Arrow left
Arrow right

2011-04-29

Frente contra o crack no Piauí

A forças de segurança pública do Piauí agora recebem treinamento da Câmara de Enfrentamento do Crack e outras Drogas. Até junho, 1.900 policiais militares deverão ter concluído todas as etapas da formação. (Cortesia de Paulo Barros/CCom)

A forças de segurança pública do Piauí agora recebem treinamento da Câmara de Enfrentamento do Crack e outras Drogas. Até junho, 1.900 policiais militares deverão ter concluído todas as etapas da formação. (Cortesia de Paulo Barros/CCom)

Por Cristine Pires para Infosurhoy.com—29/04/2011

PORTO ALEGRE, Brasil – “Estou muito triste com a morte de meu filho por causa das drogas, mas agora posso descansar.”

O recente desabafo de uma mãe de usuário de crack ao governador do Piauí, Wilson Martins, resume o efeito devastador do crack na sociedade.

“São relatos cada vez mais dramáticos. Não há limite de idade, espaço geográfico ou classe econômica”, diz Fenelon Rocha, coordenador de Comunicação do Piauí. “O crack está presente em todo o estado e com um efeito devastador muito grande.”

Diante de apelos de famílias desestruturadas pelo consumo da droga, o governo do Piauí decidiu agir de forma coordenada contra o avanço do crack no Estado.

Em janeiro, foi criada a Câmara de Enfrentamento do Crack e outras Drogas. A iniciativa congrega esforços do governo estadual, poderes Legislativo e Judiciário e da sociedade civil organizada contra o tráfico e o consumo de entorpecentes, completa Rocha.

Mas o alvo da iniciativa é o crack.

As estatísticas criminais explicam essa ofensiva: de cada 10 crimes que envolvem violência cometidos no Piauí, 9 estão relacionados ao consumo de drogas, que, em 80% dos casos, é o crack, completa Rocha.

E mais: dois terços dos homicídios registrados no Piauí em 2010 envolvem usuários de crack, de acordo com a Secretaria de Segurança.

Com a criação da câmara, porém, os números agora seguem outra tendência.

“Nunca se desarticulou tanta quadrilha, pontos de venda de droga e se prendeu traficantes como agora”, garante o coronel Rubens Pereira, comandante Geral da Polícia Militar do Piauí.

Somente em janeiro, foram presos 18 criminosos que supostamente atuavam junto a pontos de vendas de drogas em Teresina, capital do Estado, segundo dados da Delegacia de Prevenção e Repressão a Entorpecentes.

No primeiro trimestre, 170 já foram detidos por suposto envolvimento com tráfico de drogas no Piauí, aponta Rocha.

Em 2010, foram presos 240 supostos traficantes e apreendidos 60 kg de entorpecentes – 70% crack –, além de R$ 1 milhão em bens entre dinheiro, imóveis e carros.

O objetivo da frente de combate ao crack não é apenas a repressão e o combate ao tráfico, mas também a prevenção ao consumo da droga.

A atuação da câmara começa então nas escolas, na tentativa de evitar que os estudantes tenham o primeiro contato com a droga. A meta é reduzir significativamente o número de novos usuários, afirma Rocha.

Outra meta é a reabilitação dos dependentes químicos.

A iniciativa ganha cada vez mais apoio da sociedade piauiense.

Em 17 de abril, a 1ª Caminhada Piauí sem Drogas levou mais de 12.000 às ruas de Teresina.

“A adesão foi espontânea, e mostra que a sociedade também está buscando solução”, comemora Rocha.

Outro desafio da luta contra o crack é a conquista de leitos para o tratamento dos dependentes.

O governo do Piauí já fez contato com o Ministério da Saúde para solicitar a ampliação do número de vagas na rede pública destinadas ao atendimento de usuários de crack.

“A assistência é a parte que mais precisa evoluir, pois a oferta é pequena diante da demanda”, diz Rocha.

Policiais recebem treinamento específico

Os policiais civis e militares do Piauí estão passando por um treinamento específico da Câmara de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas.

Desde janeiro, 363 já foram capacitados. Até junho, um total de 1.900 policiais militares terão concluído todos os módulos da formação.

Nas próximas semanas, mais 973 devem receber qualificação – 450 em Teresina e os demais em cidades do interior, por meio de videoconferência.

Um dos objetivos do treinamento é diferenciar o traficante do dependente, explica o coronel Pereira.

“Queremos quebrar o estigma que há na sociedade de que o dependente químico é delinquente”, afirma o coronel Pereira. “Ele é uma vítima do sistema que precisa de tratamento e de apoio e assim tem que ser encarado.”

O novo treinamento dado aos policiais também contempla orientações sobre como podem identificar o crack por suas características morfológicas e químicas.Os policiais estão sendo orientados ainda sobre como se comportar no momento da abordagem. O objetivo é que sigam padrão de atendimento nas ocorrências.

Os policiais também ajudarão a abastecer o Núcleo de Inteligência com informações sobre pontos de vendas de drogas, colhidas no momento da ocorrência.

A meta da polícia é apertar o cerco contra os traficantes, completa Pereira.

“Com a ação da Câmara de Enfrentamento ao Crack, conseguimos reduzir em 36% as taxas de homicídios no primeiro trimestre de 2011 no Estado”, comemora o coronel Pereira.

Com sete casos, fevereiro registrou o menor número de homicídios dolosos (com intenção de matar) dos últimos oito anos, segundo a Gerência de Polícia Metropolitana da Delegacia Geral da Polícia Civil.

No primeiro trimestre de 2011, foram 35 homicídios em Teresina, número que deixa o ano atrás apenas do mesmo período de 2003 (34 casos), 2009 (29 casos) e 2010 (30 casos).

Esta reportagem está fechada para comentários e avaliações.

1 Comentário

  • Raimundo Félix | 2011-05-01

    Prezados administradores do site inforsurhoy,sou Piauiense de uma cidade que vem ficando cada vez mais violenta. A cidade da estou comentando, chama-se Marcolândia já na fronteira com Araripina - Pernambuco. Fico muito triste em saber que uma cidade tão calma como era Marcolândia se transformou num verdadeiro inferno, mas ao mesmo tempo, alegro-me em saber que nosso governador está trabalhando com o intuito de acabar com as facções criminosas que está manchando a imagem do nosso estado. Gostaria de dizer também para políticos do Brasil que não é correto o governo querer acabar com a polícia civíl, pois ao mesmo tempo em que trabalham pessoas corruptas na corporação, trabalham também pessoas honestas e que respeitam a corporação e os cidadãos brasileiros e que são pessoas de boas famílias. Parabéns pelo site e fiquem todos com DEUS...