2009-03-11

Resumo de Notícias da América do Sul – 9 de março

Santiago Meza

SANTIAGO, Chile ― Ministros sul-americanos comparecem à cúpula de segurança da Unasul no Chile: Os ministros da Defesa de 11 países-membros da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) viajaram ao Chile no dia 8 de março para participarem do primeiro Conselho Sul-Americano de Defesa. O objetivo do conselho é aumentar a confiança entre os países-membros por meio de integração, diálogo e cooperação em questões de defesa. Os ministros da Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela debaterão políticas regionais de segurança nos dias 9 e 10 de março.

[AP, AFP, DPA]

MONTEVIDÉU, Uruguai ― PIB do Uruguai cresce 10,6% em 2008: No dia 8 de março, o presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, anunciou que o produto interno bruto (PIB) do país em 2008 foi 10,6% superior ao de 2007, apesar da crise mundial. “Para este ano, continuamos tendo expectativas de crescimento de aproximadamente 3%”, disse o presidente, após destacar que o PIB do país atingiu uma taxa de crescimento anual recorde de 8% desde que ele tomou posse em 2005. “Vamos acompanhar de perto, porque a crise está à espreita, mas ainda teremos crescimento.”

[Reuters, Notimex, El País]

CARACAS, Venezuela ― Colômbia e Venezuela debatem criação de fundo binacional: O embaixador colombiano na Venezuela, Fernando Marín Valencia, anunciou no dia 8 de março que os ministros da economia dos dois países se reunirão para debater a criação de um fundo binacional no valor de US$ 200 milhões para apoiar pequenas e médias empresas. “O fundo ainda está no seu estágio de estruturação”, afirmou o diplomata colombiano. “Neste mês, os ministros terão uma reunião para avançar neste sentido”, concluiu. Os dois governos haviam concordado em criar um fundo comum no dia 25 de janeiro.

[AFP, EFE, El Nacional]

QUITO, Equador ― Correa anuncia reforço militar na fronteira com a Colômbia: O presidente do Equador, Rafael Correa, anunciou o envio de três mil soldados para a fronteira norte do país com a Colômbia. O objetivo é enfrentar grupos armados e organizações ilegais que se dedicam ao tráfico de drogas e de combustíveis. “Já estamos tomando providências drásticas porque a situação é incrivelmente drástica”, disse o presidente. Ele explicou que o novo contingente se unirá aos sete mil soldados e 3.500 policiais que já estão posicionados ao longo da fronteira de 720 quilômetros com a Colômbia.

[ANSA, AFP, Ecuadorinmediato.com]

Esta reportagem está fechada para comentários e avaliações.