Cooperação bilateral leva a várias apreensões de drogas na Operação MARTILLO

Bilateral Cooperation Leads to Multiple Drug Seizures through Operation MARTILLO

Por Dialogo
dezembro 11, 2014




A Guarda Costeira panamenha e o USS Gary uniram-se para apreender 57 kg de cocaína e 7,5 kg de maconha de uma lancha rápida no litoral da América Central, apoiando a Operação MARTILLO em 16 de novembro.

A interdição conjunta foi feita logo após o pôr do sol, quando um dos helicópteros do USS Gary avistou a embarcação suspeita e transmitiu a posição da lancha à Guarda Costeira panamenha. Os dois convergiram para o barco suspeito e realizaram uma interdição conjunta. Nem a Guarda Costeira panamenha nem a Marinha dos Estados Unidos divulgaram se suas forças efetuaram prisões. Também não foi informado o local exato da operação.

A cooperação bilateral foi decisiva para a interdição.

“Eu coordeno padrões de busca e métodos de recuperação de contrabando com a Guarda Costeira do Panamá”, disse o especialista emoperações Ramiro Moreno, um dos principais tradutores do USS Gary, em nota. “É uma sensação muito boa trabalhar com nossos aliados panamenhos e saber que estamos fazendo a diferença lá fora.”

A Operação MARTILLO é uma missão multinacional para reprimir rotas de tráfico de drogas ilícitas nas águas costeiras ao longo do istmo centro-americano.

A operação, que foi lançada em janeiro de 2012, reúne as forças de 10 países das Américas – Belize, Colômbia, Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua, Panamá, Canadá e Estados Unidos –, além de França, Holanda, Espanha e Reino Unido. Esses países trabalham juntos para combater o tráfico internacional de drogas, aumentar a segurança regional, promover a paz, estabilidade e prosperidade em toda a região do Caribe, da América Central e América do Sul.

As interdições no mar são altamente coordenadas, com as forças de segurança dos países participantes trabalhando em parceria para identificar, parar e realizar buscas em embarcações suspeitas.

“A coordenação necessária para concluir uma interdição de drogas não é pouca coisa”, disse o capitão de fragata Robert Jones, comandante do USS Gary, em nota. “Desde o Centro de Operações Conjuntas, a tripulação do avião de patrulha marítima, a fragata e os [helicópteros] embarcados, tudo tem de se alinhar perfeitamente para encontrar uma agulha em um palheiro. Fico um pouco surpreso cada vez que barramos com sucesso um traficante, mas cada vez que fazemos isso valida o esforço que estamos colocando na missão. Simplesmente, não há melhor indicador de que você está fazendo a diferença do que ver o contrabando sendo colocado a bordo”.

Aproximadamente 90% da cocaína que chega aos Estados Unidos vem através do México e da América Central, de acordo com o Conselho Internacional de Controle de Drogas das Nações Unidas.

Várias interdições de drogas


O USS Gary fez cinco interdições de sucesso nos últimos meses, apreendendo um total de 2.500 kg de cargas de cocaína na costa da América Central.

Oficiais da Marinha dos EUA não divulgaram a localização exata de cada operação ou se foram feitas prisões.

Em 18 de novembro, o USS Gary, um de seus helicópteros, seu barco inflável e um Destacamento Legal da Guarda Costeira dos EUA (LEDET) confiscaram 590 kg de cocaína que tinham sido lançados ao mar pela tripulação de uma lancha rápida.

Oito dias antes, um avião de patrulha marítima da Marinha dos EUA alertou o USS Gary sobre um navio suspeito em uma área conhecida por atividades de narcotráfico no horário do pôr do sol. O helicóptero da Gary, o LEDET e as Operações de Busca e Apreensão Marítima (VBSS) fizeram a interdição, descobrindo 520 kg de cocaína embalados em fardos.

Em 16 de outubro, o USS Gary novamente usou o esquadrão de helicópteros e o LEDET para interditar um navio suspeito descoberto por um avião de patrulha marítima da Marinha dos EUA. Os marinheiros e os agentes do LEDET chegaram a tempo de recuperar os fardos contendo 960 kg de cocaína, que os tripulantes do barco suspeito tinham jogado ao mar.

