2012-01-11

Peru: Governo e setor privado ajudam Corpo de Bombeiros

O segundo-tenente Henry Atilano Acosta, do Corpo Geral de Bombeiros Voluntários do Peru (CGBVP) em Carabayllo, um dos bairros mais pobres de Lima: “Nossos veículos são de 1965. Recebemos chamadas de emergência e não conseguimos chegar a tempo porque os carros quebram no caminho.” (Edgar Dávila Chota para Infosurhoy.com)

O segundo-tenente Henry Atilano Acosta, do Corpo Geral de Bombeiros Voluntários do Peru (CGBVP) em Carabayllo, um dos bairros mais pobres de Lima: “Nossos veículos são de 1965. Recebemos chamadas de emergência e não conseguimos chegar a tempo porque os carros quebram no caminho.” (Edgar Dávila Chota para Infosurhoy.com)

Por Edgar Dávila Chota para Infosurhoy.com – 11/01/2011

LIMA, Peru – O governo peruano anunciou, em 2 de janeiro, um aumento no orçamento do Corpo Geral de Bombeiros Voluntários do Peru (CGBVP), que, de 53 milhões de sóis novos (R$ 35,35 milhões), saltará para 103 milhões de sóis novos (R$ 69,85 milhões).

O dinheiro será usado na compra de novos carros de combate a incêndio e ambulâncias, um investimento extremamente necessário, já que alguns postos de bombeiros do país usam equipamentos que têm quase meio século de idade.

Trata-se do primeiro investimento do Ministério das Finanças para atualizar a tecnologia do CGBVP em 32 anos, segundo dados do próprio órgão.

E, para pessoas como Juana Quispe, o aumento de orçamento está chegando tarde demais.

Em novembro passado, a residência vizinha à de Juana, em Ventanilla, área arenosa da cidade de Callao, pegou fogo, e o incêndio rapidamente se alastrou para sua casa. Tudo que Juana pôde fazer foi correr.

A casa era feita de folhas de palmeira e madeira.

“Não deu para fazer nada”, lamenta Juana, que perdeu 80% da casa. “Não havia como 'puxar' água, e os bombeiros não tinham tanque d'água.”

O drama de Juana ilustra a crise financeira do CGBVP.

Mangueiras com vazamentos, vestimentas à prova de fogo surradas e problemas generalizados nos poucos veículos de combate a incêndio estão colocando em risco a vida e os bens dos peruanos.

“Nossos veículos são de 1965”, diz o segundo-tenente Henry Atilano Acosta, do Corpo Geral de Bombeiros Voluntários do Peru (CGBVP) em Carabayllo, um dos bairros mais pobres de Lima. “Recebemos chamadas de emergência e não conseguimos chegar a tempo porque os carros quebram no caminho.”

Poucos dias antes do incêndio na casa vizinha à de Juana, o CGBVP avisou que precisava de 191 tanques d'água para lidar com a falta de água nas regiões mais pobres do país, pois somente 82% das residências das áreas urbanas e 39% das rurais são abastecidas pela rede pública.

Bombeiros voluntários muitas vezes gastam seu próprio dinheiro para suprir as necessidades do departamento, conta Atilano.

Mas, ainda assim, não desistem e continuam atendendo à comunidade.

Em Lima, o departamento atendeu a 86.858 emergências de janeiro a novembro de 2011, segundo dados do CBGVP. Apenas no feriado de ano novo, foram 224 emergências, entre incêndios, vazamentos de gás e acidentes de trânsito.

Meta para cinco anos

O CGBVP é supervisionado pelo presidente do Conselho de Ministros e regulado pela Lei 27.140, que entrou em vigor em março de 1999.

O artigo 15 da lei especifica que o financiamento ao departamento é composto por verbas do Ministério das Finanças, doações nacionais e internacionais e outras fontes.

De acordo com o brigadeiro general Antonio Zavala Abeo, comandante do CGBVP, a situação dos equipamentos, que estão ultrapassados e quebrados, impediu o órgão de atender a mais de 25.000 chamados no ano passado.

“Do total de equipamentos que temos, 80% está em mau estado”, afirmou Zavala Abeo em entrevista coletiva.

O comandante espera que o aumento do orçamento deste ano não seja uma medida temporária.

“Nossa meta é manter o orçamento nesse nível nos próximos cinco anos, no mínimo. Isso asseguraria equipamentos adequados para todos os níveis do CGBVP”, acrescentou

Soluções orçamentárias

Diante da crise orçamentária, o setor privado entrou em ação.

A operadora de telefonia celular Claro lançou uma campanha de solidariedade chamada “Claro e Você”, que estimula os clientes a solicitar faturas eletrônicas, para que o dinheiro economizado em impressão ajude a comprar equipamentos para os bombeiros.

“Alguns dias atrás, entregamos 500 pares de botas de segurança”, diz Italy Valdivia Salinas, especialista em serviços da Claro. “A próxima meta é doar vestimentas e assim por diante.”

O CGBVP também lançou a campanha "Use uma pulseira e ajude o bombeiro voluntário”, em conjunto com 11 lojas de departamento e shopping centers. A receita obtida com a venda das pulseiras será doada para o órgão.

As peças esgotaram-se rapidamente.

“Já fui a seis lojas e não consigo encontrar”, conta a dona de casa Arlet Hidalgo Flores, de 29 anos, que mora em Lima.

Até 12 de novembro, o CGBVP havia comprado 1.000 unidades de equipamentos com o dinheiro arrecadado por meio dessas iniciativas.

O departamento também afirmou que o governo se comprometeu a doar 45 cisternas, 50 carros de combate a incêndio e 50 ambulâncias, que serão distribuídos nacionalmente, entre os diversos postos de bombeiros.

“Precisamos de uma mudança e precisamos da ajuda de todos”, diz Atilano. “É a única forma de continuar ajudando os outros.”

Esta reportagem está fechada para comentários e avaliações.