2011-07-27

Sergio Batista não é mais técnico da Albiceleste

Sergio Batista, técnico da seleção argentina, foi liberado de suas funções depois da derrota da Albiceleste para o Uruguai nas quartas de final da Copa América. (Marcos Brindicci/Reuters)

Sergio Batista, técnico da seleção argentina, foi liberado de suas funções depois da derrota da Albiceleste para o Uruguai nas quartas de final da Copa América. (Marcos Brindicci/Reuters)

Por Dave Carey para Infosurhoy.com—27/07/2011

WASHINGTON, D.C., EUA – Sergio Batista está em busca de um novo emprego.

O contrato do técnico da seleção argentina foi encerrado e começou uma busca mundial para seu substituto, informou a Associação de Futebol Argentino (AFA) em 26 de julho.

“Gostaria de informar que depois de uma conversa cordial e amigável entre Sergio Batista e (o presidente da AFA) Julio Grondona, o Sr. Batista deixou a decisão para o comitê de seleção”, divulgou Cherquis Bialo, porta-voz da AFA, aos jornalistas. “Não existe prazo para a escolha de seu sucessor; a decisão será tomada na hora certa.”

A AFA também anunciou o cancelamento de um amistoso contra a Romênia para se concentrar na substituição de Batista.

Boatos sobre a demissão de Batista começaram a surgir no início do mês, após a anfitriã Argentina não ter exibido um desempenho dominante na Copa América, sendo eliminada nas quartas de final pelo eventual campeão, Uruguai. A Argentina, 10ª colocada no ranking mundial da FIFA, não só tinha o time mais talentoso e o atual Melhor Jogador do Ano da FIFA, Lionel Messi, mas também tinha a vantagem de jogar em casa.

Mas isso não fez diferença.

Messi não conseguiu balançar as redes e o craque atacante Carlos Tevez mais uma vez caiu em desgraça. Quando a 18ª colocada da FIFA, a Celeste, eliminou a Argentina na disputa por pênaltis, os apelos dos torcedores pela substituição de Batista tornaram-se gritos. O Uruguai acabou subindo para a 5ª posição no último ranking da FIFA, divulgado em 27 de julho.

A Argentina não ganha uma grande competição internacional desde o título da Copa América de 1993.

Batista, 48 anos, substituiu o ex-ídolo argentino, Diego Maradona, há 12 meses, depois que o time foi derrotado pela Alemanha nas quartas de final da Copa do Mundo por 4x1. Durante a era Batista, a Argentina goleou a atual campeã mundial, Espanha, por 4x1, e derrotou o rival Brasil por 1x0.

“Do ponto de vista esportivo, (a Copa América) não foi muito boa, mas há um futuro importante pela frente com as eliminatórias”, afirmou Humberto Grondona, subdiretor dos assuntos da seleção da AFA e filho do presidente da entidade, Julio Grondona, durante entrevista coletiva.

Os candidatos a substituir Batista incluem o ex-técnico do Estudiantes, Alejandro Sabella, o técnico da seleção paraguaia, Gerardo Martino, e o ex-dirigente do Boca Juniors e do Atlético Madrid, Carlos Bianchi.

O argentino Martino deve se reunir com autoridades paraguaias em 28 de julho para discutir seu futuro. Ele negou que assumiria o cargo na seleção argentina em 24 de julho. Autoridades futebolísticas paraguaias disseram que iriam discutir sua situação em 27 de julho em Assunção.

“Continuo como técnico do Paraguai”, enfatizou Martino aos jornalistas.

Brasil reformula elenco para amistoso contra Alemanha

O técnico Mano Menezes prometeu a volta do estilo futebol arte de agressividade, de criatividade e de tirar o fôlego que fez do Brasil o primeiro time do mundo. Agora, ele só terá que encontrar os jogadores certos.

Depois de uma desastrosa exibição na Copa América que viu o detentor dos dois últimos títulos da competição ser eliminado nas quartas de final depois de perder na disputa por pênaltis para o Paraguai, Mano decidiu que o quarto colocado no ranking da FIFA precisa de jogadores diferentes para enfrentar a Alemanha no próximo mês. O Paraguai saltou da 32ª posição para a 26ª no ranking da FIFA, depois do segundo lugar na Copa América.

