Este texto foi transferido. Por favor, leia a nova versão aqui.

2012-06-15

Operação Martillo: Cúter Gallatin volta para casa

Navio da Guarda Costeira dos EUA participou de quatro interceptações de embarcações, inclusive uma em parceria com a Marinha da Nicarágua.

Navio da Guarda Costeira dos EUA participou de quatro interceptações de embarcações, inclusive uma em parceria com a Marinha da Nicarágua.

Por César Morales Colón para Infosurhoy.com – 15/06/2012

MIAMI, EUA – A tripulação do Cúter Gallatin, embarcação de 378 pés da Guarda Costeira dos EUA, retornou ao porto de origem em Charleston, no estado da Carolina do Sul, em 7 de junho, após uma bem-sucedida participação na Operação Martillo, um esforço multinacional para interromper as rotas de tráfico ilícito em ambos os litorais do istmo centro-americano.

Durante seus 91 dias de patrulha, a tripulação do Gallatin trabalhou para deter a movimentação de drogas no Mar do Caribe e no Estreito da Flórida. O esforço contou com o apoio dos membros do Esquadrão Tático de Interdição por Helicóptero, também da Guarda Costeira, com sede em Jacksonville, Flórida.

A tripulação do Gallatin executou quatro abordagens legais durante o período de patrulha, incluindo uma em conjunto com a Marinha da Nicarágua.

O Gallatin, de 44 anos, e outros 11 cúters de alta resistência, batizados com nomes de secretários do Tesouro, serão substituídos por oito cúters de Segurança Nacional (NCS), que são mais rápidos, equipados, duráveis, eficientes e seguros que seus antecessores, de acordo com a Guarda Costeira.

Último cúter da classe Hamilton baseado na costa leste, o Gallatin é a maior embarcação da Guarda Costeira dos EUA em tamanho e capacidade a patrulhar o Mar do Caribe.

A Guarda Costeira, a Marinha, o Departamento de Alfândega e Proteção à Fronteira dos EUA e aeronaves e embarcações de nações parceiras trabalham juntos na execução das patrulhas antidrogas no Mar do Caribe.

Belize, Canadá, Colômbia, Costa Rica, El Salvador, França, Guatemala, Honduras, Holanda, Nicarágua, Panamá, Espanha, Reino Unido e Estados Unidos participam da Operação Martillo, que teve início em meados de janeiro.

Esta reportagem está fechada para comentários e avaliações.