Força Aérea Argentina oferece ajuda humanitária ao Peru

Argentine Air Force Provides Humanitarian Aid to Peru

Por Eduardo Szklarz/Diálogo
maio 12, 2017

Diante da pior catástrofe natural sofrida pelo Peru em décadas, a Força Aérea Argentina (FAA) enviou um avião Hércules C-130 para prestar assistência às vítimas. A aeronave, pertencente à I Brigada Aérea de El Palomar, desenvolveu seu trabalho no país andino de 21 a 31 de março, sob controle operacional da Força Aérea do Peru e em cooperação com as forças aéreas do Brasil, do Chile, da Colômbia e dos EUA. O avião levou 15 militares da FAA divididos em duas tripulações (uma com sete e outra com oito integrantes) para poder cumprir tarefas humanitárias nas áreas de difícil acesso terrestre. Além disso, transportou nove voluntários da Comissão de Capacetes Brancos argentinos, especialistas em tratamento de água e desastres, que realizaram tarefas de assistência paralelas. “É muito importante para a FAA poder colaborar em casos de catástrofe natural, como a que teve nossa irmã, a República do Peru”, disse à Diálogo o Vice-Comodoro da FAA Daniel Máspero, piloto do Hércules C-130. “A avalanche e as inundações afetaram especialmente as regiões central e norte do país, com enormes perdas humanas e danos materiais”, acrescentou. Mais de 800 municípios peruanos declararam estado de emergência. As tempestades e avalanches deixaram 75 mortos, cerca de 100.000 vítimas e 135.000 residências afetadas, segundo os números do Centro de Operações de Emergência Nacional (COEN) difundidos pelo jornal El Comercio em 20 de março. No total, as fortes chuvas que castigaram o país por causa do fenômeno El Niño afetaram 626.298 pessoas, direta ou indiretamente, segundo estimativas do COEN. Transporte de cargas e passageiros Os 15 militares que viajaram para o Peru no Hércules C-130 realizaram suas tarefas humanitárias praticamente 24 horas por dia. Sua missão específica foi o transporte de carga saindo de Lima para Trujillo (a terceira cidade mais povoada do Peru e uma das mais afetadas pelas tempestades), além de Chiclayo e outros municípios no norte do país, quase na fronteira com o Equador. Ao retornar desses lugares, a aeronave transportou vítimas até Lima, em uma ponte aérea fundamental para aliviar o sofrimento de milhares de habitantes das regiões mais alagadas. “Transportamos 168.000 quilos de cargas, incluindo mantimentos, lençóis e medicamentos”, informou o Vice-Comodoro Máspero. “Também removemos entre 530 e 540 pessoas do norte do país para Lima.” Por sua vez, a equipe de capacetes brancos argentinos entregou 4.000 cobertores e 40 caixas de pastilhas purificadoras de água, suficientes para tratar mais de 8 milhões de litros de água, informou a agência de notícias Télam em 24 de março. Cooperação internacional O Vice-Comodoro Máspero destacou a importância das missões de ajuda humanitária para o fortalecimento da cooperação regional entre as diferentes forças armadas. “Nesse tipo de trabalho humanitário, interage-se com membros de outras forças aéreas na mesma região de desastre”, disse. “Colocamo-nos à disposição da Força Aérea peruana, que fez o plano de voo diário para a realização das tarefas nas diferentes regiões e ofereceu todo o apoio necessário para cumpri-las.” Os militares argentinos cooperaram com as forças aéreas do Brasil, do Chile, da Colômbia e dos Estados Unidos, cujos aviões de grande porte compartilhavam o mesmo plano de voo. “A aeronave [argentina] operou com outros aviões da região no âmbito do Sistema de Cooperação de Forças Americanas, estabelecido para a assistência a comunidades que estejam em regiões onde tenham ocorrido desastres naturais”, declarou o Ministério da Defesa da Argentina em um comunicado em 7 de abril. O Vice-Comodoro Máspero também destacou o forte sentido de solidariedade dos militares com as pessoas afetadas. “Do ponto de vista pessoal, é sempre uma honra e um orgulho participar desse tipo de missão com nossa vocação de serviço, sabendo que podemos ajudar pessoas necessitadas, como o povo peruano”, enfatizou em entrevista à Diálogo.
Share