A Alemanha, anfitriã da partida a ser realizada na Arena Mercedes-Benz em 10 de agosto, em Stuttgart, terminou em terceiro lugar na Copa do Mundo de 2010.

“Tenho experiência suficiente para saber que no futebol a eliminação nos torna mais fortes”, garantiu Mano aos jornalistas. “As dificuldades do futebol nos fazem aprender a conviver com esse tipo de situação.”

Mano convocou o zagueiro do Vasco, Dedé, e os meio-campistas Ralf, do líder do campeonato brasileiro, Corinthians, e Luiz Gustavo, do Bayern de Munique. Para abrir espaço para o trio de novatos, Mano cortou Elano, Jadson, Sandro, Luisão e Adriano do elenco.

Elano não converteu seu pênalti no jogo decisivo contra o Paraguai, e o Brasil terminou a competição em oitavo lugar entre 12 seleções, sua pior colocação da história do campeonato sul-americano. A pior colocação anterior foi um sexto lugar em 2001. O Brasil, entretanto, se recuperou e venceu a Copa do Mundo do Japão no ano seguinte.

O Brasil, que subiu para 4º lugar no último ranking da FIFA, apesar de sua rápida eliminação na Argentina, irá manter os jovens Ganso e Neymar, que não corresponderam às grandes expectativas na Copa América.

“Agora, temos que erguer a cabeça e nos concentrar em ganhar a Copa do Mundo em nosso país”, afirmou o atacante brasileiro Robinho aos jornalistas.

Craques colombianos brilham na Liga Americana de Futebol

A Colômbia está ajudando a impulsionar a Liga Americana de Futebol (MLS).

O país andino conta com 18 jogadores no plantel da MLS, o segundo maior número entre todos os países, atrás apenas do Canadá, com 22.

E eles não são simples reservas.

Os destaques colombianos incluem o atacante do Los Angeles Juan Pablo Ángel (Medellín), o meio-campista do Dallas e atual Melhor Jogador David Ferreira (Santa Marta) e o atacante do Seattle Fredy Montero (Campo de la Cruz).

“Um país como a Colômbia tem uma longa história e tradição de produzir grandes jogadores”, declarou Todd Durbin, vice-presidente executivo do quadro de jogadores da MLS, ao diário americano The Oregonian. “Nossa capacidade de penetrar naquele mercado e trazer alguns dos seus maiores jogadores para os EUA é algo que nos empolga muito.”

Os jogadores colombianos continuam a deixar seu país, devido à situação financeira difícil de diversos times profissionais de suas ligas nacionais, para encontrar trabalho na MLS e na Europa. Um dos principais culpados é o America de Cali, da primeira divisão, que estava há 10 meses com os salários de seus jogadores atrasados anteriormente este ano.

“Treze times estão falidos no momento”, informou Diego Gutiérrez, chefe de busca e desenvolvimento de jogadores do Philadelphia Union, ao diário americano The Oregonian. “Eles estão perdendo muitos de seus patrimônios – os jogadores – porque não têm verbas para pagar os homens.”

E a perda da Colômbia representa um ganho para a MLS.

“A exposição que a MLS vem ganhando não só na Colômbia mas mundo afora a torna um destino atraente para jogadores de todo o mundo”, comemorou Gutiérrez ao The Oregonian. “Por conta da situação financeira da liga colombiana, é muito mais fácil vender a MLS. É uma situação difícil para eles mas uma oportunidade para a MLS.”

Esta reportagem está fechada para comentários e avaliações.

1 Comentário

  • alberto espinosa arrieta | 2011-07-29

    Na Colômbia, só cinco equipes não se encontram em uma situação boa e é ali onde está o verdadeiro celeiro de futebolistas colombianos (muito bons jogadores) Junior de Barranquilla, Nacional de Medellín, Calí, Equidad e Envigado, o Junior produziu goleadores como Teófilo que está fazendo gols na ARGENTINA e agora tem outro goleador (Bacca) QUE É UM TREMENDO JOGADOR. 31197