2009-05-15

15 de maio — Resumo das notícias da América do Sul

Eduardo Herrera

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS — Peru e Brasil intensificam cooperação no Haiti: Os governos do Peru e do Brasil chegaram a um acordo para permitir a integração de oficiais do exército peruano ao estado maior do batalhão brasileiro da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah), que tem como meta apoiar o país caribenho. O Peru mantém 200 dos 7.044 soldados do contingente da Minustah. O Brasil, com 1.282, é o país com o maior número de soldados na missão, que também conta com tropas argentinas, bolivianas, chilenas, equatorianas, paraguaias e uruguaias.

[Andina, EFE]

LIMA, Peru — Telefónica investirá US$ 400 milhões em 2009: O grupo espanhol Telefónica anunciou que investirá US$ 400 milhões no Peru em 2009 devido à boa situação da economia interna, apesar da crise internacional. O presidente do grupo de telecomunicações espanhol no Peru, Javier Manzanares, assegurou que a empresa espera desembolsar a mesma cifra nos próximos anos em razão da crescente demanda de serviços no país andino. Metade da quantia será destinada à telefonia celular e o restante será empregado em serviços de telefonia fixa e de Internet.

[EFE, Tendencias21.net]

BUENOS AIRES, Argentina — Voos para o México são retomados após surto de gripe: O governo argentino autorizou a retomada dos voos comerciais para o México, os quais haviam sido suspensos no dia 28 de abril para evitar a disseminação do vírus da gripe A. O chefe de gabinete da presidência da Argentina, Sergio Massa, indicou que o sistema de fiscalização nos aeroportos foi aperfeiçoado, mas que mesmo assim continuará havendo “duplo controle nos voos provenientes do México, Canadá e Estados Unidos”. A ministra da Saúde, Graciela Ocaña, confirmou que até agora houve somente um caso de gripe A/H1N1 no país.

[La Nação, Telam]

SANTIAGO, Chile — Ministras debatem papel da mulher na crise econômica: Reunidas na 19ª Cúpula Global de Mulheres em Santiago, ministras de 20 países debateram o papel da mulher frente à crise financeira que afeta o mundo. A presidente da reunião, Irene Natividad, enfatizou que “a ética e o êxito nos negócios não são incompatíveis” e apresentou a crise como uma boa possibilidade para posicionar a mulher no âmbito empresarial. A presidente do Chile, Michelle Bachelet, será homenageada com o prêmio Liderança Mundial da Mulher pelo seu legado na política do país anfitrião.

[EFE, La Segunda]

Esta reportagem está fechada para comentários e avaliações.