“A tripulação tem um sentimento de realização ao participar em operações de combate às drogas”, disse o capitão de fragata Steven McDowell, subcomandante do USS Gary, em nota. “Nossa tripulação quer fazer a diferença – e eles estão tendo sucesso!”

Operação MARTILLO produz resultados


Os 14 países parceiros que fazem parte da Operação MARTILLO apreenderam cerca de 14 t de cocaína, avaliadas em US$ 423 milhões e capturaram 55 suspeitos durante 18 interdições separadas no litoral da América Central e do Sul, entre julho e outubro.

Em 2013, forças de segurança na Operação MARTILLO apreenderam 131 t de cocaína, mais de 14.545 kg de maconha e 4 kg de heroína. As forças de segurança na Operação MARTILLO também capturaram 295 suspeitos.

Comandantes militares analisaram a Operação MARTILLO na Conferência de Segurança Regional Centro-Americana (CENTSEC 2014), que foi realizada na Cidade da Guatemala, em abril. Nessa conferência, o general John F. Kelly, chefe do Comando Sul dos EUA (SOUTHCOM), elogiou todos os países por seus esforços.

“A MARTILLO tem sido um sucesso (...) por causa de sua participação, sua liderança e suas parcerias”, disse o general Kelly. “Nós não poderíamos realizá-la sem vocês; e, olhando para o futuro, confiaremos uns nos outros cada vez mais para capitalizar nossas forças nesta luta.”



A Guarda Costeira panamenha e o USS Gary uniram-se para apreender 57 kg de cocaína e 7,5 kg de maconha de uma lancha rápida no litoral da América Central, apoiando a Operação MARTILLO em 16 de novembro.

A interdição conjunta foi feita logo após o pôr do sol, quando um dos helicópteros do USS Gary avistou a embarcação suspeita e transmitiu a posição da lancha à Guarda Costeira panamenha. Os dois convergiram para o barco suspeito e realizaram uma interdição conjunta. Nem a Guarda Costeira panamenha nem a Marinha dos Estados Unidos divulgaram se suas forças efetuaram prisões. Também não foi informado o local exato da operação.

A cooperação bilateral foi decisiva para a interdição.

“Eu coordeno padrões de busca e métodos de recuperação de contrabando com a Guarda Costeira do Panamá”, disse o especialista emoperações Ramiro Moreno, um dos principais tradutores do USS Gary, em nota. “É uma sensação muito boa trabalhar com nossos aliados panamenhos e saber que estamos fazendo a diferença lá fora.”

A Operação MARTILLO é uma missão multinacional para reprimir rotas de tráfico de drogas ilícitas nas águas costeiras ao longo do istmo centro-americano.

A operação, que foi lançada em janeiro de 2012, reúne as forças de 10 países das Américas – Belize, Colômbia, Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua, Panamá, Canadá e Estados Unidos –, além de França, Holanda, Espanha e Reino Unido. Esses países trabalham juntos para combater o tráfico internacional de drogas, aumentar a segurança regional, promover a paz, estabilidade e prosperidade em toda a região do Caribe, da América Central e América do Sul.

As interdições no mar são altamente coordenadas, com as forças de segurança dos países participantes trabalhando em parceria para identificar, parar e realizar buscas em embarcações suspeitas.

“A coordenação necessária para concluir uma interdição de drogas não é pouca coisa”, disse o capitão de fragata Robert Jones, comandante do USS Gary, em nota. “Desde o Centro de Operações Conjuntas, a tripulação do avião de patrulha marítima, a fragata e os [helicópteros] embarcados, tudo tem de se alinhar perfeitamente para encontrar uma agulha em um palheiro. Fico um pouco surpreso cada vez que barramos com sucesso um traficante, mas cada vez que fazemos isso valida o esforço que estamos colocando na missão. Simplesmente, não há melhor indicador de que você está fazendo a diferença do que ver o contrabando sendo colocado a bordo”.

Aproximadamente 90% da cocaína que chega aos Estados Unidos vem através do México e da América Central, de acordo com o Conselho Internacional de Controle de Drogas das Nações Unidas.

