Arrow left
Arrow right

2010-09-09

Conferência das Américas reúne líderes em Washington

A partir da esquerda, Michael Shifter, diretor da usina de ideias do Diálogo Interamericano; o presidente da CAF, Enrique García; o Secretário Geral da OEA, José Manuel Insulza; e o governador do Novo México, Bill Richardson, participam da sessão de abertura da XIV Conferência Anual da CAF sobre as Américas, em Washington, D.C., em 8 de setembro.  (Brandon A. Garcia para Infosurhoy.com)

A partir da esquerda, Michael Shifter, diretor da usina de ideias do Diálogo Interamericano; o presidente da CAF, Enrique García; o Secretário Geral da OEA, José Manuel Insulza; e o governador do Novo México, Bill Richardson, participam da sessão de abertura da XIV Conferência Anual da CAF sobre as Américas, em Washington, D.C., em 8 de setembro. (Brandon A. Garcia para Infosurhoy.com)

Por Brandon A. Garcia para Infosurhoy.com – 09/09/2010

WASHINGTON, D.C., EUA – Democracias e economias de todas as Américas estão evoluindo, declarou José Miguel Insulza, secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), na abertura da XIV Conferência Anual sobre as Américas patrocinada pela Corporação Andina de Fomento (CAF).

"A democracia está em movimento nas Américas", declarou Insulza, citando as próximas eleições no Brasil e em outros países da região. "A economia está em movimento. Os países do sul estão crescendo muito rapidamente, mas ainda há muita pobreza na América Latina, que não é um continente pobre."

Mas Insulza advertiu sobre os "assuntos urgentes" na região, especialmente "a onda de violência, o crescimento e a persistência da criminalidade, apesar dos esforços [para combatê-las]."

"A região mudou muito", disse. "Há um sentimento muito maior de independência, há novas lideranças e crescimento econômico. Temos de encontrar uma maneira para que todos nós possamos continuar trabalhando juntos para nossos propósitos comuns: democracia, direitos humanos, valores que todos compartilhamos.”

O evento de dois dias concentrou-se no desenvolvimento econômico, social e democrático das Américas, bem como no papel exercido pela América Latina em todo o mundo.

Vários líderes do hemisfério, entre eles o governador do Novo México, Bill Richardson; o ex-presidente boliviano Carlos Mesa, o ex-presidente panamenho Martín Torrijos, a secretária da Comissão Econômica para a América Latina e Caribe das Nações Unidas, Alicia Bárcena, e Francisco Carrión, embaixador do Equador na ONU, estiveram presentes, além de outros.

A Corporação Andina de Fomento, com sede em Caracas, Venezuela, vai celebrar o seu 40º aniversário este ano com novos desafios, segundo o presidente da CAF, Enrique García.

"Em 40 anos, passamos de cinco países membros para 18", disse García, durante entrevista exclusiva ao Infosurhoy.com. "Começamos com ativos de US$ 25 milhões, agora temos US$ 18 bilhões e emprestamos perto de US$ 10 bilhões [por ano]."

A CAF era inicialmente composta pela Colômbia, Venezuela, Equador, Peru e Bolívia, países da região andina da América do Sul. Mas a organização se expandiu para incluir o Brasil, Chile, Jamaica, México, Panamá, Paraguai, Trinidad e Tobago, Argentina, Uruguai, República Dominicana, Costa Rica, Espanha e Portugal.

"Projetamos tornar-nos três vezes maior, através de um processo de crescimento organizado, com ênfase na qualidade dos nossos produtos financeiros", declarou García.

A CAF coloca frequentemente ações em diversas bolsas de valores em todo o mundo, particularmente no Japão, Estados Unidos e Europa, para financiar suas operações, disse García.

"Nossos produtos têm avaliação de risco no mercado de investimento, o mais alto nível de confiança financeira", concluiu.

- Julio Urdaneta contribuiu para esta reportagem.

Esta reportagem está fechada para comentários e avaliações.