Uma carta de saudade

A Nostalgic Letter

Por Dialogo
março 09, 2015




Um ano, 52 semanas, 365 dias…

Há exatamente um ano, eu não uso mais farda. Não faço mais o habitual coque, nem pinto as unhas de branquinho.

Há um ano, não entro mais em forma embaixo de sol. Nem preciso ser superior ao tempo quando começa a chover.

Para minha felicidade, há um ano não faço TAF (Teste de Aptidão Física). Corro só quando tenho vontade. Mas, para minha tristeza, também não faço TAT (Teste de Aptidão ao Tiro) e sinto muita falta dele.

Há um ano, paquero de longe o PDC (Palácio Duque de Caxias, no RJ) quando passo em frente a ele. Isso acontece todos os dias, de segunda a sexta, de manhã e à noite.

Há um ano, não ando mais em viatura, mas continuo usando (e muito) jargões de miliquês.

Há um ano, não participo de operações, nem de ações cívicas sociais, nem de solenidades militares.

Há um ano, não ouço o som do bumbo… Aquele que nos diz que devemos colocar o pé direito no chão, enquanto desfilamos.

Há um ano, não presto continência, nem sou chamada de “senhora”. Era tão estranho ser chamada de senhora aos 24 anos…

Eu era uma menina quando ingressei nas fileiras do Exército Brasileiro. Não sabia nada da vida castrense. Não sabia nem que iria usar farda. De cara, odiei. Depois, me apaixonei. E a paixão virou amor, daqueles que nunca morrem.

Durante o último ano, só tive coragem de voltar ao PDC uma vez. E derramei lágrimas sem fim com cada amigo que encontrava nos corredores.

Talvez seja complicado para um civil entender. Mas ser militar é muito mais que ter um emprego. É ter uma família, uma segunda casa, lições de vida e amizades duradouras. É compartilhar valores, perrengues, missões, tradições. É multiplicar companheirismo, cumplicidade, camaradagem. É entender o significado literal de “servir”. É superar limitações e se orgulhar muito disso. Só entende quem passa por isso. Aliás, só entende mesmo quem “vivência” isso.

Há um ano, eu me preparava para um dos dias mais emblemáticos da minha vida: o dia de deixar a caserna. Por mais que, desde 2006, eu soubesse que este dia chegaria e até tenha tentado me preparar para ele, confesso que não estava preparada. Doeu como se estivesse me despedindo de um grande amor. E estava.

Ainda atendo o telefone no ímpeto de dizer “Assessoria de Imprensa do Comando Militar do Leste”. Ainda penso nas histórias do fim de semana que vou contar para as minhas companheiras. Ainda lembro e celebro as datas festivas do calendário do Exército. Ainda conto as experiências vividas, como se tivessem acontecido na semana passada. Ainda lembro da formatura mensal e revivo na memória, com lágrimas nos olhos, a última vez que entrei em forma no Dia da Bandeira de 2013. Por mais incrível que possa parecer (milicos entenderão), minha família também lembra e revive muitas coisas comigo.

Ah! Como sinto saudades… Saudade daquela camaradagem. Saudade das missões. Saudade de me arrepiar em forma, ao som da Canção do Expedicionário. Saudade da minha farda. Saudade de ser a Tenente Sheila. Não pela patente, pois quem me conhece, sabe que nunca me vali dela, mas pelo orgulho de ser uma Oficial do Exército Brasileiro. Continuo sendo uma Oficial do nosso glorioso EcoBravo, mas agora componho a reserva atenta e forte. Saudades…

O tempo passou tão rápido e eu agradeço a Deus TODOS OS DIAS pela manifestação da graça superabundante Dele em minha vida. Pelos novos desafios que Ele me tem dado, pelos novos aprendizados, pelas oportunidades e conquistas diárias. Sou muito feliz pela oportunidade ímpar que estou vivendo hoje. Tenho muito orgulho de fazer parte de um projeto tão expressivo para o nosso país. Peço a Deus que me abençoe e me capacite para que eu possa somar e dar sempre o melhor de mim no meu trabalho.