Várias interdições de drogas


O USS Gary fez cinco interdições de sucesso nos últimos meses, apreendendo um total de 2.500 kg de cargas de cocaína na costa da América Central.

Oficiais da Marinha dos EUA não divulgaram a localização exata de cada operação ou se foram feitas prisões.

Em 18 de novembro, o USS Gary, um de seus helicópteros, seu barco inflável e um Destacamento Legal da Guarda Costeira dos EUA (LEDET) confiscaram 590 kg de cocaína que tinham sido lançados ao mar pela tripulação de uma lancha rápida.

Oito dias antes, um avião de patrulha marítima da Marinha dos EUA alertou o USS Gary sobre um navio suspeito em uma área conhecida por atividades de narcotráfico no horário do pôr do sol. O helicóptero da Gary, o LEDET e as Operações de Busca e Apreensão Marítima (VBSS) fizeram a interdição, descobrindo 520 kg de cocaína embalados em fardos.

Em 16 de outubro, o USS Gary novamente usou o esquadrão de helicópteros e o LEDET para interditar um navio suspeito descoberto por um avião de patrulha marítima da Marinha dos EUA. Os marinheiros e os agentes do LEDET chegaram a tempo de recuperar os fardos contendo 960 kg de cocaína, que os tripulantes do barco suspeito tinham jogado ao mar.

“A tripulação tem um sentimento de realização ao participar em operações de combate às drogas”, disse o capitão de fragata Steven McDowell, subcomandante do USS Gary, em nota. “Nossa tripulação quer fazer a diferença – e eles estão tendo sucesso!”

Operação MARTILLO produz resultados


Os 14 países parceiros que fazem parte da Operação MARTILLO apreenderam cerca de 14 t de cocaína, avaliadas em US$ 423 milhões e capturaram 55 suspeitos durante 18 interdições separadas no litoral da América Central e do Sul, entre julho e outubro.

Em 2013, forças de segurança na Operação MARTILLO apreenderam 131 t de cocaína, mais de 14.545 kg de maconha e 4 kg de heroína. As forças de segurança na Operação MARTILLO também capturaram 295 suspeitos.

Comandantes militares analisaram a Operação MARTILLO na Conferência de Segurança Regional Centro-Americana (CENTSEC 2014), que foi realizada na Cidade da Guatemala, em abril. Nessa conferência, o general John F. Kelly, chefe do Comando Sul dos EUA (SOUTHCOM), elogiou todos os países por seus esforços.

