.
Share