Contudo, saudade é algo que não controlamos. Às vezes, nem ao menos sabemos explicá-la direito. Mas, na minha opinião, saudade é a confirmação de que algo que vivenciamos valeu a pena. Integrar o Exército valeu muito a pena. Foi muito mais que uma experiência de emprego, foi uma escola de vida, da qual – hoje – trago comigo os melhores ensinamentos.

Ao Exército Brasileiro, minha continência, meu reconhecimento, meu eterno respeito, admiração e amor.

Brasil acima de tudo!



Um ano, 52 semanas, 365 dias…

Há exatamente um ano, eu não uso mais farda. Não faço mais o habitual coque, nem pinto as unhas de branquinho.

Há um ano, não entro mais em forma embaixo de sol. Nem preciso ser superior ao tempo quando começa a chover.

Para minha felicidade, há um ano não faço TAF (Teste de Aptidão Física). Corro só quando tenho vontade. Mas, para minha tristeza, também não faço TAT (Teste de Aptidão ao Tiro) e sinto muita falta dele.

Há um ano, paquero de longe o PDC (Palácio Duque de Caxias, no RJ) quando passo em frente a ele. Isso acontece todos os dias, de segunda a sexta, de manhã e à noite.

Há um ano, não ando mais em viatura, mas continuo usando (e muito) jargões de miliquês.

Há um ano, não participo de operações, nem de ações cívicas sociais, nem de solenidades militares.

Há um ano, não ouço o som do bumbo… Aquele que nos diz que devemos colocar o pé direito no chão, enquanto desfilamos.

Há um ano, não presto continência, nem sou chamada de “senhora”. Era tão estranho ser chamada de senhora aos 24 anos…

Eu era uma menina quando ingressei nas fileiras do Exército Brasileiro. Não sabia nada da vida castrense. Não sabia nem que iria usar farda. De cara, odiei. Depois, me apaixonei. E a paixão virou amor, daqueles que nunca morrem.

Durante o último ano, só tive coragem de voltar ao PDC uma vez. E derramei lágrimas sem fim com cada amigo que encontrava nos corredores.

Talvez seja complicado para um civil entender. Mas ser militar é muito mais que ter um emprego. É ter uma família, uma segunda casa, lições de vida e amizades duradouras. É compartilhar valores, perrengues, missões, tradições. É multiplicar companheirismo, cumplicidade, camaradagem. É entender o significado literal de “servir”. É superar limitações e se orgulhar muito disso. Só entende quem passa por isso. Aliás, só entende mesmo quem “vivência” isso.

Há um ano, eu me preparava para um dos dias mais emblemáticos da minha vida: o dia de deixar a caserna. Por mais que, desde 2006, eu soubesse que este dia chegaria e até tenha tentado me preparar para ele, confesso que não estava preparada. Doeu como se estivesse me despedindo de um grande amor. E estava.

Ainda atendo o telefone no ímpeto de dizer “Assessoria de Imprensa do Comando Militar do Leste”. Ainda penso nas histórias do fim de semana que vou contar para as minhas companheiras. Ainda lembro e celebro as datas festivas do calendário do Exército. Ainda conto as experiências vividas, como se tivessem acontecido na semana passada. Ainda lembro da formatura mensal e revivo na memória, com lágrimas nos olhos, a última vez que entrei em forma no Dia da Bandeira de 2013. Por mais incrível que possa parecer (milicos entenderão), minha família também lembra e revive muitas coisas comigo.

Ah! Como sinto saudades… Saudade daquela camaradagem. Saudade das missões. Saudade de me arrepiar em forma, ao som da Canção do Expedicionário. Saudade da minha farda. Saudade de ser a Tenente Sheila. Não pela patente, pois quem me conhece, sabe que nunca me vali dela, mas pelo orgulho de ser uma Oficial do Exército Brasileiro. Continuo sendo uma Oficial do nosso glorioso EcoBravo, mas agora componho a reserva atenta e forte. Saudades…

O tempo passou tão rápido e eu agradeço a Deus TODOS OS DIAS pela manifestação da graça superabundante Dele em minha vida. Pelos novos desafios que Ele me tem dado, pelos novos aprendizados, pelas oportunidades e conquistas diárias. Sou muito feliz pela oportunidade ímpar que estou vivendo hoje. Tenho muito orgulho de fazer parte de um projeto tão expressivo para o nosso país. Peço a Deus que me abençoe e me capacite para que eu possa somar e dar sempre o melhor de mim no meu trabalho.