“A MARTILLO tem sido um sucesso (...) por causa de sua participação, sua liderança e suas parcerias”, disse o general Kelly. “Nós não poderíamos realizá-la sem vocês; e, olhando para o futuro, confiaremos uns nos outros cada vez mais para capitalizar nossas forças nesta luta.”
Acho bom o que estão fazendo É admirável o sucesso da Operação Martillo na busca de contrabando de drogas ilegais, mas eles não punem aqueles que cultivam coca, etc., nem lhes mostram que aquilo é ruim. Eles deveriam começar acabando com esses plantios. Droga, de acordo com o dicionário, é uma solução de dois ou mais elementos. Muito bom. É bom que eles armem ciladas para esses criminosos depravados, porque é por culpa é deles que não há paz no mundo. Se os Estados Unidos não são os únicos a fazer [ilegível] quem mais vai fazer? Sim, isto é bom. A Sra. Cabal vai estar muito aborrecida carregando em sua carteira a imagem de Garcia Marquez impressa nas novas cédulas. Muito bom Onde eu posso levá-lo com urgência para que saia no noticiário hoje à noite? Uma jovem, 15 anos, que foi retirada do Transmilenio (transporte rápido) Eu não sei como, porque ela estava com seus pais. Eu sei sobre esta notícia porque chegou a mim pelo Whatsapp uma foto dela e um relato de uma amiga minha, que a conhece, e ela está nos pedindo para ajudar a encontrá-la. Minhas informações de contato abaixo para lhe enviar a foto recente.
Alfredo Diaz 3212410441 Queremos mais patrulhas em nossa cidade ou no departamento que nos rodeia. O que eles estão fazendo é bom, mas realmente eles devem fazê-lo porque há muita corrupção e se eles realmente o fazem parabéns Que coisa feia Cordiais saudações.
Eu preciso saber, se vocês considerariam isso. Se o meu comentário enviado em 1º de janeiro deste ano, intitulado COMEÇANDO O ANO. Se ele foi aprovado para ser publicado na seção Comentários dos Leitores do Colombiano. Deus lhes pague. O exército deve ser melhor treinado para acabar com este flagelo do terrorismo para que o Peru possa ser um país pacífico e ter mais desenvolvimento e mais apoio financeiro para os professores, porque a base de tudo é a educação. Parabéns, temos de acabar com o tráfico de drogas também. Porque eu gosto das notícias bem-relatadas e das coisas que se deve saber. Obrigado Bom dia, eu acho isso realmente ótimo porque a corrupção aqui na Colômbia começa dentro de nosso exército. Gente que passa anos se preparando para todos esses tipos de guerra e participando de forças especiais, ganham com sanções e em batalhões de pátio, é a pior coisa é que saem despreparados para a vida civil, com os olhos vendados. Os soldados, pelo menos, é treinado durante um ano no SENA. O exército se esquece dos reformados disponíveis se tem uma boa aposentadoria, jamais se lembram de perguntar a quem nos serviu durante anos o que lhes aconteceu. Entrei na instituição quando eu tinha 17 anos e eu saí quando eu tinha 45. Isso não importa aos generais que não se preocupam com isso, já que eles saem com um bom dinheiro, com uma boa pensão e escolta. ESTA OPERAÇÃO É MUITO BOA, PODE-SE DIZER QUE ESTÁ TENDO UM RESULTADO POSITIVO, MAS HONDURAS TAMBÉM PRECISA DE APOIO DANDO-LHE ACESSO A PLATAFORMAS DE RADAR PARA REFORÇAR O ESQUADRÃO AÉREO NA LUTA CONTRA O TRÁFICO DE DROGAS. Muito interessante que nos mantenham atualizados sobre as notícias. Muito obrigado e parabéns. Muito boa a aliança entre esses países para derrotar o narcotráfico que tantos danos faz à humanidade. porque gosto das notícias bem explicadas e das coisas que vocês devem saber. Obrigado. EXCELENTE PUBLICAÇÃO É bom saber que a luta é mundial e que os 14 países serão mais países porque este flagelo não pode derrotar a humanidade. Parabenizo vocês e minha família está feliz por saber que a humanidade unida jamais será vencida pelos criminosos de nossa infância e sofrimento de nossos pais. Obrigado heróis da saúde, da economia e do bem-estar do mundo são. O trabalho da PNP (Polícia Nacional do Panamá) melhora a cada dia. Parabéns. Gostaria de parabenizar a direção desse tipo de operação, bem como cada um dos elementos que compõem as unidades de elite, sigam em frente e que Deus os abençoe. muito bom parabéns algo bom Estou muito feliz. Eu sou peruana, eles finalmente tomaram o controle deste mal terrível que são as drogas.

PARABÈNS É uma maneira de ver as notícias do dia no nosso país. E, dessa forma, nos informamos. Esta luta contra o tráfico de drogas é uma grande coisa, deveria haver sanções mais duras contra governos que negociaram com narcos perdoados, deixando essa geração de criminosos nas ruas, que muitas vezes se aproveitam de pessoas ingênuas e em dificuldades financeiras, levando-os a se envolver neste flagelo. Não pode ser que esse tipo de governo, como o último no Peru, continue impune, cúmplice com o Poder Judiciário. Em outros países, isso é punido até com a pena de morte. A ONU deve sancionar os países dirigidos por esses políticos corruptos, que envenenam a juventude do mundo.

Eu sei que eu serei vítima de ameaças, devido às minhas críticas constantes a este governo corrupto, mas se algo acontecer a mim ou à minha família, vocês saberão de onde vem. Eu tenho 7 processos nos tribunais, porque um sobrinho me enganou em um negócio há 5 anos e nada foi para afrente. Quem fez esta página? Comandante Otoya, seria interessante aprender sobre suas experiências e o que você viveu, porque você esteva, creio eu, preso injustamente
Share