2011-04-07

Colômbia ainda luta contra narcotráfico e terrorismo

“Obtivemos êxito em desarticular dois grandes cartéis e alcançamos uma importante redução do número de hectares de plantações de coca em nosso país e das toneladas de drogas exportadas”, disse o presidente Juan Manuel Santos em nota publicada no site de seu governo. (Shannon Stapleton/Reuters)

“Obtivemos êxito em desarticular dois grandes cartéis e alcançamos uma importante redução do número de hectares de plantações de coca em nosso país e das toneladas de drogas exportadas”, disse o presidente Juan Manuel Santos em nota publicada no site de seu governo. (Shannon Stapleton/Reuters)

Por Carlos Barahona Uribe para Infosurhoy.com—07/04/2011

BOGOTÁ, Colômbia – O governo está ampliando sua luta contra o narcotráfico, o terrorismo e o plantio ilícito no país andino.

A capital do país está livre da atividade de gangues criminosas graças às operações de segurança melhoradas na periferia da cidade, disse o ministro da Defesa, Rodrigo Rivera.

“Nenhuma das sete quadrilhas criminosas que operavam no país está em atividade em Bogotá”, disse Rivera durante entrevista coletiva na prefeitura da cidade. “Progredimos na área de segurança, especialmente nesses três primeiros meses de 2011.”

Rivera acrescentou: “A cidade é um local seguro para turistas e os moradores vivem em uma área com uma das menores taxas de homicídio no país.”

A taxa de homicídios de Bogotá caiu 9% durante os três primeiros meses do ano em relação ao mesmo período de 2010, informou Rivera.

“Isso nos dá uma taxa projetada [para 2011] de 20 homicídios por 100.000 habitantes, revertendo a tendência de alta que temos desde 2007”, disse o ministro.

As palavras de Rivera chegam em um momento em que as forças de segurança do país ampliaram suas operações antidrogas e antiterrorismo no país.

O Departamento Administrativo de Segurança (DAS) da Colômbia recentemente apreendeu mais de 30 kg de pasta base de cocaína durante uma operação conjunta com a 12ª Brigada do Exército colombiano.

Agentes de segurança também apreenderam recentemente 2,5 kg de cocaína escondidos no banco de uma motocicleta supostamente pilotada por Jordan Alexander Soto Padilla, que foi levado sob custódia.

Em uma operação distinta, agentes do DAS apreenderam 28 kg de pasta base de cocaína escondidos no tanque de combustível de um veículo, durante uma parada de trânsito rotineira. O suposto motorista, Álvaro Emilio Pantoja Álvarez, foi preso.

O DAS já apreendeu 307,8 kg de pasta base de cocaína até o momento em 2011, declarou o DAS em nota.

Em outra operação antidrogas, tropas do Batalhão de Engenharia Nº 27 erradicaram uma plantação de coca de 13 hectares no departamento de Putumayo. A coca é o principal ingrediente utilizado na produção de cocaína.

Integrantes do Batalhão Energético e Vial Nº 9 “General José María Gaitán” destruíram duas plantações – 14 hectares no total – de pés de coca nas comunidades de Arauca e El Rosal no município de Oritono, departamento de Putumayo.

No início de abril, a Marinha colombiana apreendeu 120 kg de cocaína em um motobarco em um dos afluentes do Rio Atrato, no município de Vigía del Fuerte, departamento de Antioquia.

O suposto piloto do barco fugiu antes que os fuzileiros chegassem. Mas o Batalhão Fluvial de Infantaria de Marinha Nº 20 encontrou 120 pacotes de cloridrato de cocaína camuflados sob os bancos da embarcação e em suas laterais.

A embarcação e os narcóticos foram entregues ao Corpo Técnico da Procuradoria Geral (CTI), que estimou o valor de mercado da droga em US$ 3 milhões (R$ 4,8 milhões).

Em mais uma operação da Marinha em alto mar, que contou com o auxílio da Guarda Costeira, as tropas do Batalhão Fluvial de Infantaria de Marinha Nº 20 apreenderam 666 kg de cocaína o Oceano Pacífico.

A cocaína foi encontrada sob o capô de um motobarco que viajava em alta velocidade na costa de Togoromá, departamento de Chocó, quando foi interceptado pelos militares.

O piloto do barco foi entregue às autoridades no município de Buenaventura. A cocaína, com um valor de mercado estimado em US$ 20 milhões (R$ 32 milhões), era destinada a organizações criminosas que operam ao logo do litoral colombiano, segundo autoridades.

“Obtivemos êxito em desarticular dois grandes cartéis e alcançamos uma importante redução do número de hectares de plantações de coca em nosso país e das toneladas de drogas exportadas”, disse o presidente Juan Manuel Santos em nota publicada no site de seu governo.

Esta reportagem está fechada para comentários e avaliações.