Contudo, saudade é algo que não controlamos. Às vezes, nem ao menos sabemos explicá-la direito. Mas, na minha opinião, saudade é a confirmação de que algo que vivenciamos valeu a pena. Integrar o Exército valeu muito a pena. Foi muito mais que uma experiência de emprego, foi uma escola de vida, da qual – hoje – trago comigo os melhores ensinamentos.

Ao Exército Brasileiro, minha continência, meu reconhecimento, meu eterno respeito, admiração e amor.

Brasil acima de tudo!
Realmente é verdade, mas pouca gente entende. Só vivenciando mesmo. Meu amigo você mostra tanta coragem, que Deus abençoe você e desejo-lhe as maiores felicidades neste novo desafio em sua vida eu adorei e me faz lembrar do meu tempo servindo nas forças armadas também. Mais uma vez, os meus parabéns e siga em frente. Um grande abraço.❄️ Exercito Brasileiro e como uma família Se todos os jovens, tivessem à experiência de saber proteger o seu país, certamente os nossos representante não seriam corruptos ou corruptores, seria um país melhor. Brasil acima de tudo. Amor a Pátria. Fui militar do Exército brasileiro por ano graduação cabo. Foi um aprendizado princimente no aspecto disciplina e patriotismo . Hoje 79 anos ainda orgulho e osaudade de tudo que sua brilhante carta descreve . Parabéns Eu amo o Exército Brasileiro, por isso estou em atividade na Justiça Militar Federal desde 1973 até hoje.
Exemplo de patriotismo que nos orgulha. Depoimento emocionante .mas oq aconteceu com a Tenente Sheila .h Estou com lágrimas nos olhos.
Que saudades dos meus dias, no 1/5 RCMEC, onde aprendi muoto e aumentei a força do meu CARÁTER.
Belas palavras de reconhecimento e patriotismo Por que a despedida?????? Primeiro sou apaixonada pelo instituição, essa carta foi de arrepiar, parabéns pra vc mulher brasileira. Fui militar do Corpo de Fuzileiros Navais por mais de dez anos. Um grande aprendizado na minha vida. Não sou militar, não tenho parentes, tão pouco amigos próximos que sejam, mas me emocionei muito ao ler a matéria. Que lindo e que pena ter que deixar um amor tão grande. Enaltecendo sempre, isso prova bem o seu caráter, sua determinação e o seu amor. Parabéns pelas palavras tão bem colocadas. A tenente era temporária... Tem um tempo certo para servir, e findo este, tem Q ir embora. Comungo com o que disse a tenente Sheila. Fui militar da gloriosa Marinha do Brasila, servi no CFN, guardo recordações daqueles tempos que não se apagam. Hoje reformado mais ainda me considerando um militar. Todo brasileiro deveria servir à pátria. Servi no Regimento Sampaio em 1990 e ainda sinto falta. Até hoje carrego comigo o que aprendi lá principalmente a disciplina e o companheirismo. Ten. Sheila Deus te abençoe. Me sinto honrado por ter servido a minha pátria. Valter.
Sou da reserva remunerada da Marinha(CFN,e sinto a noção de amor e patriotismo da Ten.Shala.Mulher de fibra e alto quilate . mulheres assim, deveriam permanecer. Deus abençoe o seu novo tempo na vida civil. Parabéns Ten Sheila, li seu texto e veja que as palavras sairão do fundo da sua alma!
O Brasil está carente de patriotas que respeitem os símbolos nacionais e que se arrepiem ao ouvirem o hino nacional!!!! Parabéns tenente Sheila modelo seu texto é lindo e você tem mesmomuitas razoes para ter saudades.
Share