2009-12-03

3 de dezembro — Resumo das notícias da América do Sul

LA PAZ, Bolívia — Crise estimula o desemprego e a informalidade: Como efeito da crise financeira, o desemprego e a informalidade aumentaram na Bolívia, declarou um relatório divulgado pelo Centro de Estudos para o Desenvolvimento do Trabalho e Agrário (Cedla). O presidente Evo Morales questionou os resultados, segundo os quais a taxa de desemprego subiu de 10,2% em 2008 para 11% neste ano. Silvia Escobar, pesquisadora do Cedla, apontou que há 202.336 desempregados no país. O Ministério de Planejamento do Desenvolvimento afirmou que a cifra oficial está “entre 6% e 7%”.

[La Prensa, EFE]

BOGOTÁ, Colômbia — Governo nega plano para atacar a Venezuela: O ministro colombiano da Defesa, Gabriel Silva, negou a versão do governo venezuelano de que o país prepara um ataque militar contra a Venezuela e reiterou que a postura do governo do presidente Álvaro Uribe é a de "não se deixar provocar" apesar dos "insultos". "Não é a Colômbia que gasta bilhões de dólares em armamentos de ataque”, afirmou Silva, fazendo alusão às recentes compras de armas russas por parte da Venezuela. O vice-presidente venezuelano, Ramón Carrizalez, disse que “o governo colombiano prepara um ataque, como o que realizaram no Equador".

[El Tiempo, EFE]

BUENOS AIRES, Argentina — Restos mortais de desaparecido espanhol são identificados: A equipe de Antropologia Forense da Argentina conseguiu identificar os restos mortais do espanhol Manuel Coley Robles, considerado desaparecido desde 1976, quando a ditadura militar comandava o país. Essa é a primeira vez que um cidadão espanhol que foi vítima da repressão foi localizado. Robles desapareceu em outubro de 1976 e seus restos mortais permaneciam enterrados em um cemitério na periferia da cidade de Buenos Aires. Órgãos de direitos humanos afirmam que cerca de 30.000 pessoas perderam a vida durante a repressão militar.

[Página/12, EFE]

SANTIAGO, Chile — Economia crescerá 2,6% no quarto trimestre: Segundo um relatório da Associação de Bancos do Chile, a economia do país crescerá 2,6% no quarto trimestre. Com isso, espera-se que 2009 feche com uma contração do produto interno bruto de 1,5%. Segundo a entidade, no mês de outubro a atividade econômica caiu 0,5%, menos que nos meses anteriores, devido a uma melhora dos setores de mineração e comércio, que tiveram crescimento de 8% e 3,1%, respectivamente.

[El Mercurio, EFE]

Esta reportagem está fechada para comentários e avaliações.