Arrow left
Arrow right

2009-10-12

12 de outubro — Resumo das notícias da América do Sul

LA PAZ, Bolívia — País supera meta anual de erradicação de coca: Com a destruição de 5.604 hectares de plantações ilegais de folha de coca em 2009, as forças policiais e militares da Bolívia superaram a meta anual estabelecida pela legislação nacional de combate às drogas. A força-tarefa conjunta informou que até dezembro terão sido erradicados mais de 6.000 hectares de plantações de coca cuja produção seria destinada à produção de cocaína. A lei local limita as plantações a 12.000 hectares, mas, segundo a ONU, o país tem 30.500 hectares com cultivos de coca.

[ABI, EFE]

LIMA, Peru — Mineração informal movimenta até US$ 650 milhões por ano: Segundo um estudo do economista Miguel Santillana, da Universidad San Martín de Porres, a mineração informal movimenta até US$ 650 milhões por ano no Peru e dá emprego a cerca de 100.000 pessoas. Santillana advertiu que a informalidade faz do setor um espaço aproveitado pelo narcotráfico para lavar dinheiro. O Ministério de Minas e Energia reconheceu que os empreendimentos de mineração informal se alastram a todo o país e que 95% deles são minas de ouro.

[Radio Programas del Perú, EFE]

ASSUNÇÃO, Paraguai — Encontro de indígenas apresentará exigências ao governo: Delegados de várias comunidades indígenas paraguaias se reuniram no morro Lambaré, nas proximidades de Assunção, para manifestar as exigências do setor ao governo do presidente Fernando Lugo. O Instituto Nacional do Indígena informou que uma das principais reivindicações é a recuperação de terrenos que pertenciam a diversas famílias e foram vendidos de maneira arbitrária. Os indígenas também pediram que o governo lhes permitisse uma maior participação na tomada de decisões e que os ajudasse a promover as suas culturas. Os 108.308 indígenas paraguaios representam 2% dos habitantes do país.

[ABC Color, EFE]

BOGOTÁ, Colômbia — Forças de segurança evitam ataque das FARC a jornalista: O presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, afirmou que as forças de segurança do país evitaram um atentado contra o jornalista Herbin Hoyos. O governo atribuiu a tentativa às FARC. Hoyos criou e dirige o programa de rádio "As Vozes do Sequestro", um espaço em que as famílias de reféns das FARC enviam mensagens aos sequestrados a cada fim de semana. "Ele trabalhou 18 anos pela libertação dos sequestrados e o pagamento que querem dar a ele é assassiná-lo", denunciou o presidente.

[El País, EFE]

Esta reportagem está fechada para comentários e avaliações.