Arrow left
Arrow right

2009-08-06

6 de agosto — Resumo das notícias da América do Sul

Eduardo Herrera

SANTIAGO, Chile — Chile respeita acordo de defesa entre Colômbia e EUA: A presidente do Chile, Michelle Bachelet, manifestou ao colega colombiano Álvaro Uribe que respeitará o acordo pelo qual a Colômbia permitirá o uso de sete bases militares por parte dos Estados Unidos. O Chile respeita a soberania, o interesse nacional e o exercício do mesmo em cada país do hemisfério, afirmou o ministro das Relações Exteriores, Mariano Fernández. Reunidos no Chile, Bachelet e Uribe tiveram um amplo intercâmbio de opiniões. O encontro fez parte da série de visitas do presidente colombiano a países da região para dar esclarecimentos sobre o possível acordo.

[La Tercera, EFE]

BOGOTÁ, Colômbia — Libanês acusado de narcotráfico é extraditado: Capturado em outubro em uma operação contra uma rede internacional de tráfico de drogas, o libanês Alí Mohamad Abdul Rahim foi extraditado aos Estados Unidos, onde é processado por acusações de narcotráfico e lavagem de dinheiro. Rahim foi um dos três libaneses presos com 21 outras pessoas pelo serviço secreto colombiano na Operação Titã. A rede tinha um esquema internacional para o envio de drogas e estava a serviço dos carteis colombianos do Valle do Cauca e de Antioquia.

[El Tiempo, EFE]

BUENOS AIRES, Argentina — Governo pede quota para exportação de automóveis à Venezuela: O governo da Argentina pedirá à Venezuela a abertura de uma quota para poder exportar automóveis ao país caribenho, que não adquiriu quase nenhum veículo neste ano. Em 2008, a Venezuela importou US$ 6 bilhões em automóveis de diferentes países. Nos primeiros meses de 2009, o governo venezuelano concordou em abrir uma quota para a importação de 10.000 veículos do Equador e concedeu outra semelhante à Colômbia, mas esta última corre riscos devido aos conflitos diplomáticos entre Caracas e Bogotá.

[La Nación, El Universal]

LIMA, Peru — Governo acusa Sendero Luminoso de ameaçar o país: Os integrantes remanescentes do grupo terrorista Sendero Luminoso, que atuam nos vales e florestas peruanas, representarão “uma ameaça” ao país “enquanto não desaparecerem. A afirmação foi feita pelo ministro do Interior, Octavio Salazar, depois que 0 ataque de um grupo de senderistas a um quartel policial resultou na morte de três policiais e dois civis. O incidente ocorreu no dia 2 de agosto na região do vale dos rios Apurímac e Ene, onde os rebeldes já realizaram outras operações semelhantes em 2009.

[Radio Programas del Perú, El Comercio]

Esta reportagem está fechada para comentários e avaliações.